Vida. Poema/crônica da janela gradeada - Apon na arte da vida

Bom estar com você aqui no APON NA ARTE DA VIDA!



Leitura sorteada - Nossos vídeos

Postagem em destaque

Enche sem preencher - Depressão? Eu digo, não!

Na TV, velhas novidades; repetitivas, requentadas, requintadas maldades. No “stream”, tento assistir um filme que não me assiste, minha “...

Vida. Poema/crônica da janela gradeada

Publicado em terça-feira, 12 de abril de 2016


Ilustração oficial do blog - Uma rosa vermelha na diagonal, sobre um fractal do por do sol, com o nome Apon em relevo, na parte inferior da imagem. #PraCegoVer

Caros, apertados apartamentos,

figurados ataúdes,

onde se subvive,

sobrevivendo até a morte chegar.

A janela sonega a paisagem...

Verde?

Nem por miragem!

Comtempla-se a concreta inconcretude,

passeios de cimento rude

para o destino transitar.

Carros driblam a buraqueira,

lixo, esgoto e mais sujeira,

narinas a afrontar.

Cachorros mortos de sede

com a fome a lhes morder.

Bêbados trôpegos,

tropeçando em suas desditas,

só a sarjeta a lhes acolher.

Feito lata de sardinha,

arrastado ônibus ruminando o dia,

leva o trabalhador penitente,

sociedade agônica.

das grades de sua liberdade:

O assalto,

o sobressalto,

o medo em cada um ser assaltante.

Paranoia,

pinoia de todo dia.

Sobram leis,

falta justiça,

injustiça a proliferar.

A polícia prende,

a impunidade se apressa em soltar.

Cidadãos na gaiola,

quem a cidadania viola

segue livre a flanar.

Autoridades cuidam de seus impróprios interesses,

desinteresse pelo ético, justo e real.

E a vida segue em prisão domiciliar;

sem recurso ou apelo,

sem habeas corpus ou alvará.

sem carta de alforria,

sem brecha por onde escapar.

Sem quem advogue,

sem quem proteste,

sem quem rogue!


Antonio Pereira Apon.

Siga-nos

Dê uma espiadinha em nossas postagens mais recentes:


4 comentários:

  1. Não há palavras para comentar poema de vida de quem vive, observa, se expressa e não deixa apenas ficar por entre grades da liberdade de ver, ouvir e falar. Calar, jamais! Excelente, Antonio!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poetizar, prosear, protestar, gritar, cobrar... Até que as coisas mudem. Calar? Jamais!

      Um abração.

      Excluir
  2. olá, António...

    agradeço sua amabilidade.

    a cirurgia decorreu bem, mas estou ainda muito longe de atingir os cem por cento, se os conseguir atingir. vamos com calma, então.

    um texto poético brutal e real, infelizmente. é, entre grades, aquilo que observas nesse teu gigantão, ou na maior parte dele, e eu k nunca o visitei, nem vontade, curiosidade, talvez, tenho a mesma sensação que tu. ontem, falei com uma brasileira k é balconista, como vocês aí falam, e ela me disse que está em Portugal há 15 anos, que nunca mais voltou ao Brasil e que não tem nem um pingo de saudades. casou com um português e está muito feliz.

    abração e dias de luz, sem grades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo há de ficar bem.

      O Brasil é um país maravilhoso, que tem tudo para dar certo. Fora um "detalhe". Tem uma antiga piada que explica, dizendo mais ou menos assim: "Na criação do mundo, Deus colocava tudo de bom no Brasil e distribuía os infortúnios com o resto do planeta. Em certo momento, o Diabo questionou aquele "privilégio". O Criador respondeu: - Espere para ver o povo que vou colocar aqui dentro"!

      Bem assim.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

@INSTAGRAM