Voto de Minerva ou de me enerva? - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Voto de Minerva ou de me enerva?

Publicado em terça-feira, 13 de junho de 2017



... graça uma versão tupiniquim do mito: O voto de me enerva. Longe de solucionar dilemas de forma sábia, honesta, ética… Exalta a conveniência, o “jeitinho”, interesses quase sempre inconfessáveis, atentando contra a realidade, a verdade e a justa justiça. Acordando a sensação de que o crime até pode compensar...


Antonio Pereira Apon.


A nave dos loucos, pintura de Hieronymus Bosch.


Trata-se do mito grego, no qual, a deusa Palas Atena, equivalente à romana Minerva, preside o julgamento do mortal Orestes. Sendo Minerva a deusa da sabedoria, o voto de Minerva refere uma escolha sábia, certa, justa, coerente...


Segundo Ésquilo, tudo começou quando Agamenon ofereceu sua filha em sacrifício aos deuses, no intuito de vencer a lendária Guerra de Troia. Furiosa com a morte da filha, e influenciada pelo amante Egisto, sua esposa Clitemnestra, o assassinou. Como vingança pelo homicídio do pai, Orestes matou a própria mãe e o citado amante.


Conforme a tradição, crimes cometidos contra os seus eram apenados com a morte pelas demoníacas Erínias, que tratavam o matricídio como o mais grave e imperdoável de todos os crimes. Apelando para Apolo, Orestes passou a contar com o Deus como seu “advogado”, conduzindo o julgamento para o Areópago, uma espécie de supremo tribunal, conselho que se reunia ali na Colina de Ares, ao nordeste da Acrópole em Atenas. Na acusação, três Erínias (Tisífone (Castigo), Megera (Rancor) e Alecto (Infindável)), ficando Atena/Minerva a presidir o julgamento. Tendo terminado em empate a votação do júri composto de doze cidadãos atenienses, coube a Atena/Minerva decidir. O que fez, declarando Orestes inocente, no que foi considerado o 1º julgamento da história.


Por aqui, como tudo se subverte, vez ou outra, graça uma versão tupiniquim do mito: O voto de me enerva. Longe de solucionar dilemas de forma sábia, honesta, ética… Exalta a conveniência, o “jeitinho”, interesses quase sempre inconfessáveis, atentando contra a realidade, a verdade e a justa justiça. Acordando a sensação de que o crime até pode compensar, que “os fins justificam os meios” e que impera um velho axioma: “Para os amigos, tudo. Para os inimigos, a lei”.


Esqueceu que isso aqui é Brasil? Queria o que?! Seriedade?!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM