Não se acostume com o problema. Queime a pinguela - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

 

                    Não se acostume com o problema. Queime a pinguela              

     

... ponte, que de a muito já devia ter sido substituída. Mas, nada. A bichinha, mais parecia uma dessas celebridades sem noção, que após trocentas cirurgias plásticas, vira um sujeito indefinido, amorfo, mistura de nada com coisa nenhuma. O pontilhão sambava mais que dançarina de grupo de pagode, mas, todos estavam acostumados: os meninos...


Antonio Pereira Apon.


Paisagem Rústica com Ponte e Casas, pintura de Almeida Júnior.


Um problema pede uma solução. Mas, vamos adiando, prorrogando, protelando, “empurrando com a barriga”… Bem assim:


Uma velha pinguela, era a única ligação daquele bucólico vilarejo com a sede do município e o resto do mundo. Cerca de 15 metros de cordas carcomidas, madeiras gastas, quebradas e apodrecidas, debruçadas sobre o rio, esse o único e mais que precário caminho para os moradores e visitantes dali. Décadas de remendos e improvisos, mantinham aquele arremedo de ponte, que de a muito já devia ter sido substituída. Mas, nada. A bichinha, mais parecia uma dessas celebridades sem noção, que após trocentas cirurgias plásticas, vira um sujeito indefinido, amorfo, mistura de nada com coisa nenhuma. O pontilhão sambava mais que dançarina de grupo de pagode, mas, todos estavam acostumados: os meninos que escorregavam, as idosas que caíam, os idosos que tropeçavam, um que prendia o pé, o que se machucava nas lascas de madeiras; o pinguço que não sabia, se era vertigem por conta da “marvada” ou o requebro da pinguelinha… Todos acostumadíssimos, iam dando um jeitinho e o “problema de estimação” seguia mal remediado, prejudicando a todos.


Até que um dia, um morador aborrecido com aquele absurdo e toda aquela acomodação, tomou uma atitude extrema. A noite, quando todos dormiam, ele espalhou gasolina e tocou fogo na velha pinguela.


Uma semana depois, uma bela, segura e nova ponte surgia. Enfim, a solução por tanto tempo negligenciada.


Como os moradores daquele vilarejo e sua pontezinha, vamos nós, maquiando os problemas, emendando, improvisando, inventando, tardando, arriscando, sofrendo e nada ou pouco fazendo para resolver. Esperamos um milagre? Um favorzinho da sorte? Uma benção divina? Será que “faz parte”? ... Assim, vamos nos acostumando, nos aclimatando, achando tudo e qualquer coisa, normal, aceitável, comum, natural, relativo… Gente! Deixa disso! Vamos desacostumar, desacomodar, queimar a pinguela!




   
 
 

8 comentários:

  1. Mais uma postagem maravilhosa!!

    Beijos e um excelente dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilhosas são as lições da vida a nos inspirar.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Olá, Tonico!

    Gostei bastante da tua prosa, mas nem tudo é assim tão linear e tu bem sabes disso.

    Aconselhamos as pessoas a fazer isso e aquilo, mas não conseguimos resolver nossos problemas com a rapidez, que queremos. Raramente, alguém, queima a pinguela, assim, de repente, e logo depois surge outra pinguela toda novinha.

    Eu tenho sempre mto cuidado com situações, k tenham a ver com afetos. É preciso saber preparar o terreno para a nova "cultura".

    Gostei da pintura, mto. Me agradam paisagens bucólicas.

    Abracinhos e uma noite feliz e fresquinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, não existe uma receita pronta para tudo, geral e infalível; uma panaceia salvadora. Existem problemas e problemas. Falo dos que já podemos resolver, mas, vamos deixando para depois, acumulando, piorando... Claro, que cada problema e sua solução, reclama seus cuidados, sobretudo no terreno dos sentires.

      Um abraço sem problemática, cheio de "solucionática".

      Excluir
    2. evidente k não, pke cada caso é um caso, eu entendo. Sei k há pessoas, que deixam arrastar coisas simples como uma ida o dentista - rs, por exemplo, pois tem pavor dessa especialidade.

      Em relação aos afetos, é preciso ter cuidado e usar de uma certa subtileza.

      Nosso abraço é bem descomplexado e livre.

      Excluir
    3. Isso mesmo, cada coisa é uma coisa e cuidado é sempre oportuno. Como disse o "Pequeno Príncipe": "Somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos".

      Pavor de dentista? Essa pessoa está ainda no medievo! Rs rs rs...

      Um abraço transatlântico.

      Excluir
  3. Esquecei de comentar o bolero, que me deliciou. É agradável ao ouvido, mas me parece impulsionador.

    Boa escolha!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...