Meio ambiente, ávida vida



05 de junho, dia mundial do meio ambiente... Conter os flatos que esquentam o mundo, CFC, hidrocarbonetos… Mefistofélicos sonetos, antipoesia, desprogresso imundo. A água farta a faltar, isquêmicas nascentes, mares, lagos, rios… Poluídos, destruídos; inconsequência a nos sentenciar. E o buraco na camada de ozônio? ...


Antonio Pereira Apon.



Alegoria da primavera, pintura de Sandro Botticelli.


Mãe Terra,

sonho azul no infinito atemporal,

casa, abrigo, nosso lar;

nosso barco para a vida navegar.

A bordo,

de borda a borda a bordar,

bordado novo, sem igual.

Um novo tempo de paz,

plantas, homens, outros animais.

Conter os flatos que esquentam o mundo,

CFC, hidrocarbonetos…

Mefistofélicos sonetos,

antipoesia, desprogresso imundo.

A água farta a faltar,

isquêmicas nascentes,

mares, lagos, rios…

Poluídos, destruídos;

inconsequência a nos sentenciar.

E o buraco na camada de ozônio?

Cova da incivilidade,

triste vala, insanidade.

O “luxo” de tanto lixo,

esdrúxulo nicho;

estupidez!

A força da grana a forçar

o morticínio geral.

Dinheiro sem noção,

suicídio, desrazão;

gente bestial.

Deflorar a flora,

“desfaunar” a fauna,

defraudar...

Já é passada a hora,

legar futuro ao porvir,

não deserdar a posteridade,

não sonegar o sorrir.

Resgatar para o orbe esperança,

devolver confiança,

humanidade plural.

Salve-se a vida!

Ávida vida,

deles, dela, nossa vida!

Vida para se viver.


Terra mãe.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Na ânsia do TER, do PODER, do SER MAIS... tornam-se "piores cegos, pois não querem ver" a destruição que fizemos e fazemos do nosso Planeta! É VIDA que se esvai...
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Insana sanha do "lucro" inconsequente, irresponsável. Loucura suicida.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Oi, Apon, como vai?

    Parece-me tão natural o impulso de cuidar do meio ambiente, e fico realmente impressionada como tantas pessoas ainda não percebam essa necessidade. Lindo poema, quase um clamor por respeito pela natureza. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos esperando que os outros façam aquilo que poderíamos e já deveríamos estar fazendo por nosso lar e único planeta que temos para viver. Triste inconsciência.

      Um abraço.

      Excluir
  3. Olá, Tonico!

    Mais uma obra de arte desse "minino", que tão bem sabe jogar, "brincar" com as palavras.
    Todos os dias deveriam ser dedicados ao Meio Ambiente, porque, ao que julgo só temos essa Terra.
    "Salve-se a vida! Ávida vida" escreveste tu e foi das expressões usadas em teu poema/prosa poética de que mais gostei.

    Gosto muito das pinturas de Botticelli e essa não é exceção. Era bom que a alegoria se desse também em todas as estações do ano.

    A imagem, que colocaste por baixo de teu texto, também, está muito interessante e com imenso significado: mães de diferentes continentes, pegando em seus filhos e como que a perguntar: que será feito de nossos filhos se o Homem não parar de fazer ingratidões para com a Mãe Natureza.

    Beijinho e abracinho soprados (rs).

    Boa semana, Sr. Professor (rs)!

    Sua "aluna" dedicada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida pede, roga, suplica por viver. Mas, a ganância demente da ambição desmedida, coloca o planeta a beira do precipício, subjugado pela força insana da grana. Até quando? Haverá ainda tempo? Salvação?

      Só Deus!

      Um abraço e uma semana nota10.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil