Voto de Minerva ou de me enerva? - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

terça-feira, 13 de junho de 2017

 

                    Voto de Minerva ou de me enerva?              

     

... graça uma versão tupiniquim do mito: O voto de me enerva. Longe de solucionar dilemas de forma sábia, honesta, ética… Exalta a conveniência, o “jeitinho”, interesses quase sempre inconfessáveis, atentando contra a realidade, a verdade e a justa justiça. Acordando a sensação de que o crime até pode compensar...


Antonio Pereira Apon.



A nave dos loucos, pintura de Hieronymus Bosch.


Trata-se do mito grego, no qual, a deusa Palas Atena, equivalente à romana Minerva, preside o julgamento do mortal Orestes. Sendo Minerva a deusa da sabedoria, o voto de Minerva refere uma escolha sábia, certa, justa, coerente...


Segundo Ésquilo, tudo começou quando Agamenon ofereceu sua filha em sacrifício aos deuses, no intuito de vencer a lendária Guerra de Troia. Furiosa com a morte da filha, e influenciada pelo amante Egisto, sua esposa Clitemnestra, o assassinou. Como vingança pelo homicídio do pai, Orestes matou a própria mãe e o citado amante.


Conforme a tradição, crimes cometidos contra os seus eram apenados com a morte pelas demoníacas Erínias, que tratavam o matricídio como o mais grave e imperdoável de todos os crimes. Apelando para Apolo, Orestes passou a contar com o Deus como seu “advogado”, conduzindo o julgamento para o Areópago, uma espécie de supremo tribunal, conselho que se reunia ali na Colina de Ares, ao nordeste da Acrópole em Atenas. Na acusação, três Erínias (Tisífone (Castigo), Megera (Rancor) e Alecto (Infindável)), ficando Atena/Minerva a presidir o julgamento. Tendo terminado em empate a votação do júri composto de doze cidadãos atenienses, coube a Atena/Minerva decidir. O que fez, declarando Orestes inocente, no que foi considerado o 1º julgamento da história.


Por aqui, como tudo se subverte, vez ou outra, graça uma versão tupiniquim do mito: O voto de me enerva. Longe de solucionar dilemas de forma sábia, honesta, ética… Exalta a conveniência, o “jeitinho”, interesses quase sempre inconfessáveis, atentando contra a realidade, a verdade e a justa justiça. Acordando a sensação de que o crime até pode compensar, que “os fins justificam os meios” e que impera um velho axioma: “Para os amigos, tudo. Para os inimigos, a lei”.


Esqueceu que isso aqui é Brasil? Queria o que?! Seriedade?!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...