Hiroshima (Para não esquecer. Para não repetir) - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

 

                    Hiroshima (Para não esquecer. Para não repetir)              

     

6 de agosto de 1945 - 8h45min. Gritou "Little Boy" o "brinquedo" assassino!!! Nada mais a falar, Nada mais a calar...


Antonio Pereira Apon.


Explosão nuclear.


Ciência sem humanidade,
Intelecto sem sentimento,
Conhecimento sem sabedoria,
Tecnologia sem ética,
Poder sem discernimento,
Aborto da razão,
Orgasmo da arrogância,
Tributo à prepotência,
Justificativas sem explicação...
Gritou "Little Boy" o "brinquedo" assassino!!!
Nada mais a falar,
Nada mais a calar...
Espíritos sem corpos,
Corpos sem féretro,
Procissão de fantasmas,
Turba convulsa de errantes...
6 de agosto de 1945 - 8h45min:
Nem escola, nem estudo,
Nem templo, nem prece,
Nem gente, nem bicho.
Cores descoloridas,
Sonhos violentados,
Esperanças incineradas,
Vazio...
O nada por nada,
A força da covardia,
Estupidez desumana;
Hálito de morte
Que nos sobressalta,
Persegue e consome.
Hiroshima foi a primeira!
E a última???????

Postado aqui em agosto de 2008.



   
 
 

10 comentários:

  1. Fantástico seu poema Antonio!
    Como você é criativo, inspirado, amigo. Aplausos a ti...
    Meu Deus, quanta insanidade em dizimar Hiroshima, espero que os homens amadureçam e enfim entendam que paz, respeito, jamais serão conquistados com a violência e destruição.
    Boa semana, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O terrorismo de Estado, não é menos terrorismo que o dos fanáticos, loucos, mercenários... Nada justifica a brutalidade e a covardia de quem abusa da força. Um mundo melhor. Começa em seres humanos melhores. Povos e governantes verdadeiramente imbuídos do espírito da paz e do amor.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  2. Querido amigo sensível e de alma com tremenda sabedoria!
    Seu poema me sensibiliza sempre, contigo estou em também desejar que um dia ainda teremos o prazer de ver a paz reinar na terra aos homens de boa vontade, pois somente aos de boa vontade é que se pode apelar!
    Triste foi a destruição em Hiroshima e infelizmente ainda vemos estupidez desumana, até quando?
    Abraços bem apertados querido amigo Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até quando entendermos o real sentido da vida e desmaterializarmos o nosso sentir, pensar e agir. Quando nos tornarmos verdadeiramente humanos, espíritos imortais vivenciando uma transitória experiência terrena. Só aí as coisas vão tomar rumo e teremos um mundo melhor, feito por homens e mulheres melhores.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  3. Coisas triste , nem gosto de recordar...

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda- Feira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma tristeza que não devemos esquecer, para que não se repita.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  4. Maravilhoso e triste! Um Misto!

    Beijo e uma excelente semana-

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma tristeza que precisa gritar para ser ouvida, para que não se repita.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
  5. Meu amigo um brinquedo assassino dos poderosos, que tem suas marcas até hoje.
    Decisões criminosas que estes mandatários apertam o botão sem se importar com o mundo dos inocentes. Que nunca mais possamos chorar sobre corpos macerados pelas bombas. Uma homenagem triste amigo, mas um grito contra estes loucos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Loucos mesmo, dementados com seus desumanos "brinquedos" genocidas. Triste (des)humanidade.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...