Poeta inacabado, poesia em construção - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

 

                    Poeta inacabado, poesia em construção              

     

Sem máscaras, rótulos, normas, regras, formas, amarras... Livre a poesia, liberto o poeta. Construindo, tecendo, criando, dando asas ao versar sempre a concluir.


Antonio Pereira Apon.


Montando quebra-cabeça.


Perdoem-nos os puristas,

os rigoristas,

que rendem à métrica,

obediente devoção.

Somos adeptos do livre poetar.

Nem da rima somos fieis profitentes !

Nossos versares irreverentes,

Só a inspiração pode regrar.

Versamos versos brancos, pretos, azuis... De toda cor.

Desregrado versejar,

verter d’alma arte escrita;

sentida, dita...

Qual a forma que nos norteia?

A do pássaro que gorjeia,

da liberdade sem peia;

da floração do campo,

da mulher e todo encanto;

do ir e vir do mar,

do amar...

Norteia-nos:

Uma constante inconstância,

itinerante permanência,

inquieta quietude,

completa incompletude,

a transitoriedade das certezas,

indefinidas definições...

Não cabemos numa definitiva sentença,

no rótulo de um estilo,

na ditadura de uma forma...

Se um dia nos rendermos,

aceitarmo-nos “prontos”,

estaremos findos,

seremos idos,

uma lápide,

paginas empoeiradas,

quiçá lembranças? ...

Eu e ela.

O poeta.

A poesia.



   
 
 

13 comentários:

  1. Oi estimado Antônio,

    O poeta é o ser mais livre que há nesse mundo.
    Repare que alguns, pelo menos, aqui, em Portugal, se recusam a ter BI.
    Não querem regalias, nem Segurança Social, não têm casa, nem bens e vivem à custa do que vão escrevendo.

    Claro que são um pouco "loucos", mas são os que melhor escrevem, sem duvida.

    Não há bitola nem medida pra suas vidas.

    A poesia e o poeta se amantizaram, para sempre.

    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho um tanto desatinados esses “um pouco loucos”. Por outro lado, temos ditos “poetas” prostituindo a liberdade do poetizar, curvando-se aos caprichos mercadológicos, aos modismos fugazes, aos artifícios acadêmicos, ditames estilísticos... Assim vão sufocando, matando a essência poética.

      Um abração Luz.

      Excluir
  2. Antonio, lindo poema libertador, o poeta tudo pode, tudo sente e tem o direito de expor, quem quiser que o interprete e sinta a poesia que é mesmo a alma do poeta!
    Amei!
    Bom fim de semana prolongado amigo poeta querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem a essencial liberdade, a poesia é natimorta, artificio literário de letras perecidas.

      Um abração. Obrigado Ivone.

      Excluir
  3. Essa é a liberdade mais suprema que possa existir: o poeta e sua poesia! Imaginação aflorada tão somente!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem liberdade de verdade, a poesia é uma verdadeira mentira.

      Obrigado Célia. Um abração e bom feriado.

      Excluir
  4. Oi, Antonio!

    Lindo, lindo!
    A poesia descortina mundos para que os poetas
    observem!
    Tenha um ótimo dia!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. apon, adorei seu poema, e acho que a poesia transcende as barreiras das regras ortográficas ou da perfeição a beleza dela está contida na essência. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. OLá meu querido poeta Antonio!

    Gostei muito da tua poesia porque além de verdadeiramente uma obra de talento e arte, ela vem ao encontro do meu pensar sobre a liberdade de espressar sentimentos através das palavras.
    E sobre o tema que abordaste em tua poesia, tempos atrás senti-me desconfortável ante uma observação sobre uma poema meu, por um senhor que me advertiu quanto a ausência de ritmo e métrica, e outras regras ...E respondi-lhe mais ou menos assim, em forma poética:

    " Chora não,Centelha!
    Ante o desprezo que recebes
    pobre escrivã de psedo arte-manhas!
    Preferível quardar o sonho que à tua alma vitaliza
    a dar-te de bandeja
    à vassalagem acadêmica!"...

    Tenha um excelente final de semana , poeta!
    Beijinhos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostar ou não gostar da nossa arte, é um direito de cada um; Querer desqualificar ou tentar enquadrar em qualquer forma de "fundamentalismo"... Tem muitos desses, que rimam nada com coisa alguma e se acham. Só se acham. Na verdade estão é mais perdidos do que gota no oceano.

      Um abração Lú.Uma boa semana.

      Excluir
  7. Olá meu caro,

    é sempre bom passar por aqui, com a leitura aleatória ficou melhor ainda, porque tem sempre a surpresa.
    O verdadeiro poeta transcende... às regras, aos moldes, à moda. Ele só segue a alma!!!!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O poeta é uma especie de "médium" que comunica a poesia, essa "entidade" universal. É o transmissor da mensagem do infinito, antena transcendental da inspiração.

      Obrigado pela visita e comentário. Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...