Sertão mar - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

 

                    Sertão mar              

     

... Nefastos coronéis sugam suor e sangue dessa gente que nem sabe assinar o nome, dessa gente que morre de fome para alimentar a gula do...


Antonio Pereira Apon.


Deserto.


A seca seca a terra,

seca a gente,

seca a vida.

Seca a morte que tem sede de viver

para matar a sorte de quem subvive

brincando de sobreviver.

Nefastos coronéis sugam suor e sangue

dessa gente que nem sabe assinar o nome,

dessa gente que morre de fome

para alimentar a gula do poder.

O nordeste? ...

O nordeste é um latifúndio

onde latem fundo as desigualdades,

onde a miséria dita as ordens

e o analfabetismo é seu feitor,

na democracia do chicote

o cabresto "marca o X" do eleitor

para escolher seu carrasco e sua dor,

esse feudo fede a morte:

é o corpo faminto

que cai indigente

em meio a lavoura que o tempo secou,

é o vômito arrogante

do coronel prepotente

que se auto deificou.

É o descaso

que leva ao ocaso

um povo escravo da dor

é a dor que alimenta a morte

que mata a vida, assassinando a sorte.

Faz de esperança o seu farnel.

Pega seu pau de arara,

vai pedir a "Padin Ciço"

que traga à terra um pouco de céu.

Canta e reza,

para espantar seus males,

quebrar maus olhares,

pedir água a Deus.

Lembra o Mestre Vitalino

que com a beleza de um menino

fez no barro o caxixi.

E o capitão Virgulino

que do cangaço foi ladino

foi um mito,

foi um rei.

De canudos ecoou um grito!

Era o profeta conselheiro

dizendo ao povo brasileiro:

"o sertão vai virar mar",

quando a seca deixar de ser

um objeto no mercado da política,

quando a miséria não mais alimentar o poder,

quando o desmando enfartar o peito do coronelismo,

quando o analfabetismo calar e o povo disser não,

quando o chicote quebrar,

quando o cabresto partir...

"o sertão vai virar mar".


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...