Sofisma              

em domingo, 10 de abril de 2016



Mentiras mal vestidas de verdades, inverdades de um país que faz de conta. Mitos e lendas fazendo história e hoje, a farsa como nunca antes... Insofismável sofisma.


Sombra.


Uma “verdade” diversa da verdade,

versão própria da realidade,

leniente inverdade,

“desverdade”,

impropriedade real.

Mentir até convencer!

Artimanha da oratória,

golpe das palavras,

condução subliminar;

enganação coercitiva,

eufêmico discurso,

narcotizante retórica.

Levar no bico,

Na lábia ou na manha,

Verbal peçonha a enganar.

Dissimular,

fingir,

fazer de conta...

Carismático falar sem dizer,

Desdizer.

Indução da promessa vazia,

ética vadia,

amoral corromper.

Estética da vã aparência,

inconsciência de não ser;

vil engano,

desengano,

treta de só parecer.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

4 comentários:

  1. Boa tarde de domingo meu amigo poeta, pois é, nem se sabe mais em que acreditar, só se sabe que, aqui nesse Pais não tem mais nenhum poder que se possa confiar, acho que os três, embora independentes, estão todos "bichados" ou não sabem ler a constituição?!
    Esperemos e veremos no que vai dar tudo isso!
    Amei seu poema, todas as palavras bem colocadas, parabéns pela sua inteligência!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O aviltamento e degradação da política nunca antes foi tão grande: Absoluto despudor no executivo, no legislativo a velha excrescência; enquanto setores da justiça, letárgicos, não sabem para onde ir. Triste descalabro nacional.

      Um abração e uma boa semana. Brigadoooooooo!

      Excluir
  2. Olá meu caro,

    só quem tem o dom para conseguir fazer um belíssimo poema com a vergonha do nosso país.
    Que triste realidade.

    Grande abraço

    Leila Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que nem sempre, podemos versar o belo, o ético e digno. Triste, poetizar um país tomado de assalto por víboras corruptas, mentirosas e superlativamente sórdidas. Mas tudo há de passar e o Brasil inspirar a boa poesia. E quiçá, descobrir a boa política.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..









Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo