Não sou dono de mim - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

terça-feira, 26 de abril de 2011

 

                    Não sou dono de mim              

     

... Esmaece a esperança, como retinas que desertam da luz. Eu que sempre quis contentes meus versos, vivo esse descontente versar...


Antonio Pereira Apon.



Lágrimas nos olhos.


Já não sou dono de mim,

de mim se adonou o destino:

Aceitar o que não aceito,

concordar com o que não concordo,

brincar de ser contente,

deixar a vida me levar...

Cativo num silêncio devorador de sonhos,

me embriago de lembranças,

quimeras,

reminiscências do passado...

Sorri falsa a alegria,

Vertigem da alma a chorar.

Vem comigo valsar a Saudade,

vagar entre memórias,

que não pôde o tempo apagar.

Tempo que se esvai na pressa dos dias,

roubando a poesia,

sonegando inspiração.

Esmaece a esperança,

como retinas que desertam da luz.

Eu que sempre quis contentes meus versos,

vivo esse descontente versar.

Não,

não sou dono de mim...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

4 comentários:

  1. Oi, Antônio!

    Muitas vezes temos a sensação de que não comandamos nosso próprio destino.
    O que juramos nunca mais fazermos, acabamos repetindo, emoções que pensávamos não vivenciar nunca mais, acontecem de novo...
    Vivamos e deixamos estar, procurando melhorar o que há de melhor em nós.
    Se houver mesmo destino, que ele venha, mas que tenhamos consciência que fizemos a nossa parte!

    Belo poema!
    Abraços,
    Mary:)

    ResponderExcluir
  2. Por mais que tentemos nunca seremos absolutamente donos de nós...
    Esta é uma tentativa vã - a de se desejar não pertencer as demais estações do MUNDO...
    Abraços


    O poema é muito belo!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Mary.

    O destino é uma “obra aberta” na qual, num instante somos autores, noutro protagonistas e em alguns momentos. Meros coadjuvantes.

    Obrigado.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  4. Oi Malu.

    É verdade. Não somos donos de nada, nem mesmo de nós próprios. Somos usufrutuários da oportunidade do viver.

    Obrigado.

    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...