Ditados políticos. Do pré-mensalão ao pós-petrolão - A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!



Clique para exibir/ocultar os posts mais recentes e mais opções do Site.

Você já conhece nosso App? Clique aqui para saber mais. Ou na animação a seguir, para baixar e instalar em seu Android..


Tudo cabe no seu App. Bom dia! Clique para baixar e instalar.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

 

                    Ditados políticos. Do pré-mensalão ao pós-petrolão              

     

Por mais esperto o marginal, por mais organizada a quadrilha. Partidos e partidários, eles passarão, como tantos outros passam e passaram. Enquanto a cidadania não acorda de verdade esse Gigante Brasil. Vamos rir, debochar dos debochados. Um dia mandamos todos eles para um lugar condizente com o caráter dessa corja.

Antonio Pereira Apon.


Dinheiro espalhado.

A opinião pública, até pode não saber por que bate. Mas o político, com certeza, sabe por que apanha.


Novo Santo brasileiro. Imaculado Lula dos iludidos. Mártir dos políticos "honestos e padroeiro dos não concursados.


Pichuleco pouco, meu caixa dois primeiro.


Dinheiro não traz felicidade. Traz Ferrari, Porsche, Lamborghini...


Corrupto esperto rouba por dois.


Um parlamentar é pouco, dois é bom, três dá em mensalão.


Propina mole em licitação dura, tanto bate até que o aditivo fura.


Deus criou a fartura, o Diabo inventou a necessidade, veio o brasileiro e arranjou o atravessador.


Político honesto é que nem extraterrestre. Deve existir...


Em rio que tem piranha. Jacaré “Lava Jato”.


Mais vale um “baixo clero” no bolso, do que dois voando.


Quando o gato não vigia, o rato compra refinaria...


Um doleiro só não faz petrolão.


Uma mão lava a outra e as duas lavam o dinheiro sujo.


Deus que acuda, quando a PF cedo madruga.


Político não mente! Treina para a campanha.


Nada como uma delação após a outra.


Diga-me com quem roubas que te direi quem és.


Para os amigos, tudo. Para os inimigos, a “Lava Jato”.


Boa romaria faz quem a PF não está atrás.


Um dia é do corrupto, o outro do corruptor.


A impunidade faz o ladrão.


Quem quer superfatura, quem não quer, manda superfaturar.


Todos os caminhos dão nos cofres públicos.


Não deixe para roubar amanhã, aquilo que pode ser roubado hoje.


De pichuleco em pichuleco, muita gente enche o papo, a cueca, a calcinha, a meia, a mala...


Quando um não quer, dois não superfaturam.


Uma boa propina, justifica os meios.


Os opostos se coligam.


Roubar e enganar. É só começar.


Favor com favor se paga.


Quem nunca recebeu propina, quando recebe se lambuza.


Boca de corrupto, só se fecha com terra de sepultura.


Quem vota em qualquer, paga o que não quer.



Leia também:

Ditados políticos.

Acorda eleitor!

Dia da mentira e dos...

Voto nulo não anula eleição. Não dê crédito a spam! Delete!

Eleição é coisa séria

Educação pra que? criar cobra pra me morder?

Erro político

Horário político eleitoral

Isso é político

Máximas (e mínimas) políticass


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

   
 
 

6 comentários:

  1. Oi, Antonio!
    A falta de seriedade está transformando o país num gigantesco lamaçal!
    Precisamos aprender muito, escolher certo!
    Tenha um feliz fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E nesse vasto lamaçal, atualmente não vislumbramos uma escolha melhor, apenas podemos optar por algo menos pior. Triste e pútrido esgoto da política.

      Um abração e bom fim de semana.

      Excluir
  2. Ficamos mudos e perplexos diante de tanta mazela com o nosso poder aquisitivo básico de alimentação, saúde e moradia. Educação? Há que se rever os valores, pois essa "ilustre cambada" sentou seus traseiros em nossas carteiras escolares!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste pátria deseducadora.

      Um abração e bom fim de semana.

      Excluir
  3. Olá, Apon, como vai? Criativa abordagem realizando adaptações atuais em ditados populares, pena que o tem é triste, corrupção... infelizmente é a cultura de que o que vale é a esperteza, independente de suas consequências. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste país da piada pronta. Mas um dia a cidadania acorda e o voto consciente nos liberta dessa lama e da parasitária bandalheira dos politiqueiros.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.



Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira Apon. E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Fale conosco.



Clique na imagem para ler um texto sorteado pelo sistema:
Textos para todos os dias. Curta a arte da vida!




Fique mais um pouquinho. Leia também...



Livros e vídeos:


Capa da segunda edição de : Essência.

>

Esse livro propõe uma incursão na alma humana, garimpando sentimentos e emoções, revelando-os em versos que retratam o homem moderno em sua incansável procura de si mesmo; seu contexto social, político e cultural em um mundo em transição.


Depois de 14 anos, atendendo a pedidos, estamos republicando Essência. Nessa segunda edição, incluímos o subtítulo: O livro do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou... Numa referência ao nosso poema integrante dessa publicação, que, absurdamente, tem aparecido na internet com o nome de autores famosos: Fernando Pessoa, Renato Russo, Chaplin... Ou plagiadores. No endereço: (http://aponarte.com.br/apedra), o amigo leitor encontra todos os esclarecimentos, inclusive algumas das formas de como o plágio tem se apresentado.

Capa da segunda edição da : Coleção
                            Graziela.

>

Aqui, pais e professores encontram uma forma prazerosa e divertida, de abordar temas como: Cidadania, comportamento, respeito ao outro e à natureza... Em sete contos, compondo um jogo de arte e educação, onde lúdica e naturalmente aos pequeninos são apresentados conceitos de: Ecologia, solidariedade, diversidade, coletividade, tempo, responsabilidade, motivação, interatividade, participação...


Textos que parecem se renovar a cada dia, conservando impressionante atualidade e sintonia. Espero que gostem.

Capa de Um dedo de prosa e poesia. A arte da
                vida.

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...