Calendário. A vida e a virada da folhinha - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

 

                    Calendário. A vida e a virada da folhinha              

     

Tudo é ciclo, reciclar da vida. Fim, começo, infinito recomeçar. Datas, meses, anos... Agendas, calendários, folhinhas... Tudo finda para o tempo não findar.


Antonio Pereira Apon.


Ampulhetas no ar.


Janeiro.

O tempo nos convida a arranjar novo começo,

À vida reeditar.

Brincar de recomeço,

para um possível reinventar.

Fevereiro.

Artifício de carnavalesca alegria,

miragens de folia e folião.

delírio de sentidos e fantasia,

Quarta vinda, finda em cinzas a ilusão.

Março.

O verão em seu crepúsculo,

folhas secas a vagar.

A maré edita o opúsculo,

Versa o outono a se achegar.

Abril.

O ápice outonal,

em “águas mil” se anuncia.

Mês que pode ser pascal,

traz da mentira o dia.

Maio.

Mês das mães por primazia,

dos enamorados corações.

Odes todos à Maria,

flores, versos, canções.

Junho.

Juninos Santos em festa,

inverno a estação.

Nordestina cultura manifesta,

forró, xaxado e baião.

Julho.

Amizade real valor,

desde o tempo da Vovó.

Quem é seu sonegador,

não desata da vida o nó.

Agosto.

Folclórico dito do “cachorro louco”,

desgosto de pais, estudantes... Deletados em genocida chacina.

Hiroshima, Nagasaki... Por tão pouco.

Poder e grana assassina.

Setembro.

Florida atmosfera,

aroma de luz e cor.

Ecológica a primavera,

deixe-se florir o amor.

Outubro.

Professor semeando o futuro,

criança presente do viver.

A ignorância “jogando duro”,

politicagem intentando emburrecer.

Novembro

Negra consciência,

igualitária a humana condição.

Finada sectária divergência,

republicana e plural a nação.

Dezembro.

Natal que a fé infinda,

esperança feita verão.

O calendário faz que o tempo finda!

Vem o ano novo e diz: Finda não!


Clique na imagem abaixo para ler outro post de começo/fim de ano, sorteado pelo sistema:


Clique aqui.


Ou clique num dos links abaixo para ler outro post de começo/fim de ano, já escolhido aleatóriamente pelo sistema:



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

12 comentários:

  1. Antonio, que bom ler sobre as fases do ano, eu amo todas, já estou me preparando para o Natal, pois depois vem o melhor, férias de verão!!!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosas e ricas mensagens! Poeticamente elaboradas! Parabéns, Antonio!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Olá Antônio,

    Que bonito e bem feito desfile poético dos meses do ano.
    Perfeito, no Hemisferio Sul.
    No Hemisfério Norte, també, embora com realidades opostas.
    Quando aí é Primavera, aqui é Outono, por exemplo, mas tudo tem sua beleza e justificação.

    Resto fe boa tarde.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Luz. A geografia atrapalhando a poesia. Kkkk... Mas, nos entendemos.

      Um abração.

      Excluir
  4. Oi, Voltei aqui para segui-lo, gostei muito do seu espaço. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda Bia! Estamos de braços e coração abertos para todos(as) amigos(as) leitores(as).

      Um abração.

      Excluir
  5. Antonio, bom é olhar para trás e fazer um levantamento de tudo que planejou e executou, o que deu certo ou errado, mas olhar para frente confiante.

    Gostei muito deste calendário, deveria ser permanente!

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas, ele permanentemente finge que finda, para poder fingir sempre recomeçar. Assim é o tempo, assim vamos em frente.

      Um abração.

      Excluir
  6. Oi Antonio!

    Que lindo calendário poético!
    Pois é, 2013 dobrando a esquina!
    Tenha um lindo dia!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dobrando a esquina? Ele já está batendo aqui na porta. Espero que traga boas coisas para todos.

      Um abração.

      Excluir
  7. Olá Antônio,

    Passando pra saber de você.
    Nada tem a ver com comentário em meus blogs, não, mas não sei se está tudo bem com você e família, só isso.
    Você já me conhece, não é assim?

    Boa semana.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luz. Está tudo bem, estou aqui “quebrando a cabeça” para automatizar o Blog de datas comemorativas, tive uma gripe de mudança de estação e um calor insuportável está me tirando do sério. Creio que essa semana resolvo tudo, menos esse calor torturante que está apenas começando cá nos trópicos.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...