Girando qual pião



... gira o clima da estação. Giram os saberes, os fazeres, quereres e haveres; roleta em giração. Morte, sorte, transformação. Gira o tempo, os dados, as bolas do bilhar...

Antonio Pereira Apon.
Menino com pião - Cândido Portinari.

Gira a vida,

gira o mundo;

gira o rumo qual pião.

Gira o destino,

o idoso,

o menino...

Tudo gira.

Nada para!

Giram as engrenagens,

giram as rodas,

gira a paisagem...

Giram os ponteiros,

os dígitos,

gira o clima da estação.

Giram os saberes,

os fazeres,

quereres e haveres;

roleta em giração.

Morte,

sorte,

transformação.

Gira o tempo,

os dados,

as bolas do bilhar.

Giro do ficar e partir,

ir e vir;

giram as horas,

dias a girar.

Gira a lida

e a preguiça gira.

Gira a vida,

gira o mundo;

gira o rumo qual pião.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Lindo poetar que sempre encontro por aqui!
    A vida gira, tudo gira, nem sempre segue em linha reta, sonhos e desejos muitas vezes se confundem!
    Inspirados versos, somos eternamente influenciados!
    Abraços apertados amigo poeta Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Girar, movimentar para mudar, transformar, transcender... Parar é estagnar, tardar...

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  2. Ler seu poema me fez pensar o quanto tudo está sempre em mutação. Esse é um dos motivos pela qual o ser humano nunca deve se prender à ideia de que tem controle sobre tudo, nem em relação à quem irá encontrar sem seu caminho. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo passa e nós, passageiros no giro das rodas do tempo, avançamos na revolução de cada instante. Quem para estagna, quem tarda entorpece; a vida flui, reciclando ideias e costumes, velhas e "imutáveis certezas".

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  3. Oi Antonio,
    Lindo poema! O movimento da vida girando, rodando, passando!
    Transformação!
    Beijo carinhoso. feliz semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que para estagna, enferruja, trava, emperra... Tudo é movimento.

      Um abração.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil