Encontro a poesia... - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

 

                    Encontro a poesia...              

     

... chave e na fechadura, democracia e ditadura, libertar e se prender. Na nudez e no pudor, na brandura e no terror, revelar ou esconder. Na arte e na realidade, no bem e na bondade, no dizer e no fazer. Na seca e na chuva, Na mão e na luva, No pé e no chão...

Antonio Pereira Apon.


Barco no mar.

Na floração dos campos,

nos pássaros e seus cantos.

No mar e na maresia,

no fiel e sua romaria,

fato e aleivosia.

Na elite e no povo,

no velho e no novo,

no ir, no há de vir.

No real, no virtual,

no insólito e no banal.

Na natureza e no progresso,

avanço ou retrocesso,

artifício ou natural.

No tecnológico e no antiquado,

no abundante e no minguado,

pragmático e sobrenatural.

No amor e no ódio,

na bomba de potássio e sódio,

somático e emocional.

No palco e na plateia,

no rio e na bateia,

achar ou se perder.

No dito e contradito,

verdade ou mito,

rito ou factual.

No relógio e no tempo,

no mormaço e no vento,

no terreno e no celestial.

Na chave e na fechadura,

democracia e ditadura,

libertar e se prender.

Na nudez e no pudor,

na brandura e no terror,

revelar ou esconder.

Na arte e na realidade,

no bem e na bondade,

no dizer e no fazer.

Na seca e na chuva,

Na mão e na luva,

No pé e no chão.

Morte e vida,

chegada e despedida,

imprevisto e previsão.

No olhar e na cegueira,

no acertado e na asneira,

vitória ou danação.

No abrir e fechar da porta,

na linha reta ou torta,

aprender e desaprender.

Na astúcia e na inocência,

na fartura e na carência,

altruísmo e ambição.

Encontro:

Nas juras dos amantes,

na ventura inconstante,

que a rotina lhes furtou.

no sóbrio e sua sobriedade,

no bêbado e seu desequilíbrio,

no jornal envelhecido,

que não aquece do mendigo o frio.

Nos vazios da sociedade,

nos arroubos de solidariedade,

que nos resgatam da desumanização.

Na paisagem bucólica.

na miragem melancólica,

recanto e ilusão.

No frenesi imediatista,

na paz que só se conquista,

ouvindo mente e coração.

Encontro poesia em tudo e todos.

A poesia a tudo abarca,

o versar a todos abraça,

indiscriminada percepção.




Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

12 comentários:

  1. Estimado, amigo.
    É neste jogo de contraponto, que tercemos, as coisas da vida.
    Parabens mesmo, pelo texto exposto.
    Abraços amaranhenssados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Zé. Ando devendo umas visitas ao seu recanto poético. Preciso corrigir essa falha.

      Um abração, bom fim de semana e bom voto.

      Excluir
  2. A "poesia" é vida expressa em sua plenitude. E, isso quando verdadeiro jorra de onde e quando menos se espera!Fantástica sua expressividade!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Célia.

      A poesia está em toda parte, cabe ao poeta saber encontrar.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá, Antonio!

    Linda poesia!
    Concordo com você, a poesia está em todos os lugares!
    Porém as vezes ela esconde-se de mim, e é um custo encontra-la!
    Tenha um lindo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jossara.

      Não é só de você. Essa danada da poesia adora se sumir. Que tal versar sobre o sumiço dela?

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  4. Olá estimado Antônio,

    A poesia é vida.
    Nela encontramos todos os sentimentos e tudo se espelha melhor.
    Amanhã, dia de votação, há versos nessa poesia, que se adaptam, perfeitamente.

    Bom Domingo.
    Abração da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luz.

      A poesia é a mais perfeita tradução da vida.

      Um abração e boa semana.

      Excluir
  5. Oi Antônio,
    Desculpa a ausência,mas cá estou,rs.
    A poesia tudo abarca,em tudo encaixa,é luz e calmaria,é o nosso caminho do dia-a-dia.Poesia é vida!!!
    uma ótima semana,abraço,=)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Suelen.

      Também tenho andado sumido dos Blogs. Rs rs rs... A poesia é a vida em versos, é o declamar da alma.

      Um abração.

      Excluir
  6. Precioso poema.
    É certo que a poesía está en todo o que nos rodea.
    Un xeito ben bonito de dicilo.
    un abrazo forte.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...