Quimera. Do mito à palavra - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

domingo, 26 de julho de 2015

 

                    Quimera. Do mito à palavra              

     

... Com o tempo, a imagem da quimera cede espaço aos dragões. Por falar nisso! São Jorge matando o Dragão, seria uma releitura de Belerofonte e a quimera? ...


Belerofonte enfrentando a quimera.


Algumas palavras por nós usadas, guardam uma origem por muitos desconhecida e insuspeita. Um desses casos é o substantivo feminino: Quimera. Normalmente usado para designar aquilo que é fruto da imaginação, o impossível, utópico, sonho, fantasia... Mas, de onde veio esse vocábulo?


Segundo lendas e versões, Quimera era um monstro, resultante da união de Equidna (monstro metade mulher, metade serpente) e o gigante Tifão (deus dos vendavais. Filho de Gaia e Tártaro). Há quem diga ser ela filha da hidra de Lerna e do leão da Nemeia. Soltando fogo sem parar, destruía tudo por onde passava. Até (segundo a mitologia grega), ser abatida pelo herói Belerofonte, e seu cavalo alado Pégaso.


Pégaso.


Na arquitetura e demais artes, na alquimia... A quimera ganha formas e significados diversos: Voando ou não, com cabeça e corpo de leão, trazendo como apêndices uma cabeça de cabra e outra de dragão; com dupla cauda, de serpente e de leão; com asas, de dragão no seu corpo de leão... Com o tempo, a imagem da quimera cede espaço aos dragões. Por falar nisso! São Jorge matando o Dragão, seria uma releitura de Belerofonte e a quimera?


Aprendemos um pouquinho sobre esse mito e essa palavra, mas outros mitos e palavras, vieram reforçar a tese de que quanto mais sabemos, descobrimos que muito mais temos a saber. Pois é! Talvez em outro escrito...


São Jorge e o dragão.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

2 comentários:

  1. Amei a postagem, Mitologia é o meu ponto fraco, amo demais, tanto em ler como em tentar escrever sobre o tema, por mais que queiramos fugir dos mitos são eles os que alimentam nossas almas em alguns momentos!
    Abraços meu amigo poeta Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mitologias, parábolas, lendas... Muitas delas escondem profundos ensinamentos e grandes lições.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...