Religião, religiosos e a realidade - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

 

                    Religião, religiosos e a realidade              

     

... contrapondo a real lição evangélica. Iludidos que resistem em se melhorar em fazer a parte que lhes cabe na melhoria individual e coletiva. Caem no conto de terceirizar suas culpas e obrigações, aguardando os milagres da intervenção...


Mãos orando.


Dizia Karl Marx: “A religião é o ópio do povo”. Numa paráfrase irreverente, diz o Dr. Gregory House, personagem do ator Hugh Laurie na série House: “Religião não é o ópio da massa, é o placebo dela.”. Mas o problema não está na religião em si, A problemática é uma horda de supostos religiosos que confundem fé com fanatismo e não conseguem distinguir religião de alienação. Daí: Os alucinados terroristas que distorcendo o islã, atentam contra princípios fundamentais que caracterizam a condição humana de ser racional; os “zumbis” caricatos, com suas performances histriônicas, autômatas, logorreicas... Depondo contra a seriedade do ensino judaico-cristão; uns outros tantos que folclorizam, envilecem, prostituem, desvirtuam a religiosidade.


Uma outra “pérola” do Dr. Hous nos faz pensar: “As pessoas escolhem os caminhos que as dão as maiores recompensas com o menor esforço.”. Muitos andam deliberadamente e convenientemente esquecidos de uma importante recomendação de Jesus: “Faze a tua parte que o Céu te ajudará”. Gente que intenta rebaixar Deus à condição de “babá” de preguiçosos, negligentes, acomodados... Pronto a premiar a inação, aos que se prestam à contemplação ociosa, querendo barganhar favores celestiais com orações ocas, ritos artificiosos, dogmas estéreis, e louvores vazios, contrapondo a real lição evangélica. Iludidos que resistem em se melhorar em fazer a parte que lhes cabe na melhoria individual e coletiva. Caem no conto de terceirizar suas culpas e obrigações, aguardando os milagres da intervenção divina. Entorpecidos por engendrações fantasiosas, servem de joguete nas mãos de inescrupulosos que exploram o rentável “mercado da fé”, vendendo “apólices da salvação” sem qualquer compromisso com a verdade.


E quando ao fundamentalismo religioso, se consorcia uma espécie de fundamentalismo político e outros interesses meramente terrenos, surgem aberrações tais quais: “Santa(?) inquisição”, “estado islâmico”, “Boko Haram”, “Al-Qaeda”, “guerras mal ditas santas... Aloprados, dementados matando e morrendo, pretextando o santo nome de Deus em vão. Religião de verdade, precisa ser propositiva. Jamais impositiva! Não pode ser excludente, sectária, discriminatória... deve irmanar, acolher, multiplicar o bem equacionando as diferenças na busca da paz e da harmonia entre todos os seres humanos.


Por fim, a frase que nos inspirou a escrever esse texto. É mais uma preciosidade do Dr. Gregory, falando com um seu colega médico: “Não, se você fala com Deus, você é religioso. Se Deus fala com você, você é um psicótico.”. Pois é. Temos que ter muito cuidado e discernimento em meio a essa “epidemia” de “ouvintes” de Deus, de “emissários do Senhor”. Muitos, antes dos templos, precisariam procurar o psiquiatra, o estudo ou a delegacia. Há a esquizofrenia e outras psicopatias; o charlatanismo, embuste e todo tipo de estelionato da fé; a fascinação, a boa intenção equivocada e incontáveis falsos “profetas”... Não se deixe enganar. Religião é coisa séria!




Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

7 comentários:

  1. Maravilha de texto, como todos os que escreve. Análise profundamente sensível e verdadeira. Como é bom ler você, meu amigo Antonio. Parabéns pelo talento e pelos conhecimentos que te abastecem.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por suas palavras tão generosas. A verdade é que o grande papel da religião, é espiritualizar o ser, mas muitos religiosos, culposa ou dolosamente, desvirtuam tudo. Triste divórcio da verdade e de Deus.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  2. Boa tarde amigo poeta Antonio, concordo com tudo o que escrevestes nesse texto, inclusive as frases do Dr House, embora já tenha assistido todos os episódios, de vez em quando assisto de novo na Netflix, sempre aprendo e rio muito em alguns episódios!
    Está comprovado que muitas doenças são muito mais psicológicas e depois sim é que passam a ser físicas!
    Abraços meu amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hous tem umas coisas muito interessantes. Quanto ao texto. O ser humano é o autor de suas enfermidades e tantas desditas. Apartada de Deus por seus deliberados desatinos, a humanidade vai tardando na província do atraso e da acomodação espiritual. Cativos da matéria, vamos "empurrando com a barriga" a evolução.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  3. Espiritualidade é coisa séria. Sem fanatismos. Apenas evolucionista. Praticar o bem como se fosse para nós mesmos. Sairmos da teorização para a prática. Sem rótulos. Sem dogmas. Ver o significado do amor na biodiversidade que contemplamos.
    Parabéns por suas colocações. Excelente reflexão.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Espiritualidade". A religião precisa resgatar e desenvolver o lado espiritual e não alimentar os desvarios materiais.

      Obrigado.

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  4. Oi Antonio!
    A lei do menor esforço prevalece nos dias de hoje. As pessoas se iludem com conversas manipuladoras.
    Seu texto é ótimo, como sempre!
    Feliz semana!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...