A Sabedoria, a Ética e a Verdade



... Na etiqueta diária, que é a “pequena” ética do dia a dia, Muitos dos que gritam, vomitam discursos de moralidade, não hesitam em pagar ou cobrar...


Antonio Pereira Apon.


A queda dos anjos rebeldes - Pieter Bruegel, o velho.


Atraídas pelos clamores de mudanças na política e combate a corrupção. A Ética e a Verdade desceram ao Brasil, esperando serem acolhidas e reverenciadas, mas, para enorme surpresa delas, ambas foram rechaçadas e desprezadas. Voltando à dimensão onde residem as virtudes, foram se aconselhar com a Sabedoria, que com um sorriso compreensivo lhes falou:


- Muitos rogam por ética e verdade, mas uma ética e verdade próprias, particulares; moldadas, adequadas às conveniências de cada um. Para tais criaturas, a Ética e a Verdade propriamente ditas, lhes são incômodas, pois, como espelhos, denunciam, revelam a realidade de cada qual, desnudando a hipocrisia de quem vive de dedo em riste, julgando e condenando levianamente. Sempre com o dedo indicador apontado como uma arma, pronta para disparar, porém, deliberadamente, ignorando o dedo médio, o anelar e o mínimo que se voltam para a culatra de onde costumam sair desastrados tiros.


Na etiqueta diária, que é a “pequena” ética do dia a dia, Muitos dos que gritam, vomitam discursos de moralidade, não hesitam em pagar ou cobrar suborno por conta de facilidades ou bagatelas, se favorecem do contrabando e do descaminho, intentam levar vantagem a qualquer custo mesmo com o prejuízo de terceiros: a “roubadinha” no trânsito, o “furar” fila, o “por fora”, a carteirada, o “achado não é roubado”, “farinha pouca, meu pirão primeiro”, “uma mão lava a outra”… Tudo e qualquer coisa que seja “pecado e abominação”, quando praticado por outrem. Se perpetrado por essa gente, tem sempre uma “justa” explicação. Reclamam sim, mas, por não estarem sendo beneficiados pelas falcatruas e maracutaias alheias. Se estivessem, certamente...


Quantos guerrilheiros de araque, falsos guerreiros, pretensos heróis. Pretextando combater tiranos e lutar pela liberdade de um povo, na verdade, não queriam senão, se adonar do poder, para instituir sua própria tirania? Populistas de direita e esquerda, sindicalistas pelegos, políticos aventureiros, líderes arrivistas, estelionatários “salvadores da pátria”...


Pois é, diverso dos corruptos, aéticos, amorais. Que escolhem o caminho mais fácil, os atalhos enganosos da desonestidade, da esperteza malandra, do jeitinho e do crime. É preciso buscar o caminho árduo, mas honrado, de fazer o certo. Só pessoas assim, querem, acolhem e abraçam realmente a Verdade e a Ética.


O resto, é o triste resto, que grita, basofa, fala, xinga… Mas não faz diferente.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Pois é, Verdade Ética tem muito que se lhe diga e cada qual escolhe o significado que mais lhe convém.

    Bom domingo, António!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como dizia Sartre: "O inferno são os outros".

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  2. Oi Antonio,
    Como bem disse, fazer o certo! Tão óbvio e ao mesmo tempo a "contra mão"!
    Verdade e ética, isso dá o que falar!
    Tenha uma linda semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade e ética dá muita prosa. Esperemos que cada um e todos tomem consciência e saiam da mera retórica, de cobrar dos outros e não de si.

      Um abraço.

      Excluir
  3. Parabens pelo o blog! amei muito

    se puder passa no meu blog tbm, bjs

    Visite Blog

    Link=> http://nintudo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita. Estou indo lá visitar seu espaço.

      Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença

Tempo e amor