O que é poesia?              

em terça-feira, 15 de janeiro de 2019



... Poesia, é a semente que brota; pra quem gosta, pra quem pensa desgostar. É um estado, a eternidade e um momento, finitude e infinito, indefinível definição. O tudo e o nada, o tanto e o tão pouco. Divinal e tão humana; transborda dos estilos, derrama das normas e regras...


Antonio Pereira Apon.


O semeador, pintura de Vincent Van Gogh.


É semear palavras.

Da lavra dos versos;

fazer florir sentimento,

frutificar pensamento,

colher da inspiração.

Com rima ou sem rima,

acordar o clima da emoção.

Com ou sem métrica,

se preciso,

desafiar a estética.

É o ditado da alma,

alquimia da escrita,

magia da expressão.

O ressignificar do dizer e do calar,

do ser ou não ser,

estar, não estar.

Poesia é uma linguagem,

um idioma, um dialeto;

espírito da canção.

Amálgama, liga,

catalisadora percepção.

Catártica, libertária,

contida, panfletária;

obediente, irreverente,

previsível ou paradoxal.

Poesia,

é a semente que brota;

pra quem gosta,

pra quem pensa desgostar.

É um estado,

a eternidade e um momento,

finitude e infinito,

indefinível definição.

O tudo e o nada,

o tanto e o tão pouco.

Divinal e tão humana;

transborda dos estilos,

derrama das normas e regras.

Contém, não está contida,

abarca, não embarca.

A poesia, é...




31 comentários:

  1. Lindo, lindo. Poesia são estados de alma... É isso tudo. :)) Adorei.

    Hoje :- Sorriso camuflado

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, você ter gostado! Poesia "é isso tudo" e muito mais. Obrigado.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Concordo plenamente, Poesia é todo o nosso envolvimento com a realidade.Amei!

    Beijo e uma excelente tarde

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tonico!

    Um excelente e adjetivado poema, onde tu tentas "definir" o que é a poesia, mas impossível, pke ela é tudo. Não dá para a colocar em formas, pke é "revolucionária" (felizmente k eu não sou poetisa).

    Beijos e uma tarde de solzinho e luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só dá para tentar, definir o indefinível, não está ao nosso alcance. Você não é poetiza. E arrasa corações com seus versos avassaladores? Imagine se fosse!

      Um abraço poético.

      Excluir
    2. Não, não sou poetisa, Tonico. Escrevo versos, que suscitam algo.
      Desde pequena que sempre tive muita imaginação, a ponto da professora da 4ª classe querer falar com meu encarregado de educação, k era minha mãe, pke nas redações, agora chamadas composições, eu extrapolava o tema dado e ia sempre desembocar no amor, no desejo, na paixão.

      Bisous, mon chèri!

      Excluir
    3. Poetiza nata! Precoce essa menina! Rs rs rs...

      Aqui, uma menina "malandrinha":

      https://www.youtube.com/watch?v=bFRBQjBuQmo

      https://www.youtube.com/watch?v=iVSUGdySh1s

      Inté!

      Excluir
    4. É uma Cássia -rs? Me parecia um Cássio-rs. Gostava de saber do comportamento social dessa cantora, sua sexualidade, sua forma de viver. Vou pesquisar mais tarde.

      Embora a canção "Malandragem" tenha tido por três vezes um sucesso enorme, como dizem as pessoas que, dela canção e dela Cássia, falam no vídeo, ela é uma "marginal" e talvez por isso tanto sucesso. O estilo dela, a forma de vestir e de se apresentar fez o resto.
      Esse tipo de gente não faz meu género.

      Eu era uma menina bem certinha, de vestidinho, sempre aprumadinha, só que na escrita, "desandava" e com 10 anos minha imaginação era já fértil, com o te disse atrás.

      Excluir
    5. "Cada cabeça, um mundo", cada qual na sua e a vida continua. Cada um com seu estilo e escolhas.

      Inté!

      Excluir
    6. Ok, eu sei k é, desse jeito, mas há pessoas que não se encaixam nos meus perfis, como meu perfil será detestado por outras pessoas.

      Excluir
  4. MÁRIO VIEGAS, Ator e Declamador.

    https://youtu.be/a-ctEMpcAXY

    ResponderExcluir
  5. A INVENÇÃO DA ÁGUA


    Como muito bem se sabe, no princípio não havia água.
    Só havia o verbo.
    Depois apareceram o sujeito e o complemento direto.
    Mas de água, nada.

    Então todos começaram a beber vinho e deus achou que era bom.
    E lá isso era!

    No entanto, com o aparecimento das primeiras culturas
    do tipo comercial, tornou-se evidente
    a falta de qualquer coisa
    que pudesse aumentar a produção do vinho
    e torná-lo mais rentável.

    Era a água, claro.

    Mas não havia água, como já fizemos notar.
    As primeiras pesquisas,
    então ainda bastante primitivas,
    levaram à descoberta da água-pé.

    Embora curiosa, essa descoberta não resolveu,
    de forma alguma, o fim pretendido.
    Continuava a não haver água. As pesquisas prosseguiram.

    Felizmente o homem é assim, nunca desiste.
    É isso que faz o progresso.
    E largos tempos passados chegou-se a nova descoberta:
    a aguardente.

    Era melhor, não duvidemos, mas realmente não era o desejado.
    Faltava a água. Definitivamente.
    As civilizações pastoris, no seu nomadismo constante,
    descobriram, acidentalmente, a água-bórica que,
    aliás, nunca serviu para nada. Coisas de nómades.

    Foi então que no seio das culturas orientais
    mais avançadas tecnologicamente,
    surgiu a grande invenção:
    um misterioso pó branco que,
    deitado em mínima quantidade num litro de água,
    o convertia,
    quase milagrosamente,
    num litro de água.
    ESTAVA INVENTADA A ÁGUA

    Inicialmente rara e só usada para fazer vinho,
    tornou-se no entanto com o desenvolvimento industrial,
    bastante acessível e abundante.

    Ergueram-se os primeiros lagos,
    deu-se início aos rios pequeninos e,
    finalmente surgiram os rios maiores,
    aqueles muito grandes,
    que consta várias pessoas já terem visto por aí.

    Este progressivo desenvolvimento líquido
    teve como consequência
    o aparecimento de poderosas civilizações marítimas,
    que se desenvolveram de tal maneira que nos puseram
    no brilhante estado em que nos encontramos.

    É o que fazem as invenções.

    No entanto, e mesmo com a atual abundância,
    não devemos abusar, dada a tremenda
    explosão demográfica que se está registando.

    Parece-nos mais prudente beber gin. Sempre.

    Mário-Henrique Leiria


    OBSERVAÇÃO: Entre um verso e outro a ator Mário Viegas, já falecido, vai bebendo um gole de vinho -(rs).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é que é conversa de bêbado. Rs rs rs... Criativo, muito interessante.

      Um abraço. Inté!

      Excluir
    2. E é mesmo, mas esse bêbado era bem de esquerda, politicamente, homossexual e muito talentoso.

      Até breve!

      Excluir
    3. Talentoso mesmo. E a criatividade do texto é demais. Surreal.

      https://www.youtube.com/watch?v=1L9mZIxgaq0

      O poema "José" de Carlos Drummond de Andrade foi publicado originalmente em 1942, na coletânea Poesias. Ilustra o sentimento de solidão e abandono do indivíduo na cidade grande, a sua falta de esperança e a sensação de que está perdido na vida, sem saber que caminho tomar. 
      José

      E agora, José?
      A festa acabou,
      a luz apagou,
      o povo sumiu,
      a noite esfriou,
      e agora, José?
      e agora, você?
      você que é sem nome,
      que zomba dos outros,
      você que faz versos,
      que ama, protesta?
      e agora, José?

      Está sem mulher,
      está sem discurso,
      está sem carinho,
      já não pode beber,
      já não pode fumar,
      cuspir já não pode,
      a noite esfriou,
      o dia não veio,
      o bonde não veio,
      o riso não veio,
      não veio a utopia
      e tudo acabou
      e tudo fugiu
      e tudo mofou,
      e agora, José?

      E agora, José?
      Sua doce palavra,
      seu instante de febre,
      sua gula e jejum,
      sua biblioteca,
      sua lavra de ouro,
      seu terno de vidro,
      sua incoerência,
      seu ódio — e agora?

      Com a chave na mão
      quer abrir a porta,
      não existe porta;
      quer morrer no mar,
      mas o mar secou;
      quer ir para Minas,
      Minas não há mais.
      José, e agora?

      Se você gritasse,
      se você gemesse,
      se você tocasse
      a valsa vienense,
      se você dormisse,
      se você cansasse,
      se você morresse...
      Mas você não morre,
      você é duro, José!

      Sozinho no escuro
      qual bicho-do-mato,
      sem teogonia,
      sem parede nua
      para se encostar,
      sem cavalo preto
      que fuja a galope,
      você marcha, José!
      José, para onde?


      Os comentários estão ficando mais relevantes que o post. Rs rs rs...

      Por falar nisso, seus comentários, ainda andam sumindo?

      Um abraço sóbrio.

      Excluir
  6. Oi, Tonico!

    Já conhecia esse poema, k acho o máximo. Já conhecia a interpretação desse cantor, k é mto boa.
    É José, mas poderia ser outro nome qualquer, né-rsrsrs?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Um qualquer ou qualquer um na magistral poesia de Drummond. E agora CÉU?

      Inté!

      Excluir
    2. E agora, Tonico, eu vou esperar o verão, com ansiedade, muita, e tu o tempo mais fresco.

      Excluir
  7. Desculpa o interregno, mas tem estado chovendo mto aqui e a prima hoje, essa tarde, foi fazer um exame médico. Fui buscar ela, de táxi, e só há pouquinho acabámos de jantar.

    Meus comentários nunca mais sumiram. Acho k está perfeito, desse jeito.

    Beijo e bom final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aventuras e desventuras de uma prima. Rs rs rs...

      Tomara que siga assim, mesmo quando tiverem mais comentários e vídeos. Esse modelo parece mesmo funcionar melhor, carregar mais rápido.

      Inté!

      Excluir
    2. Pois, exatamente -rs.

      Espero bem k teu blog continue tão certinho quanto até aqui.

      Bons sonhos e sono.

      Excluir
  8. Sabes do k não gosto em teu blog? Da publicidade no meio dos posts. Não sei se isso dá algum dinheiro, mas tanto anúncio é demais e o lugar onde ela aparece num (rs) tem jeito, não. Por que não na lateral direita, por exemplo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu coloco a publicidade abaixo do título da postagem e no fim dela, essas que aparecem no meio do escrito, são inseridas automaticamente pelo Google, segundo eles, são os posicionamentos mais rentáveis para os anúncios.

      A grande maioria das visitas, hoje são por celular e nos aparelhinhos a barra lateral, não fica na lateral, desce. Assim, muita gente nem vê, sai após ler o post.

      Rende alguns dólares, ainda não muito, mais rende um tantinho.

      Um abraço e uma boa semana.

      Excluir
    2. Sim, tu colocas abaixo do post, mas outra é gerada automaticamente, como afirmas, pelo google, portanto, nada a fazer.

      Isso, é pura verdade. As pessoas veem os blogs e outras coisas no telemóvel, que tem uma telinha tão pequena! Eu coloco vídeos nos meus posts, mas mtos nem os veem, pke estão no celular. Eu só gosto de computador de secretária.

      Se rende algum dinheiro, já é bom.

      Beijos, menino!

      Excluir
    3. E se o tema do blog não for responsivo, adaptado para visualização em celulares, pode ficar difícil de ler. Se resolver ativar a visualização para celular do blogger, é preciso mexer manualmente no código para exibir o que se quer.

      Sim. O ganho não é muito, mas ajuda.

      Inté!

      Excluir
    4. Eu não sei se fica difícil de ler, pke meu celular não tem internet, ou melhor, tem, mas está desativada, pke eu só gosto de net em PCs de secretária.
      Claro k não vou ativar, como calculas.

      "Grão a grão enche a galinha o papo", como vulgarmente se costuma dizer. Sempre ajuda nas idas ao mercado -rs.

      Excluir
  9. Qto à pintura, k retiraste do Pinterest. "O Semeador" de Van Gogh, k tem alguma beleza, embora seja rústica. É mais fácil encontrar no Pinterest o k pretendes, Tonico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não retirei do Pinterest e não acho mais fácil encontrar nele. prefiro sites que ofereçam uma melhor descrição das imagens, como a Wikipédia. Agora, quando posto aqui, também o faço nas redes sociais, entre elas, o Pinterest. Por isso você vê aí na lateral meus posts por lá.

      Inté!

      Excluir
    2. Eu não gosto do Pinterest. Por vezes, o consulto para tirar fotos de mulheres e casais sensuais, mas as imagens tem no sítio do rosto um espaço branco de duas linhas paralelas, deixando de se poder ver o rosto. Provavelmente, é pra nós não guardarmos a imagem.

      Sim, vejo.

      Tudo de bom!

      Excluir
    3. Acho um tanto confuso, até para postar, às vezes nem consigo...

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.







Fale conosco:




Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!



Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...


Topo