A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



sábado, 16 de dezembro de 2017

Coração labirinto





... Seu caminho o descaminho, corpo que desalma, sem carinho nem calma. Indagações andantes, promessas bacantes; desachadas, perdidas, achacadas, tão sofridas...


Antonio Pereira Apon.


Labirinto em forma de coração, interrogação de alguém.


No blog Filosofando na vida, a professora Lourdes nos convida a escrever uma frase, verso, poesia, pensamento, mensagem… Sobre uma imagem postada a cada fim de semana. Acima, a imagem sugerida. Abaixo, a minha décima quarta participação nessa “brincadeira” intitulada: Poetizando e encantando.


Selo de participação no Poetizando e encantando.

Sem rumo, sem prumo,

desaprumado sentir.

Sem norte pra sorte,

errante, vacante,

jacente menestrel.

Seu caminho o descaminho,

corpo que desalma,

sem carinho nem calma.

Indagações andantes,

promessas bacantes;

desachadas, perdidas,

achacadas, tão sofridas.

Rota rotina,

torta rota,

arrotada sina,

chacina da emoção.

Torto tonto,

ébrio labirinto,

sentimento louco.

Cilada!

Tanto nada,

por tão pouco.



Nossas participações mais recentes:





Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

22 comentários:

  1. Sem rumo, sem prumo,

    desaprumado sentir.

    Sem norte pra sorte,

    errante, vacante,

    jacente menestrel.

    Rimas perfeitos para compor uma bela poesia! Parabéns amigo, muito obrigada por mais uma vez participar lindamente. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Inspiração linda e sempre presente! Bela participação! Abraços, chica

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por sua tocante e realista participação! Labirintos da vida são itinerários para os fortes!
    Abraços natalinos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A força é o mantra de quem não se deixa seduzir pelas fraquezas.

      Um abraço natalino.

      Excluir
  4. Decifrar os labirintos da vida é para os destemidos
    Sua inspiração é sempre linda Antônio.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida é o que fazemos ser, labiríntica prisão ou um desafio para a liberdade. Brigadooooooooo!

      Um abraço natalino.

      Excluir
  5. Olá, Tonico!

    Mais uma excelente participação tua na iniciativa da Lourdes.

    Que estado de alma, garoto!
    Nada disso, menina, me diz ele. É apenas um poema, mais um poema, aliás, eu avisei. Sua imaginação é que inventa e acha "coisa", onde ela não existe.
    -Está bem, querido, meu querido amigo. Tu sabes, que eu exagero em quase tudo e meus olhos veem aquilo que vai no teu peito, ou seja, tens o coração no centro dele e com a pontinha virada para o lado esquerdo. Teu coração, que acho não labiríntico, bem pelo contrário, tem duas aurículas e dois ventrículos "morrendo" por pulsarem ainda mais. Possui ruas, ruelas, becos, cantos e recantos, que suplicam por amor, carinho e encanto. Me diz, que estou enganada, assim "bem pertinho de mim", me diz!

    Cuidado com as ciladas, porque o coração é cego, surdo e mudo e quem está de fora, consegue observar bem melhor, que o enamorado.

    Gostei do teu poema, mas o achei "frio", "direto" e "desiludido", mas amanhã é outro dia, portanto, novas "musas" te esperam. Wait with faith.

    Beijinho e abracinho pra consolar, "meu menino" e pra rimar, também (rsrsrs).

    Sugiro Soraya Arnelas - corazon de fuego - vídeo carregado por evaristomejode.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em defesa da minha tese e para ratificar a verdade de aqui só ter uma poesia, essa inspirada, única e tão somente pela imagem proposta. Convidei um dos seus patrícios, um dos mais conhecidos e respeitados:

      "O poeta é um fingidor
      Finge tão completamente
      Que chega a fingir que é dor
      A dor que deveras sente.
      E os que leem o que escreve,
      Na dor lida sentem bem,
      Não as duas que ele teve,
      Mas só a que eles não têm.
      E assim nas calhas de roda
      Gira, a entreter a razão,
      Esse comboio de corda
      Que se chama coração."

      Fernando Pessoa.

      Além disso, contrapondo sua teoria e explicitando meu estado de espírito, acabo de postar um novo poema, este, dentro do meu estilo absolutamente normal de versar:

      http://www.aponarte.com.br/2017/12/novamente-e-natal.html

      Não devia. Mas, atendendo sua sugestão:

      https://www.youtube.com/watch?v=oOxjvMfmCPk

      Sigo adelante, poetizando e andando. Creia.

      Um abraço fora de labirintos.

      Excluir
    2. Defenda sua tese, meu querido, defenda!

      "Não" sei quem é esse patrício meu, mas gostei do poema, sim. O poeta finge, mas finge sempre o que sente, na realidade.

      Tu não resistes a um coração de fogo e em fogo (rs), portanto, fica com Soraya, que eu fico com um dos meninos, que a acompanha. Pode ser?

      Por vezes, gosto de afetos com labirintos. Dá força pra continuar e fazer mais.

      Excluir
    3. Poxa, nem Fernando Pessoa te convence? Defendo a minha tese que é real. Estou me vacinando contra os sentires, que se manifestam agora só na poesia.

      Como anda assanhadinha essa portuguesita! Rs rs rs... Pode não...

      Estou cansado de labirintos, complicações, jogos... A vida e os afetos podem e devem ser simples, belos e tão naturais como a chuva que dessedenta o chão, o alvor que acende as luzes do dia, a noite que acolhe os sonhos, o florir impressionista dos campos, o sussurro do mar, a poesia que pulsa razão, emoção...

      Um abraço. Tudo de bom.

      Excluir
  6. Amigo Antônio mais uma poesia com rimas e que fala talvez de uma grande desilusão, de um amor que se foi mas que permanece vivo pesar de de tudo, no labirinto do coração.Parabéns amigo! Abraços natalino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A poesia cria e recria emoções, sentimentos; inventa, mistura realidade e ficção. Enfim, é poesia.

      Amor é fogo que arde sem se ver ...
      de Luís Vaz de Camões

      Amor é fogo que arde sem se ver,
      é ferida que dói, e não se sente;
      é um contentamento descontente,
      é dor que desatina sem doer.

      É um não querer mais que bem querer;
      é um andar solitário entre a gente;
      é nunca contentar-se de contente;
      é um cuidar que ganha em se perder.

      É querer estar preso por vontade;
      é servir a quem vence, o vencedor;
      é ter com quem nos mata, lealdade.

      Mas como causar pode seu favor
      nos corações humanos amizade,
      se tão contrário a si é o mesmo Amor?


      Abraços natalinos.

      Excluir
  7. Boa noite amigo Antônio, mais uma linda participação com seu poetar com rimas perfeitos e comum toque especial desse grande poeta que escreve com o coração.
    Seu caminho o descaminho,

    corpo que desalma,

    sem carinho nem calma.

    Parabéns por mais essa pérola de poesia. grata pela visita, tenha uma noite de paz e um amanhecer feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos tentando versar a vida, o sentimento a razão e desrazões humanas. Brigadooooo!

      Abraços natalinos.

      Excluir
  8. Caminhos, descaminhos, labirintos de emoções são enigmas a serem decifrados e nestes descompassos está a razão da emoção. Belíssimo Antonio
    Abraços e uma feliz semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decifrar, mapear, trilhar e vencer os labirintos da vida, do sentir...

      Abraços natalinos.

      Excluir
  9. Antonio!
    Como não apreciar o jogo de palavras e sentimentos em um poema complexo e simples ao mesmo tempo?
    Não é por acaso que és escritor, parabéns!
    Que a semana seja abençoada!
    “Desejo a você e à sua família um Natal de Luz! Abençoado e repleto de alegrias. Boas Festas!” (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2017/12/divulgacao-cultural-83-14-poetizando-e.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou um servo, artesão das palavras, artífice dos versos, tentando tecer poesia. Obrigado por suas gentis palavras e as felicitações, às quais retribuo.

      Abraços natalinos.

      Excluir
  10. Olá , Antônio !
    Tanto nada por tão pouco ...
    Triste isso !
    Prefiro o tanto tudo por tanto amor ...
    Você capta a essência da imagem e rima com intensidade nas palavras ...
    Forte efeito parã o leitor ... muito cheio de sinestesia e fica lindo !
    Seja feliz e abençoado !
    Abracos fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizia Fernando Pessoa: "o poeta é um fingidor", finge a dor, a emoção que o leitor sente.

      Abraços natalinos. Tudo de bom.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.