Enamorados namorados - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

 

                    Enamorados namorados              

     

... A taça e o vinho, linha e linho, quem caminha e o caminho. Eu, você; você e eu, queijo, goiabada, Zéfiro e alvorada, Julieta e Romeu...


Antonio Pereira Apon.



Romeu e Julieta, pintura de Ford Madox Brown.


Um abraço,
um laço, enlaço,
entrelaço de corações.
Namorados enamorados:
O barco e o cais,
côncavo e convexo,
amplexo,
gosto de quero mais.
A taça e o vinho,
linha e linho,
quem caminha e o caminho.
Eu, você; você e eu,
queijo, goiabada,
Zéfiro e alvorada,
Julieta e Romeu.
A mão e a luva,
plantação e chuva,
a meia e o pé.
Primavera e borboleta,
tempo e ampulheta,
ideia e ideal.
Letra e melodia,
inspiração e poesia;
orvalho, flor…
Flor que beija.
Beija-flor!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

8 comentários:

  1. Oi, António!

    Não sei se estou comentando no lugar certo, porque a seguir ao teu post surge "O QUE VOCÊ ACHOU, a que já dei minha opilião.

    Mais um bonito e inteligente jogo de palavras, mas o amor, o enamoramento e o namoro têm lugar primordial nesse teu escrito. Já estava mais do que na hora de falares de amor, homem/mulher.
    Normalmente o conteúdo de teus magníficos poemas, recados, mensagens, que nos fazem pensar versam o político e o social. Cadê o amor, minino (rs)?

    O quadro, a pintura sobre Romeu e Julieta está muito terna, com cores muito vivas e apetece ficar olhando.

    Abracinho e dias bem felizes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É certo que o social e o racional preponderam em meus posts, mas a emoção tem sempre o seu recanto para se abrigar. E na categoria: Amor, aqui do blog, tem muitas postagens acerca desse que é o maior dos sentires.

      E o que você achou do: "O QUE VOCÊ ACHOU"? Já a cena clássica da obra de Shakespeare, sempre inspirou belas obras da pintura, o drama entre Montéquios e Capuletos, merece todas as reverências.

      Um abraço. Bom fim de semana e prelúdio de dias prazerosos e descansados.

      Excluir
  2. Lindo, mesmo porque se aproxima o dia dos namorados, um dia para se dedicar a sentir a alegria de poder curtir com carinho, amor e paixão, o quadro da pintura que representa Romeu e Julieta, nossa, lindo demais e assim ficou tudo perfeito!
    Abraços apertados amigo Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "... sentir a alegria de poder curtir com carinho, amor e paixão". Disse tudo.

      Um abraço e bom fim de semana.

      Excluir
  3. Oi, Tonico!

    Verdade mesmo: quase sempre social e racional. Te quero um pouquinho mais "irracional" (rs).
    Sim, eu sei k há, mas são poucas, em minha opinião.

    O que eu achei? Logo quando vi, fiquei sem saber o que fazer. Depois olhei melhor e cliquei em UAU.
    Eu vou sempre clicar em..., mas olha que eu não sei se as pessoas vão reparar ou se dar a esse "trabalho". Comigo, podes sempre contar.

    Ah, Romeu e Julieta! Que amor e drama, LINDOS, mas não dava pra mim, não, talvez por ter nascido no século XX, não sei.

    Beijinho e abracinho. Bom fim de semana. Espero bem que sim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sentires e pensares na medida da inspiração. Naturalmente; sem programar, premeditar... Fluir, pulsar em prosa ou verso.

      Esse acessório é mais uma ferramenta de interação sem maiores pretensões. Sei que a maioria não vai clicar e vai continuar também sem comentar. Está aí para quem quiser usar...

      Um abraço de até breve.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...