Não há pulso, não há fluxo...



Cidades quentes, almas frias, planeta febril. Vadia sanha de “progresso” sem ré; riqueza sem vida, pobreza sem fé...


Antonio Pereira Apon.


Cataratas do Iguaçu, pintura de Lyssack Gennadiy.


Mata a mata,

desmata sem dó.

“Morrentes" nascentes,

terra a secar;

seca, pó,

extingue o cio do chão.

Não há pulso, não há fluxo…

Cidades quentes,

almas frias,

planeta febril.

Vadia sanha de “progresso” sem ré;

riqueza sem vida,

pobreza sem fé.

Não há pulso, não há fluxo…

Ressequida a paisagem,

desértica miragem,

natureza morta,

aborto da torta razão.

Não há pulso, não há fluxo…

Farta grana, parca sensatez,

sepulcros cheios, berços vagos;

isquêmica ganância,

congestiva, obstrutiva estupidez.

Não há pulso, não há fluxo…

Périplo do tempo,

Refluxo,

ciranda insana,

vacante,

vazante insolução.

Não há pulso, não há fluxo…

Delírio do homem,

vertigem do clima,

sentença final:

Não há pulso, não há fluxo.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá, António, meu amigo!

    Sem tirar, nem pôr. Exatamente, assim!

    Como sempre teu jogo de palavras, verbos, adjetivos, substantivos, todos numa cadência e ritmo perfeitos.

    Bem, te digo eu: que "para grandes males, grandes Remédios".

    Beijinho, menino e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que ainda tem remédio? Ou o ser humano levará até o fim a sua sanha destruidora? Estamos assistindo a política imbecil e tacanha do Sr. Trump, um exemplo de até onde pode ir a insanidade de gente que põe a grana acima de tudo: da vida humana, da natureza, da subsistência da vida em geral na Terra...

      Um abraço.

      Excluir
  2. Bom dia, António
    Com uma cadência espantosa, em versos bem delineados, aqui está uma descrição perfeita do estado deplorável a que o Homem está reduzindo o planeta. Até quando???

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Até quando"? Eis a grande questão. Até onde irá a insanidade desumana!

      Bom fim de semana.

      Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença