O homem, a lama, o rio e o mar - A arte da vida. Apon HP

Bom estar com você aqui no A ARTE DA VIDA. APON HP!


Dê um toque. Leia um escrito especialmente sorteado para você. Clique na figura abaixo.
Clique aqui, para ler um texto aleatoriamente selecionado pelo sistema.

O homem, a lama, o rio e o mar

Publicado em domingo, 20 de janeiro de 2019



... morre o Pai, o filho e depois do Espírito Santo, não vem amém. Chega a foz, vem o mar. Amargo enlamear...


Antonio Pereira Apon.


Água.


Tiraram o nome do rio,

do rio o doce tiraram.

Desvale.

O vale sem rio doce.

Desvalido, desvaído,

lameado, poluído.

Num tique rompe-se o dique,

Químico rejeito em tsunami;

destroços do troço humano,

rejeitando e andando,

devastando todo o lugar.

Piracema ainda rima com poema,

mas já não dá poesia.

Sem defeso e sem defesa,

Indefesos;

do peixe,

morre o Pai, o filho

e depois do Espírito Santo,

não vem amém.

Chega a foz, vem o mar.

Amargo enlamear.

Mariana, a cidade, chora:

Por Marias, por Anas;

por toda existência, ainda que anônima,

mas sobrevivente, sofrente...

A quem culpar?

A algum terrorista?

Ao rio que se pôs no caminho?

O mar que não quis se mudar?

Algum vilarejo, “na hora errada e errado lugar”?...

Talvez uma CPI mista, com bastante orégano!

Chegue a uma conclusão inconclusa;

a um descuido do destino,

um castigo Divino,

conspiração interestelar.

Se esse não fosse um país tão sério...



Postado aqui em 20 de novembro de 2015.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.





Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Rosa da amizade/Afeto enviada pela CÉU.


Troféu rosa da amizade/Afeto.


Rosa da amizade/Afeto do Poetizando e encantando da Professora Lourdes..



Follow
View My Stats

DMCA.com Protection Status


@INSTAGRAM