O que ficou do que foi              

em segunda-feira, 27 de junho de 2016



... E o tempo, que nos viu meninos. Segue lépido e traquino, brincando de não se esquecer.


Meninos no balanço - Portinari.


Faltam palavras,

para dizer dos dias idos,

nossos anos coloridos,

onde a juventude fez sonhar.

Hoje,

pela porta entreaberta,

a lembrança vai e flerta,

com o que se foi,

para em nós poder ficar.

Memória aquarelada,

tela de nossa alvorada;

esboço do que nos fez.

Poesia do que fomos,

prosa do que somos

destino a se escrever.

E o tempo,

que nos viu meninos.

Segue lépido e traquino,

brincando de não se esquecer.



6 comentários:

  1. Acho bem que o tempo continue brincando e que não se esqueça nunca, que nós somos eternamente jovens- risos -.
    Adorei seu escrito, onde as lembranças da infância, tem, com acento, um lugar bem especial em nossas mentes e coração.

    Agradeço sua visita e gentil comentário, António...

    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. O tempo tem mais é que brincar, cuidar de dar um tempo, parar de aporrinhar. E já tem postagem nova em: http://www.aponarte.com.br/2016/06/triste-fabula-sobre-violencia.html

      Um abração.

      Excluir
  2. Lindo, sempre lindo poder lembrar dos tempos de crianças, aqui em versos perfeitos!
    Amei ler amigo poeta!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bons tempos, boas lembranças. acervo da memória, resgate de nós mesmos.

      Um abração.

      Excluir
  3. Só assim, buscando essa energia interior do que fomos quando criança... é que nos habilitamos a não deixar morrer nossa criança interior ainda que... apesar de...
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrar é reviver, relativizar o tempo e resgatar a poesia do passado.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.




Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..








Topo