A inveja e a espada de Dâmocles - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Pensamento do dia:





Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

 

                    A inveja e a espada de Dâmocles              

     

... usamos a simbologia do mito, para representar a inveja de quem quer as coisas, o sucesso, a fama, as conquistas alheias. Mas, se recusa a expor-se aos riscos e dificuldades de quem paga o preço de construir, viabilizar seus sonhos, desejos legítimos...


Antonio Pereira Apon.


A espada de Dâmocles - Richard Westall.


Pessoas bem sucedidas, felizes, ricas, poderosas, por vezes despertam, inspiram sentimentos adversos em certo tipo de gente: Desejo, cobiça, cupidez, ganância, avidez, ambição, olho gordo, olho grande, mal olhado… Ou “simplesmente”, a velha e tão vulgar inveja. Contudo, os invejosos costumam ficar de butuca apenas nos bônus, nos benefícios e resultados sem se preocuparem, dedicarem a menor atenção ou qualquer interesse pelos ônus, trabalho, sacrifícios, esforços, os riscos, os… Isso é mais conveniente ignorar! ... Assim como, a conveniência, geralmente impede tais criaturas de perceberem que os invejados, costumam combater e superar: A preguiça, a acomodação, a indisciplina, a incapacidade, as dificuldades… Bem diferente dos invejosos, que se aclimatam ao mais fácil, aguardando os favores da sorte.


A mitologia ilustra bem a apercepção insensata dos invejosos, versando sobre Dâmocles, um cortesão grandessíssimo bajulador e desmedido invejoso da corte do tirano Dionísio, de Siracusa. O sujeito vivia a tagarelar acerca do ser superlativamente afortunado o amigo ditador: O poder, a felicidade, a riqueza, a sorte, facilidades, boa vida, mais isso, mais aquilo...


Aborrecido com aquela diuturna e incessante arenga, Dionísio propôs uma troca de lugares por um único dia. Assim, naquelas 24 horas, o boquirroto usufruiria da imensa sorte, servido com pompa e todo luxo por garotas de deslumbrante beleza; boas roupas, boa comida e tudo mais que de melhor pudesse dispor. Contudo, sem dar a saber ao falastrão, Dionísio mandou que, sustentada apenas por um fio de rabo de cavalo, uma afiada espada fosse pendurada sobre a cabeça de Dâmocles.


Assim, no dia seguinte, Dâmocles se adonou da situação, fantasiado de soberano, coroado, travestido de realeza. Sentado na cabeceira real da mesa do banquete, degustou o melhor da gastronomia e especialíssimos vinhos. No entorno, um luxo só: Belas flores, caros perfumes, muito conforto ao som de boa música. Sentia-se o último acarajé do tabuleiro, o mais feliz dos homens, o mais mais.


Sentado no lado oposto da mesa, Dionísio esboçou um sorriso irônico quando Dâmocles percebeu o perigo que pendia sobre sua cabeça. O sujeito empalideceu; trêmulo e desconexo, perdeu a fome, o desejo, a desenvoltura; aterrado pelo reluzente contorno daquela espada, queria sumir, correr dali.


Dionísio usou aquela espada para simbolizar todo o risco do poder, as incertezas, as possíveis conspirações, uma escolha errada, um revés inesperado que pudesse cortar a tênue linha do destino que sustenta uma sentença a qual está sempre exposto quem assume postura de destaque. Enfim, a lição foi aprendida e Dâmocles compreendeu que era “melhor ser amigo do rei a ser o próprio rei”.


Aqui usamos a simbologia do mito, para representar a inveja de quem quer as coisas, o sucesso, a fama, as conquistas alheias. Mas, se recusa a expor-se aos riscos e dificuldades de quem paga o preço de construir, viabilizar seus sonhos, desejos legítimos. Ser alguém, costuma dar trabalho. Ser “um ninguém”? Basta continuar invejando. Até que a espada de Dâmocles...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

2 comentários:

  1. Oi, Antonio!
    Desejo que 2017 seja um bom ano! Que tenhamos o necessário!
    Com muita saúde, paz e fraternidade!
    Felicidades a você e sua família!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...