Cadê a folia que estava aqui? A realidade comeu! - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

 

                    Cadê a folia que estava aqui? A realidade comeu!              

     

O artificio da alegria, finda nas cinzas do carnaval. Quando a realidade despe a fugaz fantasia, adereço de felicidade.


Antonio Pereira Apon.


Carnaval 1924, Di Cavalcanti.


Finda em cinzas a ilusão,

a realidade despe a fantasia.

Dissipa-se a miragem,

desperta a paisagem do dia-a-dia.

Quarta, quaresma, desilusão.

O cotidiano,

pisoteia as máscaras no chão,

varre confete, alegoria, serpentina...

Acorda a rotina para a vida acordar.

Calou a guitarra baiana,

o trio, o tambor, o agogô.

Calou samba, frevo, axé...

O alarido se calou.

Desenganada a utopia,

evapora o etílico riso.

A alegria.

até pode entorpecer-se de artifícios.

Mas, felicidade?!

Essa. Não se deixa iludir.

Feliz ano novo!

Acabou o carnaval.



   
 
 

12 comentários:

  1. Oi, Antônio!

    Então feliz ano novo!
    A folia terminou, mas continuam as preocupações sociais, económicas e culturais.
    Esssa não há cortejo, dança, ritmo que as resolva, que as alegre.
    Mas, as mentes ficam anestesiadas nesses dias e vale quase tudo.

    Tenha um lindo dia.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem... Ainda tem micaretas, festas juninas, Copa das Confederações... Quem trabalha de verdade, banca tanto ócio e folia. Felizmente, temos gente séria e trabalhadora. Não apenas a malandragem que parasita a nação.

      Um abração e um feliz ano novo!

      Excluir
  2. Oi Antonio,

    Aqui no Brasil o ano começa oficialmente depois do carnaval!
    Primeiro extravasar na avenida, depois arregaçar as mangas e...
    a folia continua, no país do carnaval!
    Linda poesia!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trabalhar para que? Somos o "país do futuro", um país rico, sem problemas, com 53% da população na classe média... Somos a terra da felicidade e da boa vida. A "ilha da fantasia" é aqui.

      Um abração e feliz ano novo.

      Excluir
  3. OLá Antonio, poeta querido!

    A tua poesia tem um quê de "despertar", de "sacudir" o pó das sandálias, ou o brilho das fantasias que teimam em ficar grudadas na pele e nos olhos...Versaste como ninguém, a realidade do dia, e da vida que segue, da verdade que está sempre acima da realidade, pois que a primeira é imutável, ao passo que a segunda é a própria transitoriedade, pra nos dizer de forma poéticamente linda, que "tudo passa"!

    Amo a sua forma de expor a vida e a verdade, assim, nessa singeleza poética admirável!

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo passa de fato. Um dia vai passar a futilidade e inconsciência da população, a inconsequência e leviandade dos políticos, a apatia da cidadania... Quando? Talvez numa longínqua e elucidativa quarta de cinzas...

      Um abração e feliz ano novo.

      Excluir
  4. Olá meu caro Antônio,

    finalmente vou poder comentar com calma mais uma obra sua. Tenho passado por aqui mas meio sem tempo pra comentar.

    Você disse muito bem, passadas as festas, acorda a rotina para a vida acordar. Essa é a realidade de um país que se acostumou a dançar primeiro para depois trabalhar.

    Tomara que estejam todos acordados mesmo agora...

    Grande abraço meu amigo. Sempre bom passar por aqui.

    Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acordados até que a próxima festa entorpeça. O povo brinca, a politicagem parasita e o país dança.

      Um abração e um feliz ano novo.

      Excluir
  5. Uma realidade triste, não é Antonio? Se felicidade se encontra apenas assim... realmente não vale a pena o preço de tal pseudo felicidade! Bela reflexão em seu poema!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alegria e felicidade são coisas bem diferentes. Muita gente se acostumou com migalhas de alegria esquecidas do possível banquete da felicidade.

      Um abração e feliz ano novo.

      Excluir
  6. ... Somos a terra da felicidade e da boa vida. A "ilha da fantasia" é aqui.

    É aqui mesmo Antonio!!! muito boa sua poesia, muito real.

    Abs. Feliz AnoNovo. Fica com Deus.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...