Falarei do amor - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

segunda-feira, 26 de março de 2012

 

                    Falarei do amor              

     

 

Não falarei das guerras. Elas denunciam o quão desumano e estupido é o dito ser humano

 

Não falarei do preconceito. Ele é coisa de quem o discernimento, não consegue transcender à órbita do próprio umbigo.

 

Não falarei da morte. Ainda não entendemos a vida, muito menos seus "ritos de passagem".

 

Não falarei da educação, saúde ou segurança pública. São demasiadamente inverossímeis.

 

Não falarei dos Políticos. Grande parte deles afronta a dignidade, prostituindo a ética. Transformando a política num covil

de embusteiros, ladrões e todo tipo de delinquente..

 

Não falarei do sensacionalismo. Ele aflige o espírito, deprava a realidade, adequando os fatos à baixeza de quem não tem qualquer respeito ou compromisso com a seriedade.

 

Não falarei de religião. Muitas viraram grandes negócios onde a alienação aumenta a lucratividade.

 

Não falarei de FALSA arte. Essa aberração que perverte a criação violentando os sentidos, na mais valia dos glúteos em detrimento do cérebro e do coração. Aviltar a música, promiscuir a dança, tornar celebre o que é reles lixo.

 

Não falarei das relações internacionais. Elas são a celebração da hipocrisia, a institucionalização do egoísmo no jogo bruto de interesses inconfessáveis.

 

Falarei do amor. Que promove encontros em meio a tantos desencontros e desatinos. Amor que inspira a paz e a verdade, colocando o ser acima do ter. Suaviza os corações beligerantes, espalhando o perfume da esperança no desintoxicar a mente, abrindo a alma às boas e reais inspirações.

 

Falarei do amor. Incorruptível essência que resgata-nos do vazio, coreografando uma invulgar alegria sem artifícios ou falseamentos. "trilha sonora" dos momentos não descartáveis que emprestam arte à vida, poesia ao viver.

 

Falarei do amor. Que nos humaniza, aproxima-nos de Deus, rompe os grilhões da ilusão, as cadeias dos interesses menores e fugazes.

 

Falarei do amor. Esse amor que nos faz iguais em nossas diferenças e não nos quer indiferentes à dor alheia. Amor que nos move a altos ideais na busca do melhor.

 

Falarei do amor... ... ...

 

 

(Postado aqui em 31 de julho de 2011).

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

   
 
 

5 comentários:

  1. oi eu adorei seu blog! achei bem legal to seguindo
    da uma passadinha la no meu se gosta segui tb ? bjs adorei tudo

    ResponderExcluir
  2. Apon, gostei de você ter optado por falar do sentimento sublime que é o AMOR,pois, as guerras, preconceitos,morte, educação/ deseducação, sistema de saúde (precária), segurança pública(não tão segura), políticos(sem políticas decentes),etc, já viraram um aleijão em nossas vidas.
    O ideal mesmo é falarmos e praticarmos mais ainda o seu "FALAREI DE AMOR", posto que o AMOR, bem como descreves, promove encontros, momentos de paz, verdades (sem ofender o outro), desperta em nós, o querer ser, mais do que,o querer ter, inspira-nos a alma, preenche o vazio, dando-nos esperança, alegria de viver, nos humanizando, lembrando-nos que somos obra de DEUS.Aproximando assim a criatura do criador,pelo ato de amar.
    Tânia Cristina

    ResponderExcluir
  3. Apon,gostei de você ter optado por falar de AMOR,pois, as guerras,preconceitos, morte, educação/deseducação, sistema de saúde(precária),segurança pública(não tão segura),políticos(sem políticas decentes),etc,já viraram um aleijão em nossas vidas.
    O ideal mesmo é falarmos e praticarmos mais ainda o seu "FALAREI DE AMOR", posto que o AMOR,bem como descreves, promove encontros,momentos de paz verdades(sem ofender o outro), desperta em nós, o querer ser, mais do que , o querer ter, inspirando-nos a alma, preenchendo o vazio, dando-nos esperança, alegria de viver, nos humanizando,lembrando-nos que somos obra de DEUS.Aproximando assim a criatura do criador, pelo ato de amar.
    Tânia Cristina

    ResponderExcluir
  4. Olá querido amigo !!! desculpe a demora, estou enrolada no trabalho, quase ficando doida rsrsr mas hoje está mais tranquilo e consegui vir lhe visitar, o que é sempre uma alegria !!!
    Lindo texto, como sempre !
    Acredito que o Amor seja o que ainda nos mantém sãos, que nos mantém unidos e sensíveis, se não fosse o amor, creio que nem existiríamos mais, já teríamos nos matado uns aos outros, cometido as mais bárbaras atrocidades diariamente... ainda somos imperfeitos demais e mesmo assim cometemos coisas horríveis, mas o Amor cuida para que tenhamos também alegrias e beleza neste mundo :)

    Feliz dia do blogueiro atrasado e obrigado pelo recadinho no meu blog, saiba que lhe desejo de coração muitas felicidades neste meio e fora dele !!
    Um enorme abraço e boa semana !!! :D

    ResponderExcluir
  5. Oi Antonio, falar de amor sempre acaricia nossa alma.
    Lendo teu texto percebi que mesmo não falando de certas coisas, temos em nós a justa medida do que sejam dentro de nossos conceitos, até porque observamos e escolhemos o que é melhor pra nós, e isso é muito bom.
    Beijos e linda semana!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...