A armadilha da armadura - A arte da vida. Apon HP
Bom estar com você!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

A armadilha da armadura

Publicado em segunda-feira, 3 de junho de 2019



... cilada que te faz reativo, te posta sempre na defensiva. O que não torna inespugnável seu reluzente escafandro de ilusão, a inebriante farsa da autodefesa. Autoconhecimento, o assenhorear-se de si e de suas interações internas e externas; essa sim, é a senha, a chave para sair do cárcere comportamental, romper as algemas...


Antonio Pereira Apon.


Armadura.


Segundo Charlie Chaplin: "a vida é maravilhosa se não se tem medo dela". Porém, quando ameaçado, o ego, como artifício de proteção, veste sua armadura psíquica para o enfrentamento de seus medos, dores, culpas, frustrações, ansiedades, perdas… Os tais, mecanismos de defesa, Maquinações psicológicas, que denunciam a fragilidade interior do indivíduo e sua busca em reduzir riscos e danos ao Ego. Desenvolver essa carapaça narcísica, blindar-se, aparatar um falso self, demanda energia e implica em limitações. A função protetiva da armadura é salvaguardar de ameaças externas, o que aqui, também se aplica à mente. Com o tempo, aclimatado e devidamente condicionado, o sujeito consola-se em sua “segurança”. Amordaça seus sentimentos, manieta suas emoções, customiza seus pensamentos; Reprime-se para escudar-se do que e de quem não lhe espelha o ego mal educado.


Sem perceber, se enclausura na armadilha que verdadeiramente se transforma a sua armadura, tal como um sapo numa panela de água fervente: Diz-se que, colocando-se o anfíbio em uma panela com a mesma água de sua lagoa e pondo-a no fogo, o sapo vai se adaptando à temperatura e aí fica. Quando começa a ferver, ele tenta inutilmente saltar para fora da panela. Acomodar-se às mudanças de temperatura exauriu suas forças. Ele perdeu muito tempo, se acomodou demais. Portanto, enquanto dá. Pule fora da panela! Ou melhor, Dessa porcaria de “armadidura”!


Fuja dessa cilada que te faz reativo, te posta sempre na defensiva. O que não torna inespugnável seu reluzente escafandro de ilusão, a inebriante farsa da autodefesa. Autoconhecimento, o assenhorear-se de si e de suas interações internas e externas; essa sim, é a senha, a chave para sair do cárcere comportamental, romper as algemas conscienciais, colocar o ego no seu devido lugar e escrever um novo desiderato, enfrentando os desafios e tantos embates da vida, desmontando a armadilha da armadura. Como a borboleta, que rasga o seu casulo para poder exercer o predestinado dom de voar. Liberte-se!



14 comentários:

  1. Olá, amore mio -rs!

    Que surpresa! Novo post? Tanta imaginação, inteligência e inspiração!

    Teu texto é fabuloso, bem escrito e de ideias bem encadeadas, mas sem cadeado, desses que fecham, reprimem e não deixam voar o pássaro, que há em ti.

    Tuas palavras são sociais, previdentes, conselheiras e até políticas. É sair fora (ligeiro pleonasmo) enquanto der, caso não, fica prisioneiro.

    À primeira todos caem, à segunda cai quem quer, se diz por cá, e é bem verdade. No futebol, há quem jogue na defesa e outros no ataque. Prefiro jogar à defesa.

    Armadilhas só para ratos e com um pouco de queijo, eles normalmente vão e caem lá. Depois de armada a armadilha, desculpa a redundância, e nela caindo, é difícil sair e então e sem que nos apercebamos criamos uma espécie de armadura, que não mostra nosso verdadeiro rosto.

    Bisous et bonne semaine.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas vão se fechando em suas armaduras com medo de sofrer e acabam cativas na armadilha do ego. Trancafiadas em si mesmas, manietam-se, sabotam-se, sufocam-se... Sob o peso de artificiosa existência.

      https://www.youtube.com/watch?v=xQrS8zY8nV4

      Noturno
      Fagner

      O aço dos meus olhos
      E o fel das minhas palavras
      Acalmaram meu silêncio,
      Mas deixaram as suas marcas
      Se hoje sou deserto é que eu não sabia
      Que as flores com o tempo
      Perdem a força e a ventania,
      Vem mais forte
      Hoje só acredito no pulsar das minhas veias
      E aquela luz que havia, em cada ponto de partida
      Há muito me deixou
      Há muito me deixou
      Ai, coração alado
      Desfolharei meus olhos neste escuro véu
      Não acredito mais no fogo ingênuo da paixão
      São tantas ilusões perdidas na lembrança
      Nessa estrada, só quem pode me seguir sou eu
      Sou eu, sou eu, sou eu
      Compositor: Caio Silva


      Um abraço.

      Excluir
    2. Gracias por tua resposta. Agora, entendi, Tonico!

      Gostei do vídeo, que se relaciona com o teu post.

      Qto à letra da canção, me parece que "ele" está bem desanimado e já não acredita mais no fogo da paixão. As desilusões conduzem a esse estado de alma.

      Beijos e boa semana.

      Excluir
    3. Na música, por conta dos desencantos, ele vestiu a armadura e caiu na armadilha paradoxal, condenou-se a sofrer, tentando não sofrer.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Boa noite de paz, amigo Antonio!
    Gostei muito da postagem pois o autoconhecimento me interessa muitíssimo.
    Fiz um curso chamado ENEAGRAMA na linha sufita, como deve saber e me apercebi de minhas virtudes e sombras, foi maravilhoso pois posso reagir contra meu ego inflado... quando caio na armadilha da autodefesa, procuro logo respirar bem leve... Reconhecer meu pó...
    A maturidade nos ajuda muito.
    Somos reativos e mais se não trabalharmos essa questão em nós.
    Muito bom!
    Muito obrigada pela partilha fecunda.
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Antonio, artesão da palavra.

    Concordo. Me enquadro nos pensamentos do Chaplin, hoje acometida de (CA de mama) e ainda assim não tenho nenhum temor, qto mais medo maior o sofrimento , sou dada a alegria.

    Um abraço de paz, deixo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A alegria renova o ânimo e revigora a força do viver. Liberta. Sem armaduras e armadilhas.

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Leia uma postagem sorteada para você.

      Excluir
  4. Olá amiga!
    Passando para apreciar sua maravilhosa postagem e desejar-lhe um final de semana com muita saúde, paz, amor e felicidade. Parabéns! bela imagem e linda poesia!Abraços da família RH.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite!
    Hoje foram muitas emoções! Graças a Deus meu dia foi bastante feliz, peço a Deus que continue se estendendo nessa noite e durante toda minha vida.
    Com certeza o motivo da minha felicidade, também foi você que dedicou um tempo a mim, me parabenizando com mensagem maravilhosa, indo a minha festinha virtual, que do fundo do coração, gostaria que fosse real.
    Obrigada por ser esse presente em minha vida. Meus dias tem sido mais ameno, pois sei que além dos amigos reais, tenho os virtuais, tão importantes quanto os demais.
    Obrigada! Que Deus continue nos abençoando e nos guiando em nossa vida.
    Desculpe vir agradecer com uma mensagem colada, são muitos agradecimentos em todas as redes sociais que participo e meu coração me pede para agradecer um a um.
    Receba o meu abraço e a minha eterna gratidão. Beijo no coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há o que desculpar nem agradecer. Aproveito a oportunidade para ratificar meus parabéns para você nessa data querida. Felicidades, amiga!

      Um abraço. Tudo de bom.
      💙 Kirimurê de todos os santos, grande mar interior.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM