Analfabeto político. Vida de gado - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

 

                    Analfabeto político. Vida de gado              

     

"... não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, Do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio. Dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia A política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce"...


Moedas espalhadas.


A vitória do PT na Bahia e a performance eleitoral da “Presidenta” (sobretudo no norte e nordeste). Apesar da volta da inflação, desvalorização da Petrobras, reajuste mensal de energia, pibinho, queda na produção industrial, transposição do rio São Francisco(?), mensalão, compra da refinaria de Pasadena, bravatas, factóides, mais bravatas, mais factóides... ... ... ... Me fazem lembrar uma música de Zé Ramalho e um poema atribuído a Bertolt Brecht:



O analfabeto Político - Bertolt Brecht


O pior analfabeto é o analfabeto político.

Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão,

Do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio.

Dependem das decisões políticas.


O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta,

o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista,

pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."


Nada é impossível de mudar

desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.

E examinai, sobretudo, o que parece habitual.

Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de

hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem

Sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,

de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural

nada deve parecer impossível de mudar."



Admirável Gado Novo - Zé Ramalho


Vocês que fazem parte dessa massa,

Que passa nos projetos, do futuro

É duro tanto ter que caminhar

E dar muito mais, do que receber.

E ter que demonstrar, sua coragem

A margem do que possa aparecer.

E ver que toda essa, engrenagem

Já sente a ferrugem, lhe comer.


Eh, ôô, vida de gado

Povo marcado, ê

Povo feliz

Eh, ôô, vida de gado

Povo marcado, ê

Povo feliz


Lá fora faz um tempo confortável

A vigilância cuida do normal

Os automóveis ouvem a notícia

Os homens a publicam no jornal

E correm através da madrugada

A única velhice que chegou

Demoram-se na beira da estrada

E passam a contar o que sobrou.


Eh, ôô, vida de gado
Povo marcado, ê

Povo feliz

Eh, ôô, vida de gado

Povo marcado, ê

Povo feliz


O povo, foge da ignorância

Apesar de viver tão perto dela

E sonham com melhores, tempos idos

Contemplam essa vida, numa cela

Esperam nova possibilidade

De verem esse mundo, se acabar

A arca de Noé, o dirigível

Não voam, nem se pode flutuar,

Não voam nem se pode flutuar,

Não voam nem se pode flutuar.


Eh, ôô, vida de gado
Povo marcado e,

Povo feliz

Eh, ôô, vida de gado

Povo marcado e,

Povo feliz.



Viva o “bolsa alienação”!

   
 
 

4 comentários:

  1. Excelente analogia com o poema e a música, Antonio... Por mais que eu tente entender "as mudanças" almejadas... juro que não consigo, pois no comando-mór, até agora tudo igual... e quem será "o menos pior"? Somos analfabetos políticos e não lutamos para entender e fazer da política do nosso dia a dia, nossa consciência cidadã. Tornamo-nos marionetes nas mãos dos poderosos que detonam o ensino público cada vez mais para terem personagens rasos em termos de consciência cidadã! Infelizmente, o acorda Brasil... cochilando está!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, o Brasil segue em "berço esplêndido", aguardando um "Salvador da pátria", comprazendo-se em ser enganado, ludibriado e após quase doze anos de um partido no poder. Ainda acreditar no "novo" do seu velho e rançoso discurso. Mero "canto de sereia" para encantar os devotos de "São" Lula.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  2. Oi Antonio!
    Passa o tempo e tudo anda muito devagar, ou nem sequer anda!
    Cérebros engessados, fixados no "bussal"!
    Até quando?...Até quando?
    Felicidades para você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acomodação, preguiça mental de quem segue comprando qualquer mentira, esperando um milagre de qualquer um mal ajambrado "Salvador da pátria". Triste Brasil que adora cair no "conto do vigário" de qualquer populista embusteiro que distribua bolsas ilusão.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...