...

A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

O castigo de Eco e Narciso





... Eco revelou-se e sem palavras, deu-lhe um abraço apaixonado, abusou de gestos para dizer-lhe do seu enorme amor. Rejeitada, a pobre ninfa enclausurou-se numa caverna. Por incontáveis anos...


Antonio Pereira Apon.



Eco e Narciso - John William Waterhouse.


Conforme a mitologia grega, a linda Eco era uma das Oréades, ninfas que habitavam e protegiam as montanhas, cavernas e grutas. Aliás, a mais tagarela de todas, parecia dupla de repentista disputando embolada. A moçoila falava pelos cotovelos. Zeus, um amante inveterado, adorava a companhia das belas ninfas, não perdia a oportunidade de “pular a cerca” ao encontro das beldades. Marcando em cima, num quase mano amano, Hera desceu a Terra para dar um fraga no divino marido e suas amantes.


Talvez por sua incessante falação, a verborreica Eco era a única que não se divertia com o “Don Juan” do Olimpo. Assim, sobrou para ela, tentar salvar as amigas. Disparou sua logorreia para cima de Hera qual locutor argentino, narrando o 7 a 1 da Alemanha em cima do Brasil. Permitindo que o todo poderoso e suas amantes fugissem. Desvencilhando-se da falastrona a deusa chegou ao campo das peripécias e safadezas do marido. Mas, não encontrou ninguém.

Enganada e virada no estopô, Hera tascou-lhe um castigo. Condenou Eco a jamais conseguir iniciar uma conversa, apenas repetir as últimas palavras das frases ditas pelos outros. Então a ninfa perdeu aquilo que mais amava.

Sua tagarelice crônica e galopante.


Vagando sofrida pelo bosque, vislumbrou Narciso, belíssimo moço que provocava paixões à primeira vista. Mas orgulhoso, egocêntrico e cheio de si; o rapaz não correspondia a ninguém. Caída de amores e sem poder falar-lhe, Eco segue-o a espreita. Contudo, pisa num galho seco que se quebra, chamando a atenção do jovem.

-Quem está aí?! Apareça! - Gritou ele.


Eco revelou-se e sem palavras, deu-lhe um abraço apaixonado, abusou de gestos para dizer-lhe do seu enorme amor. Rejeitada, a pobre ninfa enclausurou-se numa caverna. Por incontáveis anos impregnou a gruta com suas lamúrias e ais. Pouco a pouco seu corpo, foi-se incorporando, misturando-se a rocha e toda aquela escuridão. Logo só restou uma voz a repetir as últimas palavras ditas pelos que por ali passavam.


Num lago próximo à caverna de Eco. Castigado por Nêmesis - a deusa que pune o orgulho. Narciso sofreu o igual desprezo que dedicava aos outros. Viu-se apaixonado por seu próprio reflexo. Sem, obviamente, poder ser correspondido. Morreu de desgosto, Virando uma flor, sempre debruçada sobre o espelho d'água. Sua desgraçada sombra embarcou na barca de Caronte rumo aos domínios de Hades, onde tarda torturado pelo reflexo de seu rosto nas águas do rio Estige. Diz-se que, ainda hoje um sorriso baixinho, parece ecoar ao sabor do vento que passa por entre as pedras de uma certa caverna…


Conta ainda uma outra versão, que como Narciso, Eco desprezava quem lhe dedicava afeição. Tendo se apaixonado por ela, o deus Pã, tratado com desdém. Enfurecido, manda matá-la . Assim, a ninfa com seus maravilhosos dons de canto e dança foi estripada, e seus pedaços espalhados pela Terra. Gaia juntou os pedaços da infeliz, com os restos de sua voz, a repetir as últimas palavras ditas pelas pessoas.
>

Em resumo, certo está o dito popular: “Tudo o que é demais são sobras”. E como se diz na Bahia: Sobraram!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

12 comentários:

  1. Olá, Apon, como vai? Os contos mitológicos são interessantes porque sempre nos levam a pensar nas limitações humanas, mostrando as faces do ego, arrogância, egoísmo e intolerância. Gostei de saber dos mitos sobre o Eco! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mitologia representa com maestria a complexidade humana: Os conflitos existenciais, embates emocionais... Psicologia, sociologia... Muito bom mesmo. Fora esse lastimável acidente da Chapecoense e o bordel da política, tudo vai bem.

      Um abração.

      Excluir
  2. Amigo Antonio, como eu sempre amei e amo Mitologia, principalmente a Grega, não poderia deixar de aqui ler e te dizer que tenho essa estória em poema, como sempre tudo nos dá essa inspiração, poder poetizar sobre todas as coisas que nos fazem pensar e repensar!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mitologia, além de inspirar, ensina, encanta e engrandece. Gosto demais.

      Um abração.

      Excluir
  3. António, "Tonico", estou com tanta pena de Eco e de Narciso, também. Olha que, Eco, a bela ninfa era mesmo muito bonita, bem falante, até demais, levava qualquer na cantata dela e na pintura, de que muito gostei, até aparece com um seio redondinho e tão bonitinho à mostra, só um (bom, podes tocar - risos).

    Eu, por vezes, vejo na Mitologia realidades, moralidades incríveis, podendo dela extrair tudoo isso, embora, na nossa era, muitas das atitudes dos deuses e deusas não se compreenderiam, nem se aceitariam, aliás, a palavra Mitologia deriva de mito e está tudo dito.

    Caramba, mas Zeus era um comilão! Comia, enchia o bandulho em casa, mas parece que tinha sempre "fome". Como pai dos deuses, deveria dar o exemplo, mas qual quê! Acho que essa mania de homi "comer" fora de casa já vem de longe, de muito longe, mas mantém, socialmente, a esposa como única amada (vocês são tão "mentirosos")!

    Coitadinho do Narciso, que se apaixonou pela bela ninfa, mas ela lhe deu com os pés, e o pobrezinho quase morreu de amores. Enfim, nem tudo é mau: virou flor.

    Essa do 7 a 1 da Alemanha para cima do Brasil foi coisa recente?
    Eco sabia o que fazia e Hera não levou a melhor, como vocês em relação aos alemães. Eu não gostaria de viver na Alemanha, porque é um país muito frio, apenas só por isso, porque tem segurança, cultura, bons salários, pouca corrupção, enfim, um paraíso.

    "Tô" morrendo de sono e já nem sei o que estou escrevendo.

    Bye, minino! Deixo beijinho (sabes que gosto de rimar).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em verdade, ambos foram vítimas de si mesmos, do orgulho, da vaidade... De defeitos tão acalentados pelo ser humano. Zeus é um capítulo a parte, aliás, essa turma do Olimpo, transitava entre a virtude e o vício sem nenhuma cerimônia. Pode estar aí a raíz do machismo patriarcal. Obviamente, existem homens que mentem, assim como mulheres... Não se pode generalizar, me inclua fora desse bolo.

      Foi Narciso que esnobou Eco, ela desprezou outros...

      O 7 a 1 foi em 2014, em plena copa do Brasil. Uma vergonha! Como vergonhosamente, ontem, enquanto uma turba protestava contra a aprovação no senado do necessário teto de gastos públicos, a câmara de deputados, mutilava um pacote de combate a corrupção, em favor dos politiqueiros corruptos. Isso aqui está uma verdadeira zona.

      Um abraçãozinho.

      Excluir
  4. Concordo, António, embora cada um a seu jeito.

    O Olimpo devia ser de gritos e Zeus como senhor absoluto não tinha "mãos a medir" - risos.
    Pode estar aí a raiz do machismo patriarcal, sim, embora exista em todos eles um tiquinho.

    Homens mentem mais, mulheres menos, na questão dos amores extra conjugais ou não, mas tu, afirmas não fazer parte dessa turma. Se continue portando muito bem para reencarnar (risos).

    Estive lendo, de novo, teu texto e sim foi narciso que recusou Eco. Tolo!

    Foi só há anos. "Pobrezinhos" dos brasileiros -rs.
    Essa gente deve estar pirada mesmo. Ah!

    Lindos e doces sonhos.

    Beijinho, garoto bem comportado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei não... Por aqui, as mulheres aprenderam com os homens e estão disputando em pé de igualdade. Apesar de dizerem que: "Quem anda na linha o trem pega". Sigo meu caminho comportado.

      Já a política... Deixa pra lá! ...

      Abraçãozinho.

      Excluir
  5. Pois, as mulheres já que tanto lutaram, lutam e continuarão lutando pelos seus direitos, acham que "isso", a mentira, nesses campo, também é um "direito".
    São "direitos" diferentes, minha meninas, porque homem e mulher pensam de forma desigual: eles razão, nós coração. Eles bebem na "fonte", se saciam e logo esquecem. Nós, bebemos, também, mas e porque somos coração ficamos pensando que tudo aquilo que ele disse e fez é verdade, e queremos muito mel e atenção, coisa que "depois" do ato, não cabe no cérebro deles. Estou dizendo isso, sem menosprezar, porque o cérebro do homem, estruturalmente, é assim mesmo, não é de propósito, fiquem sabendo.

    Gosto de ficar conhecendo provérbios daí, e que corresponderá ao daqui e que é : "Quem anda à chuva, se molha". Acredito no teu bom comportamento, mas olha que "água mole em pedra dura, tanto bate, até que fura" - risos.

    Sabes o que é que eu acho do homem brasileiro? O acho muito permissivo, em geral, embora existam muitos casos de violência doméstica por aí e por aqui, também, mas normalmente a culpa é da mulher, que não sabe agir na altura certa. Bateu uma vez, vociferou uma vez, então, não voltará a fazer isso. Denunciar é o 1º passo, porque é muito importante que as autoridades competentes, vizinhos, amigos e conhecidos fiquem sabendo. Há aí a Lei da Maria da Penha, que não sei se ajuda satisfatoriamente ou não.

    E disse permissivo, porque acho que a maioria dos homens daí gostam que sua mulher dê nas vistas, se vista, de forma muito descapotável, o que suscita desejos carnais por parte dos homens que a veem. Eu sei que aí faz muito calor, e portanto a tendência é pôr pouca roupa, só que há senhoras de 40/50/60 anos, enfim cuja pele já não tem a beleza dos 20, que têm celulite, excesso de peso, etc. e continuam se vestindo, desse jeito.
    Aqui, em Portugal somos mais contidas e quando se vê uma mulher, com excesso de peso, celulite, pneu e mais pneu, vestindo de forma arejada, ficamos logo sabendo que ela é de origem africana, embora tivesse nascido já cá ou é brasileira, super à-vontade, de havaianas nos pés, calção bem curtinho, pela virilha, normalmente, top bem cavado e de decote que dá até ao umbigo (risos).

    Já fui a Marrocos, algumas vezes, como tu sabes e vejo lá inglesas, por exemplo, vestindo calção bem curtinho, top , bem arejado, mas olha que a reação do homem árabe, que costuma ser "fogo", ficam no seu canto, um tanto desconfiados da "fartura" e olha que há muitas mulheres viajando em grupos de 3/4, portanto, liberdade total.

    No meu caso, lá, eu uso roupa prática, umas leggings e uma túnica de manga comprida por causa do calor, mas deixo, por exemplo, os primeiros 3 botões desapertados da peça, coisa discreta, mas... o que deixa o homem pior que o "cão de Pavlov" -risos- e vou acompanhada por um homem, o que, à partida pode impedir "avanços". Eles são extremamente respeitadores, nesse campo. É que mostrar tudo não faz "impacto", mas mostrar um pouco, ah, como faz!

    Política é sobretudo feita por homens, portanto, agora conclui, por favor!

    Abracinho e um dia feliz, feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há que se cuidar para que, os vícios adquiridos dos homens, não se sobreponham às virtudes femininas. Muitas mulheres começam a incorrer nos mesmos erros da macharada. De fato, o pragmatismo masculino e a emotividade feminina, contrastam sobremaneira. Mas, pouco a pouco isso também vai mudando.

      Eu amo ditos populares, tanto que os repito com frequência. Mas existe uma versão alternativa a esse que citas: "água mole em pedra dura, tanto bate, até que a água acaba".

      Na verdade existem muitos babacas descerebrados, machistas e i sem noção. Usam e abusam da mulher como objeto, propriedade sua, são para exibição aos outros e usufruto seu. E muitas se prestam a esse papel. Quanto à violência, mais do que ter leis, é preciso que se tenha estrutura para cumpri-las e cumpri-las com todo seu rigor. Homem imbecil que agride mulher, tem que todo dia: "Tomar uma surra de gato morto, até o gato miar" e "chupar prego até virar parafuso".

      Concordo que as diferenças climáticas e culturais não justificam os excessos. Há que se ter discernimento e equilíbrio em tudo.

      Quanto à política. O que se faz e vem abundando mais e mais no Brasil não é política, é algo que se não fosse tão infecto, pestilento e deletério. Serviria para adubar a terra como o similar produzido pelos ruminantes.

      Um abraçãozinho e um bom fim de semana.

      Excluir
  6. Antonio, estava aqui constrangida em expor as dúvidas que me assaltam na exploração do teu blog, mas tendo consciência de que não se deve ter vergonha de perguntar sobre aquilo que não se sabe, aqui estou dando a mão à palmatória.
    Confesso que só recentemente aprendi a encontrar a última postagem para ler e comentar. Mesmo assim, como aconteceu hoje, leio e vou comentar num outro local (risos). Sendo assim, e não a encontrando visível, como faço para achar a postagem Ladainha?
    Gosto muito da Leitura Sorteada e estou sempre por ali. Como retornar à postagem lida e comentada?
    As dúvidas, meu amigo, se prendem ao fato de saber que tu tens a delicadeza (e generosidade) de responder os comentários, muitas vezes acrescentando dados relevantes ao assunto. O que me faz querer retornar ao teu blog para ler as respostas.
    Confesso minha ignorância e inabilidade na exploração de um espaço tão precioso, tão completo, que coloca à disposição dos leitores essa riqueza de informações.
    Vou gravar bem que estou comentando na postagem intitulada: O castigo de Eco e Narciso, para não correr o risco de ficar desnorteada procurando a resposta em outras postagens, depois de te dar tanto trabalho em esclarecer as minhas dúvidas (risos).
    Um adendo: o bebê que quis vir ao mundo “antes da hora” passou por maus momentos, mas já deu para perceber que vai ser um guerreiro, um lutador, pois usou de todas as suas frágeis forças para se manter neste mundo, o que em muito me ajudou no sucesso absoluto do parto. O seu primeiro choro, aquele que sempre anuncia que mais um serzinho de Deus está chegando ao mundo, custou a sair, mas quando o fez foi com tal intensidade que emocionou a todos da equipe. Mesmo assim, meu coração só ficou em paz depois que os pediatras e demais profissionais garantiram que a sua saúde era perfeita. Na palavra da mãe, um milagre! Na minha concepção, uma bênção especial de Deus! Na palavra final da ciência... Ah, deixa pra lá! Que sabem os homens quando a palavra de Deus fala mais alto?
    Não sei a tua religião, meu amigo, mas sempre acreditei numa força maior, independente de religião, de templos, de dogmas. Uma fé que nasceu do milagre da vida quando fiz meu primeiro parto e ajudei a vir ao mundo um bebê prematuro, de 6 meses, parto difícil também. Eu senti que alguma força superior estava ali atuando... Não sei nem como explicar isto direito, mas é fato que eu sinto em cada parto uma assistência que está além dos meus conhecimentos médicos.
    Sinto que extrapolei... Minhas desculpas pelo desabafo.
    Que a noite te traga sonhos bonitos, coloridos, destes que quando a gente acorda tem a impressão de estar com a alma perfumada.
    Um beijo no meu carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há razão para qualquer constrangimento, sinta-se a vontade para tirar qualquer dúvida, questionar ou criticar. Muitas vezes, algumas coisas passam sem que eu perceba e só quando alguém relata, eu posso corrigir ou explicar.

      As cinco postagens mais recentes, ficam logo acima da postagem aberta, na página inicial, aparecem as 10 mais novas; a postagem ladainha está em: http://www.aponarte.com.br/2010/01/ladainha.html

      Para facilitar encontrar os comentários o feed rss com as 25 entradas mais recentes é: http://feeds.feedburner.com/comentariosdosvisitantes

      Outra opção é o espaço para buscas na barra lateral, abaixo das postagens sorteadas. Podes ainda visitar o mapa do site em: http://www.aponarte.com.br/2010/04/mapa-do-site.html Depois vou acrescentar o "arquivo do blog" no fim das páginas.

      É que são mais de 700 textos, fora, datas comemorativas e pensamentos.

      Que bom ter dado tudo certo com o bebê. Com certeza, uma grande força superior existe e age em favor do bem e das boas causas, a ciência é um instrumento, tanto quanto você na condição de médica, é um instrumento da ação de Deus, que pode e vai além dos limites da medicina e toda a terapêutica terrena. Não se preocupe, não extrapolou em nada. Quanto à religião, sou espírita (kardecista).

      Tudo de bom! Um abração e bom fim de semana.

      Excluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.