Poesia passarinho - A arte da vida. Apon HP



Obrigado por sua visita. Boa leitura!




Para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site Clique aqui.

domingo, 11 de março de 2018

 

                    Poesia passarinho              

     

... visitar os corações sem poesia, calar a pressa vazia, dessa gente a correr. Resignificar as pegadas que o tempo devora, e a felicidade que implora, para te fazer sorrir...


Antonio Pereira Apon.


Passarinho azul.


A poesia é passarinho.

Faz no coração seu ninho,

para a emoção se aninhar


Mas passarinho prisioneiro,

faz sepulcro o cativeiro,

perde o encanto de sonhar..


Triste a inspiração aborta,

louca a mão que tranca a porta,

cobra do pássaro o cantar.


A amplidão não cabe na gaiola,

e roubada da aurora,

dorido pássaro a sofrer.


Como ave engaiolada,

A poesia engavetada

Faz-se "natimorta" sem quem ler.


Solto versos ao infinito,

vão buscar o mais bonito,

descobrir seu arrebol.


Entre estrelas vão brincar,

Beber da Lua o lumiar,

E no Sol se aquecer.


Banhados de chuva e madrugada,

prenunciam a poética aquarelada,

de um arco-íris no céu.


Vão visitar os corações sem poesia,

calar a pressa vazia,

dessa gente a correr.


Resignificar as pegadas que o tempo devora,

e a felicidade que implora,

para te fazer sorrir.


Voa meu verso ligeiro!

O Universo é seu aninho,

meu coração seu ninho.

Jamais seu carcereiro!



Postado aqui em 20 de janeiro de 2012.



   
 
 

17 comentários:

  1. Por falar em poesia e passarinho. Veja que beleza do Mário Quintana:


    OS POEMAS

    Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam vôo
    como de um alçapão.
    Eles não têm pouso
    nem porto;
    alimentam-se um instante em cada
    par de mãos e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
    no maravilhado espanto de saberes
    que o alimento deles já estava em ti...

    Mário Quintana

    ResponderExcluir
  2. Olá meu caro,

    todo poeta é ave
    todo poeta voa
    ainda que hajam gaiolas...

    Lindo poema!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Belo paralelo traçado entre a prisão que muitos fazem das aves (com a qual eu nãop concordo: passarinho tem de ser solto) e a poesia não lida, não sentida, não expressada.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde,Antonio. A prisão não faz bem de modo algum a nenhuma pessoa.
    A liberdade é um tesouro precioso, e a alma que voa vive na paz e feliz.
    Lindo o poema.
    Ninguém é feliz preso, nem pessoas e nem animais.
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Antonio! Como é belo voar entre as palavras e acariciar mentes e corações! Sem limites! Belo o seu poema!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  6. Antonio Querido!

    Voar é preciso, e o limite é o infinito!
    Tenha um lindo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Antonio,peço licença para levar essa sua poesia para meu blog Recanto dos autores, com os devidos creditos,é claro!Ficou maravilhosa e voei em cada estrofe!Bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esteja à vontade Anne. Voar é a real poesia dos versos. Tocar corações e mentes, aqui e em outros recantos.

      Excluir
  8. Oi Antonio, eu não sou mto boa com poemas, mas os aprecio muito.
    Gostei da analogia que vc fez, bastante criativo e inteligente.
    Um abraço e obrigada pela passagem no IMD.

    ResponderExcluir
  9. Olá querido António,

    Consegui apanhar esse pequeno pássaro, que desconheço seu nome, e que atravessa e se passeia em seu blog.
    Os passarinhos vivem em liberdade e essa liberdade inspira o seu coração a escrever versos tão soltos e tão ternos.

    Beijos de luz.

    ResponderExcluir
  10. Olá Antonio

    me fez voar pelos teus versos.

    Hoje li do Joakim Antonio que "no poeta sobra o que no mundo falta."

    Um beijo grande, poeta.

    ResponderExcluir
  11. Amigo querido.
    Lindo seu poema te peço desculpas pela minha ausência no seu blog
    minha vida esta muito corrida meu anjo.
    Uma linda semana beijos meus.
    Evanir

    ResponderExcluir
  12. Obrigada por suas palavras lá no meu cantinho.

    ResponderExcluir
  13. Antonio,hoje tem poema seu no Recanto:

    http://recantodosautores.blogspot.com/2012/02/poesia-passarinho.html

    bjs,

    ResponderExcluir
  14. Amei a singela profundidade desse seu versar, a sonoridade, a criatividade e a inspiração plena de magnitude.
    Beijos e uma semana abençoada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e tão gentil comentário.

      Um abraço. Tudo de bom.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Fale conosco:






Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...