Estamos nos acostumando... Até que... - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

 

                    Estamos nos acostumando... Até que...              

     

... nos acostumando com a deseducação, com a insalubridade e a insegurança endêmicas, com pagar caro por serviços ordinários, pagar a conta, os impostos dos tantos malfeitos de governantes e agregados, os condicionamentos e modismos ditados pelas mídias, música vagabunda, a “extorsão” dos...


Antonio Pereira Apon.


Gato acomodado.


Pouco a pouco, como em gotinhas homeopáticas de condicionamento social, vamos nos acostumando, habituando e sem nem nos darmos conta, começamos a aceitar o inaceitável, admitir o inadmissível, justificar o injustificável, enxergar normalidade no que é absolutamente anormal... E quando nos apercebemos da realidade, estamos participando, compactuando com verdadeiras aberrações. Assim aconteceu com os alemães e o nazismo, os católicos e a inquisição, os mulçumanos e o terrorismo, torcedores de futebol e os confrontos nos estádios...


Estamos nos acostumando com o morticínio diário de nossas cidades, onde corpos se amontoam nas estatísticas, vitimados por balas perdidas ou não, por todo tipo de violência. Já não estranhamos, já não ficamos perplexos. “Vacinados” por essa sinistra rotina, nos posicionamos como meros espectadores. Até que o sangue respingue em nossa acomodação.


Estamos nos acostumando com uma certa dose de corrupção, de bandalheira política, tomamos partido dessa ou daquela quadrilha, nos colocamos uns contra os outros, em defesa do indefensável banditismo político que matou todas as ideologias, estuprou a ética, prostituiu a república e tomou por única e pluripartidária bandeira, o fisiologismo politiqueiro que aposta no “remake” da velha ração de “pão e circo” que usa a miséria e a mentira como ferramenta eleitoreira. Assim vamos, qual quixotes alienados e desastrados, até que tropecemos no arbítrio nefasto; seja de direita ou de esquerda, afogados nas lágrimas tardias de nossa inconsciente e permissiva inconsequência. Só então descobriremos: Fora da verdadeira e mais honesta democracia não há real e legítima Ascenção social.


Estamos nos acostumando com o discurso fanático e alienante de facções religiosas falso moralistas, arregimentando exércitos de seguidores, reclamando para si o monopólio de Deus, da verdade e de uma pretensa salvação. Mercadores da “fé”, bem dissimuladamente espoliam seus incautos fiéis, subliminarmente, instigam o sectarismo, a aversão e a intolerância para com adeptos de outras religiões. Até que ressuscitem os tristes tempos das ditas “guerras santas”, da “caça às bruxas”, das fogueiras homicidas...


Estamos nos acostumando com a deseducação, com a insalubridade e a insegurança endêmicas, com pagar caro por serviços ordinários, pagar a conta, os impostos dos tantos malfeitos de governantes e agregados, os condicionamentos e modismos ditados pelas mídias, música vagabunda, a “extorsão” dos “guardadores de automóveis”, carteiradas, furar fila, pirataria... Até que, estaremos irremediavelmente, acostumados demais, para lembrar de querer mudar alguma coisa.





Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...