A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

domingo, 17 de junho de 2018

 

                    Anormalidade              

     


... Receita pronta? Moda feita? Reinvento meu norte, escrevo minha bula. Não sigo cartilha, não tenho partido nem devoção. A vida é minha trilha, caminhar, o meu caminho. Não como conversa, não me deixo convencer, sei o que quero, mesmo sem saber...


Antonio Pereira Apon.


Caminhante sobre o mar de névoa, pintura de Caspar David Friedrich.


Anormal.

O poder não me oprime,

religião não me doutrina,

nem o ter a mim deprime.

A mídia não me manipula!

    Clique para ler o post completo       
 
 

sexta-feira, 15 de junho de 2018

 

                    Mar, amar, ah mar...              

     


... Passos, traços arriscados, pegadas mau riscadas; um rascunhar de coração. O destino sopra em vento, sopra o tempo, ilusão. Ondas espreitam: O arriscar dos passos, os rabiscos das pegadas, o debuxado coração...


Antonio Pereira Apon.


Paisagem com as ondas do mar quase alcançando um coração desenhado na areia.


No blog Filosofando na vida, a professora Lourdes nos convida a escrever uma frase, verso, poesia, pensamento, mensagem… Sobre uma imagem postada a cada fim de semana. Acima, a imagem sugerida. Abaixo, a minha quadragésima participação nessa “brincadeira” intitulada: Poetizando e encantando.


Selo de participação no Poetizando e encantando.

“Ser ou não ser”...
Ir e vir,
bem me quer, mal querer…
Mar, amar, ah mar...
Na praia:

    Clique para ler o post completo       
 
 
 

                    Quer mesmo ser feliz? Então seja!              

     


... Gente que sobrevive de faz de conta, cultivando miragens e cultuando quimeras. Grife dos Rótulos, etiquetas e faustas embalagens para mascarar o vácuo de conteúdo. Ilusão tipo ostentação! ...


Antonio Pereira Apon.


Calculadora.


Precisamos adoçar a alma, a mente e o coração. Contrapor com doçura a tanta e inútil amargura, o infrutífero azedume que a tantos infecta. Sorrir para a vida, para que ela possa responder com um outro sorriso.


Vive-se acuado entre o preço da pressa e a pressa do preço, vai-se trocando o ser pelo ter e artificializando mais e mais uma desumana humanidade, hipnotizada por valores sem valor, transitória posse de desnecessárias necessidades.

    Clique para ler o post completo       
 
 

quinta-feira, 14 de junho de 2018

 

                    Acróstico junino              

     


Versando essa supra religiosa festança a três santos católicos, herança europeia, releitura nordestina, mania nacional. Anarriê! Xaxado, forró, baião e o que vier. Viva Santo Antônio! Salve São João! Valha-nos São Pedro!


Antonio Pereira Apon.


Barco com Bandeirinhas e Pássaros, de Alfredo Volpi - 1955.


Fogos, festa e fogueira,

estética do festejar,

saracotear e levantar poeira;

triângulo, sanfona e zabumba,

arraiá, quadrilha abunda,

sanfônico celebrar.

    Clique para ler o post completo       
 
 

quarta-feira, 13 de junho de 2018

 

                    Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...              

     


Por si só, uma pedra É uma pedra. O uso que fazemos dela é o que faz a diferença: Construir, descansar, brincar, poetizar, matar, esculpir... Poema do livro: Essência (1999), de Antonio Pereira (Apon). Nem Renato Russo, Fernando Pessoa, plagiadores...


A pedra (mp3)
Antonio Pereira Apon.


Poema A pedra, de Antonio Pereira Apon.


A pedra

Este poema foi publicado em 1999 no livro: Essência.


Autor: Antonio Pereira (Apon)


Capa da segunda edição de : Essência.


O distraído, nela tropeçou,

o bruto a usou como projétil,

o empreendedor, usando-a construiu,

o campônio, cansado da lida,

dela fez assento.

Para os meninos foi brinquedo,

Drummond a poetizou,

Davi matou Golias...

Por fim;

o artista concebeu a mais bela escultura.

Em todos os casos,

a diferença não era a pedra.

Mas o homem.




O poema acima é de minha única e exclusiva autoria. Descobri que ele tinha sido copiado do meu antigo* site (br.geocities.com/aponarte/, www.geocities.com/aponarte/ e estava circulando como de autor desconhecido, com o nome de plagiadores, e até autores famosos como: Renato Russo, Fernando Pessoa, Chaplin... Em versões modificadas do mesmo (veja abaixo, algumas das formas do plágio).


A publicação dele aqui no Site/Blog e no "Recanto das Letras", se dá conforme a criação do blog e da minha inscrição e atividades nesse espaço literário. Infelizmente, a WEB está infestada de usurpadores e criaturas de caráter deficitário. Pesso as nefastas, que induzem gente de bem a copiar e reproduzir enganos que caracterizam crime de plágio.


Os sites e blogs, que por desconhecimento, postaram o texto com os citados problemas, quando esclarecidos, prontamente realizaram as devidas correções.


Uma visita ao site Wayback Machine (Máquina de voltar atrás), pode comprovar que o poema: A pedra. Já estava no meu site (No extinto Geocities) em 2001/2002, desmascarando definitivamente os plagiadores.


Peço ao amigo leitor que divulgue esses esclarecimentos, e que encontrando esse ou outro de nossos escritos sem os devidos créditos, comunique-nos clicando aqui (para que possamos tomar as medidas cabíveis) ou ao responsável pela página equivocada (para que efetue as necessárias correções).


Obs. *Com a decisão do Yahoo/Geocities de suspender o serviço de hospedagem de site. Migramos para a plataforma Blogger (Após testar outras opções). Passando a usar o domínio próprio: http://www.aponarte.com.br/


Lembramos que plágio é crime previsto na legislação de direitos autorais e propriedade intelectual. Estando os infratores sujeitos à responsabilização judicial.


Poema A pedra, de Antonio Pereira (Apon)

Visite a Fan page oficial de: A pedra.




Postado aqui em 18 de agosto de 2007.




***


Vejam algumas das formas plagiadas que circulam na internet:


Plágio 1 (Esse é o mais difundido):


O distraído nela tropeçou...

O bruto a usou como projétil.

O empreendedor, usando-a, construiu.

O camponês, cansado da lida, dela fez assento.

Para meninos, foi brinquedo.

Drummond a poetizou.

Já David, matou Golias, e Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura...

E em todos esses casos, a diferença não esteve na pedra, mas no homem!

Não existe "pedra" no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento.


Plágio 2 (Esse eu comecei a encontrar mais recentemente):


O bruto a usou como arma...

O empreendedor a usou para construção...

O camponês dela fez um assento...

Drummond a poetizou...

Já Davi, com ela matou golias...

Jacó a fez de travesseiro e Deus lhe deu um sonho maravilhoso...

Michelangêlo dela fez belas esculturas...

OBSERVE: que a diferença não está na Pedra,mas sim nas pessoas! Não existe pedra no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento...!!


Plágio 3 (encontrei dois dessa forma):


Os distraídos tropeçam nelas.

Os violentos as usam como armas.

Os empreendedores constroem com elas.

As crianças as usam como brinquedos.

Com uma pedra Davi matou Golias.

Michelangelo extraiu das pedras as esculturas mais bonitas.

E em todos os casos a diferença não estava na pedra, mas naqueles que as utilizaram.


Plágio 4:


O distraído tropeçou nela,

O violento, projetou-a

O empreendedor construiu com ela.

O homem do campo, cansado, usou-a como assento.

As crianças brincaram com ela.

Drummond poetizou-a

David usou-a para matar Golias.

Miguel Ângelo fez com ela as mais belas esculturas

Em todos os exemplos, a diferença não estava na Pedra... Mas sim no tipo de Homem.

Não existe pedra no teu caminho que não possas usar para teu próprio benefício.


Outra forma de plágio circulante:

O distraído nela tropeçou...

O bruto a usou como arma...

O empreendedor a usou para construção...

O camponês dela fez um assento...

Drummond a poetizou...

Já Davi com ela matou o gigante...

Michelangelo dela fez belas esculturas...

Jesus mandou remover para ressuscitar Lázaro.


Mais um:


O distraído tropeçou nela.

O violento a utilizou como projétil.

O empreendedor a usou na construção.

O camponês cansado a utilizou como assento.

Para as crianças foi um brinquedo.

Davi matou Golias com ela

e Miguel Ángel a transformou na mais bela escultura.

Em todos os casos, a diferença nunca esteve na pedra, e sim no homem.

Não existe pedra em seu caminho que você não possa usar para o seu conhecimento.


Tem plágio até em espanhol:


El distraído tropezó con ella...

El bruto la usó como proyectil.

El emprendedor, usándola, construyó.

El campesino, cansado del trabajo, la convirtió en un asiento.

Para los chicos, fue un juguete.

Drummond la poetizó.

David mató a Goliat; y Miguel Ángel extrajo de ella la escultura más bella...

En todos estos casos, la diferencia no estuvo en la piedra, ¡sino en el hombre!

No existe "piedra" en su camino que no pueda aprovechar para su propio crecimiento.


Olha só que “gracinha”! Mais plágios multilinguais de: A pedra.


The distracted stumbled on it.

Violent used as a projectile.

The entrepreneur has used in construction.

The tired farmer used it as a seat.

For children was a toy.

David slew Goliath with her and Michelangelo made it the most beautiful sculpture.

In all cases, the difference was never in the stone, but in man.

There is no stone in your way that you can not use to their knowledge.


Le distrait trébuché sur elle.

Violent utilisé comme un projectile.

L'entrepreneur a utilisé dans la construction.

L'agriculteur fatigué utilisé comme siège.

Pour les enfants était un jouet.

David tua Goliath avec elle et Michel-Ange a fait la plus belle sculpture.

Dans tous les cas, la différence n'a jamais été dans la pierre, mais dans l'homme.

Il n'y a pas de pierre dans votre façon que vous ne pouvez pas utiliser à leur connaissance.


El distraído tropezó en ella.

Violento utilizado como un proyectil.

El empresario ha utilizado en la construcción.

El granjero cansado la utilizó como asiento.

Para los niños fue un juguete.

David mató a Goliat con ella y Miguel Ángel hizo la escultura más hermosa.

En todos los casos, la diferencia nunca estuvo en la piedra, pero en el hombre.

No hay piedra en tu camino que no se puede utilizar para su conocimiento.


Aparecem outros plágios com pequenas variações de forma e com títulos diferentes, para confundir e dificultar a detecção.

    Clique para ler o post completo       
 
 

terça-feira, 12 de junho de 2018

 

                    Postagem sorteada. Uma surpresa de leitura a cada clique              

     

Eis aqui a sua leitura sorteada. Se você está usando um dispositivo móvel, clique abaixo no título de um dos posts, para ler o texto na íntegra.

Está no computador ou numa tela grande? Então clique na ilustração:



Clique aqui para ler uma mensagem, poesia, conto, crônica... Sorteado de forma automática.



    Clique para ler o post completo       
 
 

sexta-feira, 8 de junho de 2018

 

                    Íris d'água              

     


... reflexivo pensar. Pés descalços, calçados nas areias do tempo, desnudo, consciencial momento; fragmento do agora, intentando eternidade, restos de saudade, suplicando brevidade. Rondam as poesias inescritas, espreita o paradoxo das horas, o amor sonha um verso para amar...


Antonio Pereira Apon.


Paisagem de um grande LAGO, sol brilhante a iluminar, uma jovem pensativa, caminha descalça na areia.


No blog Filosofando na vida, a professora Lourdes nos convida a escrever uma frase, verso, poesia, pensamento, mensagem… Sobre uma imagem postada a cada fim de semana. Acima, a imagem sugerida. Abaixo, a minha trigésima nona participação nessa “brincadeira” intitulada: Poetizando e encantando.


Selo de participação no Poetizando e encantando.

Um lago...

Íris d'água,

sol brilhante,

deslumbrante paisagem a inspirar.

Caminhante,

andante,

pensante vida,

    Clique para ler o post completo       
 
 
 

                    A palavra              

     


 Não use a palavra como arma. O tiro pode sair pela culatra.


Antonio Pereira Apon.


Gatilho.


Tem poder de vida ou morte,
trás em si azar ou sorte,
faz sorrir ou faz chorar.
Tem força de arma
e leveza de flor;
é pedra ou asa,
fel ou mel,
inferno ou céu;
encanta ou desencanta,
liberta ou escraviza,
sentencia ou poetiza;

    Clique para ler o post completo       
 
 
 

                    O ponto              

     


... Arquitetônico, físico, comportamental, sexual, geométrico, filosófico... O ponto de vista, o de encontro, o ponto certo, ponto de interesse, de discórdia, concordância. Tem gente que "dorme no...



Antonio Pereira Apon.


Mão escrevendo.

Pequenino no tamanho, mas nem por isso, pequeno na importância. É o "maestro" da leitura, rege o ritmo, o tempo, a "arte" da pontuação. Vem em trio nas reticências, para dizer que que o que ali termina não acabou. A vírgula faz uma pausa curta. Seguimento ou continuação traz uma pausa maior. Mas, quando não é tanto nem tão pouco, o ponto sobe na vírgula para um meio termo criar. Dois pontos anunciam que aí vem coisa! Já o parágrafo finda um bloco prenunciando outro que vai chegar.

    Clique para ler o post completo       
 
 

sábado, 2 de junho de 2018

 

                    Vida descalça              

     


... Viria? Virá? Se foi? O hoje, um grande, sei lá! Tudo passa e o tempo passarinho, não faz ninho, não cabe num aninho; passa nos crepúsculos e alvoradas, dias noites, madrugadas; vai, desfolhando folhinhas, sem tardar estações. E a menina vida...


Antonio Pereira Apon.


Uma jovem caminha descalça com os sapatos na mão, numa linha de trem.


No blog Filosofando na vida, a professora Lourdes nos convida a escrever uma frase, verso, poesia, pensamento, mensagem… Sobre uma imagem postada a cada fim de semana. Acima, a imagem sugerida. Abaixo, a minha trigésima oitava participação nessa “brincadeira” intitulada: Poetizando e encantando.


Selo de participação no Poetizando e encantando.

Na trilha,

no trilho,

na linha da trama,

esboço, traço,

tecendo o tecido;

desiderato.

Um ritmo,

um átimo.

Vida descalça,

descalçados passos,

no traço das mãos.

Destino que o caminho encaminha,

caminha.

    Clique para ler o post completo       
 
 


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...