Engarrafamentos e a antropologia do velho buzú lotado - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

 

                    Engarrafamentos e a antropologia do velho buzú lotado              

     

...no velho buzú lotado, os engarrafamentos superlativam os sofrimentos de quem parece ter “jogado pedra na cruz” (de estilingue). Comprimida na lataria, uma mossoroca indefinida, mistura peitos, bundas, braços, pernas, mochilas, sacolas... Um aperto daqui, um pisa dali, empurra acolá, apalpa alhures, esfrega...


Ônibus.


Nas grandes cidades, tem sobrado automóveis e faltado rua, o que gera constantes e estressantes engarrafamentos, que de tantos que são, mais parece um engradado inteiro. Não adianta esbravejar, xingar as “otoridades” incompetentes... Sai-se cada vez mais cedo e retorna-se cada vez mais tarde. E os Governantes? “relaxando e gozando” (com a cara dos eleitores. É claro!).


Mas, é no velho buzú lotado, que os engarrafamentos superlativam os sofrimentos de quem parece ter “jogado pedra na cruz” (de estilingue). Comprimida na lataria, uma mossoroca indefinida, mistura peitos, bundas, braços, pernas, mochilas, sacolas... Um aperto daqui, um pisa dali, empurra acolá, apalpa alhures, esfrega... Durante 1, 2 ou mais horas por dia: Heteros, bibas, trabalhadores, vagabundos, Mauricinhos, Patricinhas, “putões”, “cachorras”, Periguetes, beatas, professores, estudantes, desocupados, biscateiros... Todo tipo de gente e gente de todo tipo, compartilhando a infelicidade do transporte público. E os políticos? “relaxando e gozando” (com a cara dos eleitores. É claro!).


O sujeito ainda tem que rezar para o coletivo não ser assaltado nem achar uma “bala perdida”; para que um fanático não entre de Bíblia em punho, disparando versículos para tudo que é lado, nem qualquer outro maluco, ou um deseducado “DJ de buzú”, com sua caixinha ching-ling, ofendendo os ouvidos alheios com o seu desgosto sonoro. Tem que cruzar os dedos, para não pintar um bebum aloprado fazendo arruaça nem uma emergente perua genérica, berrando para todos saberem que ela tem celular. Se tudo der certo, depois de suportar bravamente: Desodorante vencido, “freios de arrumação”, prova de esforço, salto com barreiras, vendedores de incenso, canetas, adesivos, balas de gengibre, outros doces... O cidadão poderá desembarcar. Se o motorista parar no ponto, se não “arrastar o carro” e o jogar no chão, se... E os filhos da politicagem? “relaxando e gozando” (com a cara dos eleitores. É claro!).


Para terminar, nada mais apropriado, do que citar Castro Alves em seu: “Navio negreiro”:


“Senhor Deus dos desgraçados!

Dizei-me vós, Senhor Deus!

Se é loucura... se é verdade

Tanto horror perante os céus?!”


Engarrafamento.



Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.


São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

   
 
 

8 comentários:

  1. Pois então, Antonio... li seu "irônico e realístico" texto e concluo: - vamos de mal a pior, pois agora empossada está a "dona" desse refrão: - relaxa e goza - detalhe: na Cultura!!
    O que fazer? Relaxar e gozar? Com o país assim?
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que podemos fazer, é cada um de nós, buscar votar com consciência. Começar agora dia sete de outubro, a fazer uma faxina, um “exorcismo” municipal e em 2014 seguir com a desratização estadual e federal. Só assim, algum dia o cidadão será respeitado e tratado como gente e não como gado. Enquanto isso, vamos amargando o despudor, a incompetência e a leviandade, dominarem o balcão de negociatas da politicagem nacional, “relaxando e gozando com a nossa cara”.

      Um abração.

      Excluir
  2. Antonio, bem assim e há quem nem acredite, imagine só?
    Isso não muda, São Paulo está de um jeito que não tem jeito!!!
    Acredito até que em grande parte desse País está assim!!!
    Abraços meu amigo poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E em Salvador que nem se consegue construir um metrô? A Cidade está o ó do borogodó. Um desastre municipal e estadual. Votamos mal e purgamos no dia a dia, o “pecado” digitado na urna.

      Um abração.

      Excluir
  3. Antonio, ótimo texto sobre a nossa cruel realidade. Confesso que faz tempo que não pego um buzú... agora pego engarrafamentos quilométricos!!!!
    E o pior de tudo isso pra mim são os assaltos, que na minha época, eram raros, e hj tão comuns.
    Deus proteja o povo, pq os governantes estão relaxando e gozando nos helicópteros deles.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos vivendo na Terra de todos os nós. N´´o na educação, saúde, segurança... E o “cabeça branca” falsificado, ainda espera que o povo de Salvador, troque um Janjão por outro ... Deve ser para os dois poderem passear de helicóptero (pago com o dinheiro dos impostos), “relaxando e gozando”, acima dos engarrafamentos, buzús e assaltos.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...