Carnaval... Já é ano novo! Shalom! Salam-aleikum! Namastê! ...



... acorda, no silenciar do samba, no calar dos trios da elétrica folia. Finda em cinzas a fantasia, o enredo da realidade bota o bloco do ano novo para tocar a vida. Acabou o carnaval! ...


Antonio Pereira Apon.



Galateia das esferas - Salvador Dalí.


Passada a febre consumista do fim de ano, onde o coadjuvante Noel tem se apropriado mais e mais do protagonismo da natividade; atravessada a pasmaceira, intermezzo compulsório dos janeiros. Passa o carnaval fechando o verão, prenunciando as águas de março. “É pau, é pedra, é o fim do caminho”…


Eis que afinal a tupinicalha acorda, no silenciar do samba, no calar dos trios da elétrica folia. Finda em cinzas a fantasia, o enredo da realidade bota o bloco do ano novo para tocar a vida. Acabou o carnaval!


A suruba do poder, sempre a nos fazer sofrer, segue atravessando a harmonia. E no passo dessa triste “alegria”, compasso de infame melodia, agonia do sobreviver. Alienação de parco pão e farto circo, ração de alegoria pro ruminar do devaneio popular.


Se Einstein propôs a teoria da relatividade, no Brasil, o relativismo foi superlativado numa complexa engendração tempo-espacial, transpondo o real início do ano para o pós-carnaval. Adormecida a miragem, anestesiada a ilusão. Desperta o tardio ano novo, já velho! Mas, ainda novo. Até fevereiro voltar.


Acorda! Feliz ano novo! Shalom! Salam-aleikum! Namastê! ...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Realmente, como tudo em nosso país, posterga-se para depois do carnaval... feliz ano novo, Antonio! Que essa desfaçatez, essa alegria forçada, emborcada no álcool dê lugar a decisões humanas há muito esperadas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz ano novo! Já passou da hora do brasileiro acordar para a realidade, parar de ruminar essa infame ração de "pão e circo".

      Um abraço.

      Excluir
  2. FELIZ E VENTUROSO ANO NOVO PARA TI, MEU AMIGO BRASILEIRO!

    E eu pensando que o ano se iniciava a 01 de janeiro (rs)! Pronto, a folia, o "orgasmo" terminou, mas esse durou 2 meses, e agora cinzas, outono e folha caída, enfim, um virar de página bem necessário.

    Teu texto está five étoiles, mas não percebi as saudações finais.

    A pintura de Dali mostra bem como anda a cabeça de muita gente, infelizmente, e revela também tristeza.

    Abracinho, garoto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até o calendário, no Brasil tem uma versão própria, assim, ano novo, só depois do carnaval. Então, afinal, é hora dos votos de paz, felicidade, respeito, harmonia... sem esquecer que tem ainda: Páscoa, São João, muitos feriados prolongados, pontos facultativos... Viva o povo brasileiro e seus politiqueiros! Aqui, só fica triste quem pensa. Quem usa a cabeça apenas como suporte para peruca, boné, bandana ou chapéu, está feliz da vida, sonhando com a próxima folia.

      Um abraço. Feliz ano novo!!!

      Excluir
  3. Olá, António
    Já vim cá várias vexes mas não consegui comentar... Não encontrava a caixinha dos comentários. Felizmente hoje "descobri-a"... :)))
    Como tudo na vida, também o Carnaval passa. E depois do interregno volta o ram-ram de sempre, e nada de melhorias.
    É caso para dizer que caem as máscaras, e a realidade aí está, nua e crua.

    Obrigada pela carinhosa presença e parabéns à minha "CASA".

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo passa, mas,infelizmente, a alienação e o faz de conta persistem. Nossa gente se apraz em perseguir miragens e cultivar ilusões. A realidade que espere! Triste insanidade...

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil