Marketing digital, verdades e mentiras; influenciadores espertalhões e seus iludidos seguidores


Cada caso de sucesso, centenas, milhares de insucessos. Jovens e adolescentes tardios (passados dos 30), seguem o canto de sereia do marketing digital, como os desavisados do mito grego, só acordando tardiamente, dando de cara com as duras pedras da realidade.


Retrato do artista em pose debochada, pintura de Joseph Drucreux. #PraCegoVer #ParaTodosVerem

Como em todas as áreas da atuação humana, existem pessoas sérias e gente nem tanto. No marketing digital, não é diferente; ao lado de profissionais responsáveis, honestos e confiáveis, pulula uma horda de aventureiros inescrupulosos, tentando vender o ganho fácil com o menor esforço, pouco estudo e outras coisitas agradáveis aos sentidos desavisados que, sonhando com seu eldorado, terminam com “ouro de tolo”, verdadeiras piritas nas mãos.


É certo que se pode ganhar muito dinheiro com o marketing, mas não sem muito estudo, trabalho, esforço, investimento e um tanto de sorte. Muito diverso do discurso falacioso e mercenário de influenciadores que apenas querem vender a fantasia da riqueza instantânea, o paraíso dos lucros contidos em seus produtos: cursos, ebooks… De forma leviana, muitos afirmam que fazer universidade é perda de tempo, mercando a marquetagem online como o top da alquimia, capaz de transformar em ouro ócio, a preguiça, a acomodação. Daí, um exército de “nem-nems” (nem estuda, nem trabalha), seguindo a zumbizar na rede, esperando cair o maná sagrado das telas e telinhas.


Essa gente, não diz que para cada caso de sucesso, existem centenas e mesmo milhares de insucessos. Assim, muitos jovens e adolescentes tardios (aqueles que já passaram dos 30, 40…), mas que seguem o canto de sereia do marketing digital, como os desavisados do mito grego, só acordando tardiamente, dando de cara com as duras pedras da realidade.


Como alerta o antigo ditado: “Não se deve colocar todos os ovos num só cesto”. Não jogue com o seu futuro, não aposte no acaso, tenha um plano B ou até um C; estude, trabalhe, crie possibilidades, alternativas, para que você não se torne frustrado e desiludido, caso não venha a ser um dos afortunados do mercado digital. Não seja mais uma vítima dos marmoteiros mercenários, saia da frente do dedo que, na imagem que escolhemos para ilustrar esse artigo, aponta os risíveis perseguidores de quimeras. Trata-se do auto-retrato do pintor francês, Joseph Drucreux, intitulado “Portrait de l’artiste sous les traits d’um moqueur” (“Retrato do artista em pose debochada”), onde Ducreux aponta o dedo, ridente, afigurando zombar do observador. Assim fazem os vendilhões de ilusão da internet. Eles, ricos com o dinheiro que tiraram dos bestas. E você, cara pálida?!

Antonio Pereira Apon

Autor do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Procurando escrever em prosa e verso com a arte da vida.

4 Comentários

Obrigado por sua visita. Agora que terminou a leitura, que tal deixar seu comentário na caixa de comentários abaixo? Sua interação é muito importante. Obrigado.

  1. Para intensa e profunda reflexão sobre...
    *
    Abraço/beijinho.
    */*
    Madrugada
    */*

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde de paz, amigo Antônio!
    E quase a gente cai se não é bem atento aos sutis golpes que tentam de todo jeito nos pegarem.
    Tem os que buscam o dinheiro fácil e se especializam, bem que poderiam canalizar a sabedoria para o bem...
    Um bom alerta das espertices dos nem-nem graduados... Vamos estudar e trabalhar que muito nos convém, isso sim!
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior é que tem gente que, "não querendo ser assalariado"; nem trabalha nem estuda, mergulhando de cabeça na falácia do marketing digital, enquanto a necessidade bate à porta.

      Um abraço. Tudo de bom.
      APON NA ARTE DA VIDA 💗 Textos para sentir e pensar & Nossos Vídeos no Youtube.

      Excluir
Postagem Anterior Próxima Postagem

Pular para comentários.



Pular para comentários.


Clique na imagem acima para ler uma postagem sorteada especialmente para você.


Clique para ler: A pedra.            Poema de Antonio Pereira Apon.

Clique na imagem do escultor para ler: A pedra. Nosso poema que tem sido plagiado.




Fale conosco.


Assista nossos vídeos, inscreva-se no Apon na arte do viver.



Se ainda não se inscreveu, inscreva-se em nosso canal, clique no sininho para escolher receber nossas notificações, ser avisado(a) dos vídeos novos. E não esqueça de dar seus likes. Conto com você! Obrigado.