A rosa rubra do Rei - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

 

                    A rosa rubra do Rei              

     

A mentira pode iludir por algum tempo. Mas a verdade um dia acorda para a realidade. Não há “magia” que não se quebre.


Rosas vermelhas.


Havia um reino extremamente rico com um povo absurdamente pobre. Para os corruptos abastados, tudo! Para a plebe, o resto! Revoltada com a penúria em que vivia e sobretudo, insatisfeita com a tributação de 40% sobre o que produzia, a população começou a dar sinais de inconformação.


Preocupado com uma insurreição que pusesse em risco o trono, o monarca em reunião com seu Primeiro-Ministro e o Mago Real. Resolveu tomar algumas providências:


- Como as rosas rubras são o símbolo da nobreza e só aos nobres é permitido tê-las. Vou decretar a nobreza de todos. Mensalmente, cada um de meus súditos receberá uma rosa vermelha, espalhando um encanto de autoestima pelo reino. Além disso, ficam extintos os impostos. Estes serão substituídos pela Contribuição de Ampliação da Nobreza (CANO) no valor de 50% de toda a riqueza produzida.


Com as palavras mágicas: “POLIANus ingannare populus”. Coube ao Bruxo. Lançar o encantamento sobre os roseirais do império. O que, por algum tempo, manteve o populacho sob o julgo daquela ilusão. Logo, para atender a demanda, foi preciso importar rosas e exportar a magia para as flores dos reinos vizinhos. Porem. Uma inesperada praga devastou as plantações disponíveis.


Quebrado o feitiço, desencantada a população rebelada, destituiu e exilou o déspota e sua corte...


Pois é: Pode-se adiar a verdade. Mas, jamais perpetuar a mentira.


Rosa vermelha.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

   
 
 

7 comentários:

  1. Olá, Antônio!

    Já tinha lido algures esse conto, essa história, mas não sei onde, nem quando.

    Pois é, Não há magia que resista à mentira e ao engano.

    A VERDADE VEM SEMPRE À TONA!

    Sabia que a rosa rubra simbolizava paixão, mas que essa flor é/era "pertença" da nobreza, desconhecia. Época Medieval, talvez.

    Resto de dia feliz.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luz.

      Creio que esteja havendo algum engano. Este meu conto é inédito. Quanto à simbologia da rosa, aqui posta em relação à nobreza, faz parte da ficção desse Reino imaginário, nessa metáfora sócio-política que retrata as peripécias politiqueiras no Brasil, alguns países da América Latina e mesmo da Europa. Pena que tantos povos ainda tardem subjugados pelo “feitiço” de tantas mentiras e artimanhas. Mas um dia, a verdade há de acordar e iluminar as mentes. Como afirmou o Divino Mestre: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

      Estou fazendo algumas mudanças no visual do Blog, por isso ainda não peguei o selo lá do: “Afetos e cumplicidades”.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  2. Oi, Antônio!

    Apresento as minhas desculpas, desde já.
    Eu sei que li algo parecido com a história que você mesmo escreveu, mas como lhe disse, não sei onde nem quando.

    A verdade sairá vencedora.

    Bom fim de semana.
    Abraços da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luz.

      Não há o que desculpar. Pesquisando no Google por textos com a rosa rubra e que se assemelhasse ao meu conto, não encontrei. Mas, achei este tocante escrito de OSCAR WILDE: O ROUXINOL E A ROSA. http://oscarwilde2k.blogspot.com.br/2009/01/o-rouxinol-e-rosa.html

      Quanto a nossa postagem: Como o Rei do conto. Muitos governantes e tantos outros políticos seguem o discipulado do "Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade", do nazista Joseph Goebbels. Mas só a verdade é a verdade.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá Antonio, boa tarde !!

    Eis-me de volta depois um longo tempo ausente devido a algumas mudanças em minha vida. Difíceis no início, mas agora plenamente adaptada a elas. Graças a Deus!

    Gostei muito do teu conto, porque ele reflete bem o momento politico pelo qual estamos passando. Mentira e verdade sempre foram antagonistas que caminharam juntas, assim, como o joio e o trigo que se desenvolvem lado a lado...Mas , sabemos da força e do poder que tem a Verdade, sob todos os aspectos na vida.
    E a história, vem mesmo a calhar, em plena semana em que em uma palestra ministrada a estudantes, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, ele fala grandes verdades , ferindo mentes não habituadas à transparência, a ética.

    Sempre muito bom vir ao teu blog, mergulhar em teus escritos sempre íntegros, verdadeiros e de grande espiritualidade. Obrigada!

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mudar faz parte da vida, mas o que importa é estarmos bem. Quanto à verdade, ela fere de morte os partidários da mentira e da dissimulação. Daí, os tantos pruridos de vários dos nossos “pralamentares” e tantos outros politiqueiros, que com a farsa do seu faz de conta, fazem do Brasil uma caricatura bisonha da “Terra do nunca”, eterno e conveniente (para eles), “país do futuro”.

      Obrigado, um abração.

      Excluir
  4. É justamente isto que falta para o Brasil, se acordar como tem feito nas últimas semanas! Parabéns e m nome de toda a equipe da Sacaria de rafia

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...