Tipos de amigo(?) - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

 

                    Tipos de amigo(?)              

     

Amigo de verdade é uma maravilha. Mas, tem umas criaturas que adoram avançar o sinal e atravessar o samba...


Antonio Pereira Apon.



Sinal vermelho.


Fora o cada vez mais escasso amigo de verdade, aquele amigão do peito. Existe uma infinidade de "tipos" de amigos, alguns deles, quem os tem não precisa absolutamente de inimigo. Vejamos:


O amigo filósofo: tudo que você pede, ele responde que vai pensar.


O amigo Capoeirista: não perde a oportunidade de lhe "passar a perna".


O amigo SUS: só deve ser procurado, se não restar outra alternativa.


O amigo CPMF: é aquele insuportável, que chega dizendo que não vai demorar, mas vai ficando, ficando... ...


O amigo bolsa família: você o maltrata, faz dele "gato e sapato", depois dá um agradinho qualquer, que fica tudo bem.


O amigo Lula: nunca sabe de nada.


O amigo cachorro: quando você está longe, ele late (te xinga, fala mal...), morde (diz que vai bater e até matar), mas quando você aparece, ele abana o rabinho (te abraça, elogia, dá tapinha nas costas...).


O amigo carrapato: gruda, esse você não tomar cuidado, chupa até o seu sangue.


O amigo geladeira: quando ele propõe alguma coisa, alguém logo sussurra: não vá que é fria!


O amigo político: não passa da promessa.


O amigo doutor: nunca fez medicina, mais tem receita para tudo.


O amigo loteria: é cheio de palpites, mas não acerta uma.


O amigo GPS: por mais que você fuja e se esconda, ele sempre te encontra.


O amigo jogo do bicho: ninguém consegue acabar com ele.


O amigo virose: quando menos você espera, ele aparece e te deixa mal.


O amigo placebo: ele e nada, são a mesma coisa.


O amigo repórter: não guarda segredo, caiu na boca dele, vira manchete.


O amigo ventilador: é cheio de frescura.


O amigo carretel: só anda enrolado.


O amigo eclipse: raramente se vê.


O amigo fotógrafo: vive de pose.


O amigo rosa: alguns dias está uma beleza, em outros, é melhor sair de perto, para não se espetar.


O amigo polícia: quase sempre não está por perto, quando você mais precisa.


O amigo totalflex: toma todas, bebe de tudo, vive com a cabeça cheia de biocombustível e te faz passar vergonha.


O amigo mexicano: adora fazer drama.


O amigo Bush: quanto mais distante melhor.


O amigo bijuteria: só tem aparência.


O amigo muamba: normalmente é falso, não vale nada e só dá prejuízo.


O amigo cigarro: não cansa de queimar sua grana e vive te envenenando.


O amigo...


E você, que acaba de ler esse texto? Que tipo de amigo é?



(Postado aqui em 03 de setembro de 2007).


Falando de amizade:



Amiguinhos.



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

12 comentários:

  1. Gustoume o post!
    Non sabía que podía haber tantos amigos!
    Boa reflexión.
    un abrazo virtual desta amiga que está físicamente lonxe pero coa intención ben cerquiña do corazón.

    ResponderExcluir
  2. Antonio Querido!

    Que maravilha de texto! Fiquei lendo e pensando nos "personagens"!
    Eu sempre falo para meus amigos que amizade deveria servir para dividir, não só os momentos de prazer. Imagine você com uma tremenda dor física, se tivesse possibilidade de dividir um pouquinho com cada amigo...Não seria bem mais fácil? Eu toparia!
    Que nome você daria para o "meu tipo"?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jossara!

      Nesse caso, poderia ser o amigo Mosqueteiro: "Um por todos e todos por um".

      Um abração.

      Excluir
  3. De repente quando lemos este texto a reação imediata é valorizarmo-nos o mais que podemos na nossa condição de amigos. Mas, depois, e pensando, analisando-nos (pelo menos no meu caso), acho que a resposta mais honesta é mesmo: não sei!
    Penso que só mesmo quando o nosso amigo precisa de nós e nos lança o seu pedido de socorro sabemos realmente a dimensão da nossa amizade...
    Conseguimos ajudó-lo?
    Fugimos diplomáticamente com uma desculpa polida?
    Fazemos como se diz na minha terra " das tripas coração" para ir em seu socorro?
    Como eu digo e muitos não concordarão comigo ( mas é a minha opinião), sinceramente não sei...
    Beijo amigo

    ResponderExcluir
  4. Olá meu caro,

    Eu imagino que eu seja o amigo computador: apareço pouco, mas te guardo na memória. Me acessando, estou aqui a seu dispor!

    Grande abraço. Muito criativo!

    ResponderExcluir
  5. Olá estimado António,

    Que nomenclatura hilariante!
    Como é que você se lembra desses textos?
    Se baseou em bibliografia especifíca ou na tradição popular?
    Que tipo de amigo(a) eu sou? Eu sou amiga luz... e agora vai terminar, por favor, o resto da frase.
    Excelente dia.

    Abração de luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luz!

      Estou remexendo o fundo do baú e republicando textos antigos, mesclando-os com novos. Não me baseei em nada existente para listar tais “Amigos”. Tem coisas que brotam de repente na mente. O processo criativo “tem razões que a própria razão desconhece”.

      Quanto a Amiga Luz:

      Aquela que ilumina de além-mar.

      Um abração.

      Excluir
  6. Bom dia querido amigo sábio,

    Está feita mninha classificação de amigo para você.
    O desejo convidar a visitar e deixar seu comentário, caso mereçamos, um novo blog, criado sábado.
    É formado por mim, mais parte escrita e pelo Breno, parte técnica.
    Teremos muito gosto em recebê-lo.

    Abraços nossos.

    singularidadesdahistoria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. E assim, a vida ajuda-nos, a desenhar as pessoas.
    Muito interessante.
    abraços

    ResponderExcluir
  8. Muito bom! Até compartilhei no face esse post. Não sei qual que sou, mas sei que não sou amiga carrapato. rsrs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  9. Ei Antonio!

    Com certeza não sou amiga carrapato, acho que ultimamente estou mais para amiga eclipse!rsrsrs.

    Tem selinho lá no blog pra você.

    Beijão e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  10. Oi Antônio,muito bom o texto.Não me vi nos exemplos mas sou bem aquela amiga "psicóloga"aquela que dá conselho,fala a verdade mesmo que doa,gosta de analisar os fatos e tem sempre um ombro e ouvido amigo.
    Abraço querido,=)

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...