Educação pra que? criar cobra pra me morder? - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

 

                    Educação pra que? criar cobra pra me morder?              

     

... Aqui eu finjo que pago, as iscola faz de conta que funciona, o professor finge que insina, os minino finge que aprende e tá tudo bem...


Antonio Pereira Apon.


Professora dando aula.


Um próspero fazendeiro foi eleito prefeito de uma cidadezinha lá nos cafundós da Bahia. Nepotismo à parte, nomeou sua filha como Secretária de Educação do município.


Diferente do pai, ela era uma pessoa séria e compromissada. Diante do quadro caótico que encontrou, foi conversar com o Alcaide:


- Meu pai as escolas estão uma lástima, falta tudo e mais um pouco. Ainda temos professores leigos, tetos ameaçando cair, esgoto no meio de sala de aula, bibliotecas defasadas. Temos que mudar isso para pudermos dar uma educação com o mínimo de qualidade.


- Minha filha, basta que esse povo aprenda a ler e fazer conta. Insiná muito pra essa gente não dá certo, vão começar a cobrá direito, querer milhô condição... Aqui eu finjo que pago, as iscola faz de conta que funciona, o professor finge que insina, os minino finge que aprende e tá tudo bem.


- Que absurdo papai!


- Ocê acha qui se essa gentalha tivesse instrução, ia me eleger prefeito? E eu ainda quero chegar lá na presidênça do país. Dá bom istudo pra pobralhada, é o mesmo que criá cobra pra mi mordê. Eles gnorante, aceita tudo, não reclama nada e eu tapio com uns agradinho vez in quando.


- Mas eu estudei sempre nas melhores escolas e universidades particulares... Eu queria dar um pouco de dignidade para meus conterrâneos. Mas desse jeito eles nunca vão melhorar de vida...


- Filhinha esqueça dessas coisa que ocê aprendeu na cidade grande. Iscola particulá forma quem manda, iscola pública é pra tapiá quem vai obedecê.


A secretária entregou o cargo e se mudou para a capital. O resto continuou como dantes.



Pena que a metástase da deseducação e da politicagem esteja matando a cidadania de tantos brasileiros. Pense nisso na hora de votar. Procure saber como anda o ensino público na sua cidade, no seu estado.



   
 
 

4 comentários:

  1. Parabéns...Adorei a mensagem verdadeira...
    Será que mudou alguma coisa?
    Olha, em muitos lugares isso acontece ainda....é muito triste, mas fazer o que?
    Mas nessa hora devemos lembrar que podemos mudar sim....sempre tera uma saída, as mentes vão se abrindo..
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Neusa!

    Esse texto retrata a surreal realidade da nossa deseducação, a farsa das “políticas educacionais”, a grande mentira do “ensino público”. Mas as coisas podem mudar, se e quando a sociedade acordar para a importância da educação e por meio do voto cidadão, desratizar a furna política, banindo os “vampiros” do ensino que apostam no “emburrecimento” nacional, para perpetuarem seus “podres poderes”. Mantendo as escolas, no “projeto ribanceira” em que foram jogadas.

    Obrigado por ler e comentar.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. Olá Antonio!
    Uma forma de mostrar o descuido com que são tratadas as nossas bases: educação, habitação e saúde... Ignorância certamente não falta, tanto para quem assume o poder, como para quem elege. É preciso, sim, muita educação e discernimento para sabermos diferenciar a cobra que criamos do seu próprio veneno, que tanto pode matar como curar!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  4. Oi Jackie!

    O povo brasileiro precisa acordar e se respeitar mais.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...