Tempos loucos. Até quando? ... - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Tempos loucos. Até quando? ...

Publicado em quinta-feira, 27 de junho de 2019



... mal intencionada polarização artificiosa entre esquerda e direita, que remonta à revolução francesa. Os eleitores são tratados como marionetes acéfalas pelas máfias ideológicas e seus subterrâneos projetos de poder, apostando as instituições e a democracia na jogatina fisiológica de seus interesses...


Antonio Pereira Apon.


O Grito, pintura de Edvard Munch.


Em sua peça Rei Lear, o grande dramaturgo William Shakespeare, pareceu vaticinar sobre O Brasil dos últimos tempos, resumindo numa frase profética: “Que época terrível esta, onde idiotas dirigem cegos.”. São “Heróis” bandidos contra bandidos “heróis” como no velho dito: O roto, falando do esfarrapado e o sujo do mal lavado”. “Direitopatas” e “esquerdofrênicos”, disputando o poder a qualquer custo, aliciando devotos com velhas mentiras e novas inverdades. A população, em despartido de si mesma, toma partido de seus algozes de um lado ou outro, catando virtudes fictícias na absoluta falta de virtudes que abunda dos dois lados. Delirando por um fantasioso, messiânico “Salvador da pátria”, o país segue bovinamente para o aprisco, ruminando repetidas “fake news”, bem aos moldes da propaganda nazista de Joseph Goebbels, as modernas e, não menos mentirosas, “verdades alternativas”


Sem falar na caquética, rançosa e extremamente mal intencionada polarização artificiosa entre esquerda e direita, que remonta à revolução francesa. Os eleitores são tratados como marionetes acéfalas pelas máfias ideológicas e seus subterrâneos projetos de poder, apostando as instituições e a democracia na jogatina fisiológica de seus interesses mais que inconfessáveis, suruba falso moralista de conveniências apátridas.


Até quando a cidadania tardará “deitada eternamente em berço esplêndido”, roendo migalhas de pão e circo? Até quando posará de “Alice no país das maravilhas”? Até quando o “canto de sereia” dos aventureiros, seduzirá o “jeitinho brasileiro”? Até quando? ...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM