A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sempre oportuna reflexão: Meninos e meninas do Brasil





Num país de modernosas, demagógicas e descontextualizadas leis e medieval desigualdade, como sobrevivem crianças e adolescentes pobres e desassistidos?


Sinal vermelho


O que faz de teus filhos sociedade?

De teus meninos?

De tuas meninas?

Os inconsequentes

conceitos dos folhetins

entorpecem a massa

com as ilusões de seus clichês;

entre um drink e uma tragada

tem sempre um "love" a mais.

O lixo pseudomusical

prostitui a consciência

alienada e ébria

sob a batida lasciva e gutural dos "bailes"

onde rebolam as...

Meninas

fecham os olhos

e abrem as pernas.

Mas, diverso das novelas:

Trazem ao mundo

herdeiros da desgraça humana

ou abortam suas crias

como quem joga fora

algo incômodo e descartável.

Estão lá, nas vitrines das ruas

como objeto barato,

souvenir sexual;

se vendem por tão pouco

ou por nada,

muitas vezes levando pancada

de quem lhe sorve o prazer

ou do tal cafetão

que recebe na mão

o que o HIV, o HPV

ou qualquer DST

ainda não consumiu.

Meninos e meninas do Brasil

cheiram o pó

que sem dó,

lhes corrói o septo nasal

(o pau do nariz),

para que entendam

os que nada leem além de gibi

(dos fininhos)

para não cansar o intelecto,

não sobrecarregar "Tico e Teco"

com a "filosofia" dos quadrinhos.

Para ter tênis de marca

ou roupa de grife,

tomam por cartão

um três oitão

ou algo mais potente.

Escola?

Estudar para quê?

Se qualquer um

faz um batuque qualquer e vira astro,

se basta dar uma rebolada

para virar estrela de TV,

se tem tanta gente

com tanto estudo

penando na vida.

Escola é aeroporto

pros aviões do tráfico

que trafegam e traficam,

pousando e decolando,

levantando o fumacê.

A cola,

a pedra...

Uma "Cidade de Deus" em cada esquina

prenunciando

o "Carandiru" de cada existência marginal.

A bala perdida

acha um peito inocente para sangrar;

seja menino,

ou seja, menina

"democrático" drama das "selvas de pedra",

assim "subvivem" ou perecem

nossos meninos e meninas

nas sinaleiras

sempre vermelhas para a vida,

verdes para a morte.

Sob o velho jornal

na noite fria

repousa o hoje sem amanhã

fazendo sexo

como os irracionais no cio,

violentando a própria violência.

Mas não tem problema não;

tem campanha eleitoral,

tem futebol,

tem carnaval

para anestesiar toda dor

e continuarmos sendo

o eterno país do futuro

onde pobres são pobres,

negros são negros,

guetos são guetos

e os ricos

tentam fazer parte de uma outra História.

Mas, a bala perdida desconhece etnia ou classe social,

ignora credo ou ideologia;

espirra sangue

nos andrajos da plebe

e nos tecidos "Hi Tec" dos abastados.

Excluídos

meninos e meninas:

drogados,

prostituídos,

deserdados da dignidade e da sorte,

seguem

no féretro das desigualdades,

na procissão sórdida da inconsciência,

arrastando

nas sarjetas das metrópoles

a vergonha que falta na cara dos omissos.

Assim vão os meninos e meninas

não só do Brasil,

não só do terceiro mundo...

Daqui,

dali,

de alhures,

dos quintos dos infernos,

de onde se perdeu

o sentido da expressão:

Ser humano.



(Postado aqui em 02 DE AGOSTO DE 2010).


Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.


São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Compartilhe:

3 comentários:

  1. Boa tarde!
    Como foi gostoso ler e ao mesmo tempo ouvir esse maravilhoso texto.

    Parabens...Poeta!

    Receba meu abraço...
    vera portella

    ResponderExcluir
  2. Boa noite


    Estou passando pra desejar um final de semana maravilhoso, cheio de amor, alegria e felicidade.
    Desculpe o recadinho colado, mas esse final de semana vai ser super corrido e não gostaria de ficar sem te visitar aqui no blog.


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.