Naturais lições - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Clique na animação abaixo, para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.


Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

sábado, 4 de março de 2017

 

                    Naturais lições              

     

... Alimentando a fome da comodidade, bem nutrida morbidade; ração de veneno, que nos torna ao pó. Artifícios dessa louca pressa; apressando, apreçando o tempo, desapreçando a vida. Fruta em caixa, legume em lata, do bebê a papa; vidro que engarrafa o coco. Eta povo louco! Sai parindo lixo, vai tornando mixo, o sobreviver aqui. Natureza morta, insustentabilidade torta...


Antonio Pereira Apon.



Vanitas - Pieter Claesz.


Natureza a ensinar:

Tudo tem um tempo certo.

O homem incerto,

intenta da lição declinar.


Tem tempo de calor e de frio,

florir ou frutar;

abstinência e cio,

arribar ou ficar.


Tempo de enchente ou vazante,

chuva e estio;

cheia ou minguante,

fome ou fastio.


Plantar e colher,

viver e morrer;

tempo de chegar e de partir,

de vir, de ir.


Tempo de crepúsculo e de alvorada,

escassez e fartança,

quietude ou revoada,

falta ou bastança.


Colorir, descolorir,

folhar, desfolhar,

apagar e reluzir,

hibernar, despertar.


Tempo de mudar tudo!

De deixar como está;

germinar e brotar,

verdecer e maturar,

insistir ou desistir,

afrontar ou se entregar.

Assim a translação das estações, rotação dos dias,

fluxo, refluxo,

ciclos, reciclos.

Vida que ensina,

existir que se afirma,

homem que se nega a aceitar.


Sobrevive em casulos estéreis,

em suas florestas de concreto e asfalto;

zumbis débeis,

respirando, dos hidrocarbonetos o flato.

Ruminando:

Carcinogênicos conservantes,

acidulantes, espessantes, estabilizantes;

venenosos corantes.

Alimentando a fome da comodidade,

bem nutrida morbidade;

ração de veneno,

que nos torna ao pó.

Artifícios dessa louca pressa;

apressando,

apreçando o tempo,

desapreçando a vida.

Fruta em caixa, legume em lata,

do bebê a papa;

vidro que engarrafa o coco.

Eta povo louco!

Sai parindo lixo,

vai tornando mixo,

o sobreviver aqui.

Natureza morta,

insustentabilidade torta...


Tudo ao tempo e a hora,

sempre pronto para o uso;

o planeta padece do abuso,

vai dar pra desabusar?


Natureza a ensinar:

Tudo tem um tempo certo.

O homem incerto,

teima da lição declinar.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

2 comentários:

  1. UM POEMA MUITO FORTE, SOCIALMENTE, E MUITO LÚCIDO!

    O homem está louco e o mundo também, logicamente, porque um influencia o outro. ADOREI!

    Beijinho, menino!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Loucura suicida que está matando a natureza, o planeta que nos sustenta e abriga. Retrocesso travestido de progresso, e como canta Caetano Veloso: "... força da grana que ergue e destroi coisas belas, da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas..."

      Um abraço.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.


Fale conosco:

Para exibir/ocultar nosso formulário de contato Clique aqui.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...