Ela, despretensiosa - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

 

                    Ela, despretensiosa              

     

Despretensiosa. ...Como calendário novo, a pedra do escultor. Como o saber do povo. do campo a bela flor...


Antonio Pereira Apon.


Musas dançam com Apolo, pintura de Baldassare Peruzzi.


Ela é assim,

sem pretensão.

Encanta, enlaça,

envolve, abraça...

Simples, apenas existe,

Insiste persiste...


Como frescor de orvalho,

como cantar de passarinho.

Descanso e trabalho,

gosto bom de antigo vinho.


Como onda a quebrar na praia,

chuva a dessedentar o chão.

Como luar que se espraia,

papel de enrolar pão.


Como brisa da matina,

narrativa de cordel.

O insólito e a rotina,,

calma e babel.


Como calendário novo,

a pedra do escultor.

Como o saber do povo.

do campo a bela flor.


Despretensiosa a poesia.



   
 
 

7 comentários:

  1. Olá, Antonio! A poesia é minha companheira sempre! Despretensiosamente ela me (nos) diz muito! Basta a sensibilidade!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Oi Antonio!

    Que bela flor de poesia!
    Delicada tal qual pétala!
    Desejo a você um ótimo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Antonio, que prazer começar o ano lendo aqui tão bela poesia!
    Com grande inspiração nos brinda e isso é mesmo um bom começo.
    Amo poesias que nos faz ir além do "todo dia", as suas são mesmo assim!
    Grande abraço amigo poeta querido!

    ResponderExcluir
  4. Un poema marabilloso, moi sentido.
    A poesía, que tantas cousas fermosas nos brinda, a sensibilidade, ese saber do pobo que dis, como frescor de orballo que nos envolve e atrapa.
    precioso.
    un abrazo e espero que este ano que está empezando sexa de felicidade.

    ResponderExcluir
  5. Oi, querido amigo Antônio!

    Como vai?

    Que bom, ter você comentando em meus blogs!
    Gosto da sua racionalidade, interpretação e carinho que põe nas palavras, que não são estudadas, mas genuínas, SUAS.

    Ai, ai! Tem uma rosa muito semelhante às que eu tenho em ambos os meus blogs. Você tem muito bom gosto. Estou brincando, claro, e, infelizmente, não copiou a rosa dos meus blogs.

    DEUS, UM DIA, VAI PERMITIR, QUE VOCÊ VEJA AMAZÓNIAS DE ROSAS MULTICOLORES. ELE É PAI.

    Quanto à sua bela, suave e melódica poesia, pois é POESIA e está quase tudo dito.
    Gostei das metáforas, que estabelece no poema.

    Você é um ser muito equilibrado, muito sensível, UM AMIGÃO, resumindo.

    Quanto a novas postagens no "Afetos", só daqui a 10/12 dias. Há que dar tempo a que os seguidores/as degustem o repasto, que fiz pra eles/as.


    Bom fim de semana.
    Um grande e amistoso abraço.

    ResponderExcluir
  6. A vida sem poesia perde toda a graça e encanto. Belo ode à esse dom de enxergar a beleza da vida! Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. OLá caro amigo

    Ela deve ser muto feliz!

    Lindo e despretensioso como tudo que é naturalmente belo!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...