Alice, Pollyanna no país de Maria Antonieta - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

 

                    Alice, Pollyanna no país de Maria Antonieta              

     

... enorme parte da população Pollyanna, já cansou do “jogo do contente”, descontente com o velho “pão e circo”; circo vagabundo e o pão que a política teima em tanto amassar...


Antonio Pereira Apon.


Festa do chá maluco - Salvador Dali.


Não, não é a França, conto infanto-juvenil, nem enredo de escola de samba. É a surrealidade brasileira, onde o errado costuma ser o certo, o pretenso certo, incerto e indefinido. Onde a verdade é desimportante e a realidade relativa. Desmentido, desmoronado o castelo de cartas do “País das maravilhas”, destronada a rainha aloprada, seus súditos/devotos, persistem, insistem na ladainha de Chapeleiro louco, na arenga esquizofrênica do coelho branco que se repete, repete, repete… Repetem velhos bordões e bravatas, repetem desordenadas “palavras de ordem”, repetem, repetem, repetem… Será para virar verdade?! Ou para se autoconvencerem? Só Joseph Goebbels para explicar. Aliás, só mesmo o marqueteiro nazista para justificar o que aconteceu e acontece em nossa politicagem.


Ideologias confusas e exóticas ao modo do Gato de Cheshire, aparecendo e desaparecendo conforme a conveniência de seu enigmático e desmedido sorrir. Feito os jegues, quando podiam desfilar na lavagem do Bonfim, políticos seguem, sujando e andando para o povo, sem qualquer preocupação com a opinião pública ou publicada. Seguem com sorrisos arreganhados de carniceiras hienas, cínicas e debochadas. Que importam os figurões já presos? Os outros tantos implicados, cada vez mais complicados? … O autismo deliberado, segue apostando na impunidade e no “jeitinho” desse país insano.


Desgraças saltam da escancarada “caixa de Pandora” tupiniquim, onde nem mais a esperança se consegue conter. Mas, enorme parte da população Pollyanna, já cansou do “jogo do contente”, descontente com o velho “pão e circo”; circo vagabundo e o pão que a política teima em tanto amassar. Insegurança endêmica, pandêmica deseducação, parca saúde e farta desdita; crise, desemprego, incerteza...


Atos escapistas e hipócritas de autoridades sem autoridade que pouco resolvem e muito penalizam a sociedade. Despropósitos, excessos e abusos de quem legisla e executa em causa própria, na imprópria postura de desgovernar, nos lembrando Maria Antonieta e seu suposto dito: "Se o povo não tem pão, que coma brioches!". Ela, literalmente, perdeu a cabeça! E vocês?!


Alice só quer voltar para casa. O brasileiro quer apenas o seu Brasil. Dá para ser? ...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

2 comentários:

  1. António, meu querido amigo!

    Tudo bem? Calor, por aí. Aqui, muito frio e hoje choveu imenso.

    "Alice no País das Maravilhas", essa história eu conheço, mas a de Pollyanna, tive de ir pesquisar. Bonita a atitude dessa menina, transformando tudo o que é ruim, é bom. Não aprendi, ainda, a fazer isso, não, nem sei mesmo se aprenderei.
    Mas, Pollyanna também é nome de comédia e de uma vila. É isso?

    Teu texto está mega bem escrito, incide sobre a realidade brasileira, mas vocês, os do bem, são umas centenas, e os outros, os do mal, que são uns milhões, fazem o que lhes apetece, porque quase não há regras e me disse um blogueiro brasileiro que os presos ganham mais do que alguns que trabalham, honestamente, portanto, "todo o mundo" comete um delito e zás, dinheirinho em caixa.

    O Povo quer sempre muita coisa, embora eu saiba que em qualquer país há sempre gente muito pobre, vivendo em casas sem condições, mas o Brasil (me desculpa) tem o carnaval, o futebol e as "mulheres" e isso lhe basta.

    As "Marias Antonietas" já não existem, porque o mundo mudou, infelizmente, em muitos aspetos para pior.

    Abracinho e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui está um calor dos infernos! São Pedro acendeu a fornalha e esqueceu de desligar. Kkkkk...

      Vamos por partes:

      O "jogo do contente" até certa medida é virtude. Mas, quando passa do limite, vira alienação, o tal "complexo de Pollyanna". Muitos já venceram essa fase, mas, outros tantos seguem voluntariamente iludidos.

      Não é que o preso "ganhe". É que se gasta mais com um preso do que com um estudante da escola pública. E o pior, apesar de todo esse gasto, as prisões são verdadeiros chiqueiros infectos e insalubres, verdadeiros depósitos de gente. Não recuperam ninguém e ainda são dominados por facções criminosas.

      O brasil é uma piada pronta e de péssimo gosto.

      Quanto a Maria Antonieta, a usei aqui como metáfora aos politiqueiros, que como ela, vivem fora da realidade, debochando do povo. Mas, como a dela, um dia as cabeças deles hão de rolar.

      Agora findo, acordei com três textos com temas e estilos diferentes para escrever. Está tudo misturado em minha cabeça. Maluquice de escrevinhador. Rs rs rs...

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...