Não se acostume com o problema. Queime a pinguela - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

Não se acostume com o problema. Queime a pinguela

Publicado em segunda-feira, 21 de maio de 2018



... ponte, que de a muito já devia ter sido substituída. Mas, nada. A bichinha, mais parecia uma dessas celebridades sem noção, que após trocentas cirurgias plásticas, vira um sujeito indefinido, amorfo, mistura de nada com coisa nenhuma. O pontilhão sambava mais que dançarina de grupo de pagode, mas, todos estavam acostumados: os meninos...


Antonio Pereira Apon.


Paisagem Rústica com Ponte e Casas, pintura de Almeida Júnior.


Um problema pede uma solução. Mas, vamos adiando, prorrogando, protelando, “empurrando com a barriga”… Bem assim:


Uma velha pinguela, era a única ligação daquele bucólico vilarejo com a sede do município e o resto do mundo. Cerca de 15 metros de cordas carcomidas, madeiras gastas, quebradas e apodrecidas, debruçadas sobre o rio, esse o único e mais que precário caminho para os moradores e visitantes dali. Décadas de remendos e improvisos, mantinham aquele arremedo de ponte, que de a muito já devia ter sido substituída. Mas, nada. A bichinha, mais parecia uma dessas celebridades sem noção, que após trocentas cirurgias plásticas, vira um sujeito indefinido, amorfo, mistura de nada com coisa nenhuma. O pontilhão sambava mais que dançarina de grupo de pagode, mas, todos estavam acostumados: os meninos que escorregavam, as idosas que caíam, os idosos que tropeçavam, um que prendia o pé, o que se machucava nas lascas de madeiras; o pinguço que não sabia, se era vertigem por conta da “marvada” ou o requebro da pinguelinha… Todos acostumadíssimos, iam dando um jeitinho e o “problema de estimação” seguia mal remediado, prejudicando a todos.


Até que um dia, um morador aborrecido com aquele absurdo e toda aquela acomodação, tomou uma atitude extrema. A noite, quando todos dormiam, ele espalhou gasolina e tocou fogo na velha pinguela.


Uma semana depois, uma bela, segura e nova ponte surgia. Enfim, a solução por tanto tempo negligenciada.


Como os moradores daquele vilarejo e sua pontezinha, vamos nós, maquiando os problemas, emendando, improvisando, inventando, tardando, arriscando, sofrendo e nada ou pouco fazendo para resolver. Esperamos um milagre? Um favorzinho da sorte? Uma benção divina? Será que “faz parte”? ... Assim, vamos nos acostumando, nos aclimatando, achando tudo e qualquer coisa, normal, aceitável, comum, natural, relativo… Gente! Deixa disso! Vamos desacostumar, desacomodar, queimar a pinguela!




8 comentários:

  1. Mais uma postagem maravilhosa!!

    Beijos e um excelente dia.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Tonico!

    Gostei bastante da tua prosa, mas nem tudo é assim tão linear e tu bem sabes disso.

    Aconselhamos as pessoas a fazer isso e aquilo, mas não conseguimos resolver nossos problemas com a rapidez, que queremos. Raramente, alguém, queima a pinguela, assim, de repente, e logo depois surge outra pinguela toda novinha.

    Eu tenho sempre mto cuidado com situações, k tenham a ver com afetos. É preciso saber preparar o terreno para a nova "cultura".

    Gostei da pintura, mto. Me agradam paisagens bucólicas.

    Abracinhos e uma noite feliz e fresquinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, não existe uma receita pronta para tudo, geral e infalível; uma panaceia salvadora. Existem problemas e problemas. Falo dos que já podemos resolver, mas, vamos deixando para depois, acumulando, piorando... Claro, que cada problema e sua solução, reclama seus cuidados, sobretudo no terreno dos sentires.

      Um abraço sem problemática, cheio de "solucionática".

      Excluir
    2. evidente k não, pke cada caso é um caso, eu entendo. Sei k há pessoas, que deixam arrastar coisas simples como uma ida o dentista - rs, por exemplo, pois tem pavor dessa especialidade.

      Em relação aos afetos, é preciso ter cuidado e usar de uma certa subtileza.

      Nosso abraço é bem descomplexado e livre.

      Excluir
    3. Isso mesmo, cada coisa é uma coisa e cuidado é sempre oportuno. Como disse o "Pequeno Príncipe": "Somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos".

      Pavor de dentista? Essa pessoa está ainda no medievo! Rs rs rs...

      Um abraço transatlântico.

      Excluir
  3. Esquecei de comentar o bolero, que me deliciou. É agradável ao ouvido, mas me parece impulsionador.

    Boa escolha!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.




Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..




Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM