Feijoada espírita, pureza doutrinária - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

domingo, 14 de outubro de 2018

 

                    Feijoada espírita, pureza doutrinária              

     

... Não se pode fazer uma feijoada sem feijão, assim como, só feijão também não dá feijoada. são precisos outros ingredientes, mas, que não destoem do ingrediente principal. Tudo precisa estar no contexto...


Antonio Pereira Apon.


Feijoada na mesa.


Fala-se tanto em “pureza doutrinária”, mas, o que é essa tal pureza? Todos concordam que Kardec é a base inamovível desse edifício, o alicerce. Porém, as fundações, são o começo e não o fim da edificação que vai se erguendo paulatinamente.


Veja o que escreveu o próprio codificador, na Revista Espírita, em junho de 1965:


“Não esqueçamos que o Espiritismo não está acabado; não fez ainda senão colocar suas estacas; mas para avançar com segurança, deve fazê-lo gradualmente, à medida que o terreno estiver preparado para recebê-lo, e bastante consolidado para nele pôr o pé com segurança, […] os Espíritos superiores procedem, em suas revelações, com uma extrema sabedoria; não abordam as grandes questões da Doutrina senão gradualmente, à medida que a inteligência está apta a compreender as verdades de ordem mais elevada, e que as circunstâncias são propícias para a emissão de uma ideia nova. É por isso que, desde o começo, não disseram tudo, e ainda não disseram tudo hoje, não cedendo jamais à impaciência das pessoas muito apressadas, que querem colher os frutos antes de sua maturidade.”.


E no livro, A Gênese, de 1968:


“caminhando de par com o progresso, o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque, se novas descobertas lhe demonstrassem estar em erro acerca de um ponto qualquer, ele se modificaria nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará”.


Conversando sobre isso no WhatsApp, me veio essa analogia nada ortodoxa. Mas, absolutamente respeitosa:


Não se pode fazer uma feijoada sem feijão, assim como, só feijão também não dá feijoada. são precisos outros ingredientes, mas, que não destoem do ingrediente principal. Tudo precisa estar no contexto. Kardec é o feijão dessa nossa feijoada. Colocamos umas pitadas de Adenauer, Divaldo, Chico e tantos outros autores, palestrantes, trabalhadores de ontem e hoje; Poções de Emmanuel, Joanna de Ângelis, André Luiz, Bezerra de Menezes e toda uma legião de luminosos mensageiros; um tanto de avanços científicos, psicologia, filosofia, artes... Mas sem invencionices nem abusos! Jesus é o tempero indispensável, para dar aquele gosto todo especial, liberar aquele aroma de harmonia, fraternidade, amor e paz. Muito estudo e reflexão, passados pelo crivo da razão, dão o toque final dessa iguaria de se comer orando, esse prato de verdadeira pureza doutrinária.


Bom apetite!



   
 
 

5 comentários:

  1. Muito bonito e interessante analogia sobre a combinação dos ingredientes para se ter um prato perfeito que alimente este espírito ávido de saber e e assim ter uma vida mais leve.
    Abraços mestre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mestre é Jesus, Kardec e tantos outros emissários das esferas superiores. Nós somos meros escrevinhadores, tecendo em palavras as fagulhas de aprendizado que conseguimos capitar.

      Um abraço. Tudo de bom.
      Lição do rio.

      Excluir
  2. Boa Tardinha, amigo Antonio!
    Sem Jesus não há sabor algum na feijoada celestial...
    Gostei deste tempero essencial mesmo sendo pouco adepta de condimentos. Deste não dispenso.
    Deus o abençoe muito!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já li o evangelho todo de Kadec... Tenho vários cardecistas na família.

      Excluir
    2. Com certeza, sem Jesus, nada desce bem.

      só para esclarecer: Não existe "evangelho de Kardec", evangelho, só o de Jesus. "O evangelho segundo o espiritismo", traz tão somente, esclarecimentos sobre as lições do Cristo, contidas em suas parábolas e alegorias.

      Jesus conosco. Paz e luz.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...