Religião a gosto

“Deus criou o homem a sua imagem e semelhança”. Numa desastrada “engenharia reversa”, o ser humano, tenta “antropomorfizar” o Criador. A partir de uma leitura parcial, literal e tendenciosa das escrituras, criam-se religiões e seitas no atacado e no varejo, para atender os conceitos, preconceitos e interesses de grupos e/ou pessoas. Assim, ao lado das religiões sérias e respeitáveis, proliferam caricaturas de religião, que pregam uma versão caricata e apequenada da Divindade.

Vejamos:

Tem a “religião longa vida”, vem pronta para consumo, é empurrada goela abaixo sem direito a questionamentos. Aceita-se cegamente e pronto! Raciocinar é coisa do Diabo.

Já as religiões transgênicas, teologicamente modificadas, se adequam ao gosto do freguês.

As religiões “habeas corpus”, são a “salvação” de marginais, viciados e corruptos, supostamente “arrependidos” (até o próximo deslize).

As religiões “advogado”, adotam a velha máxima: “Para os amigos, tudo! Para os inimigos, a lei!”.

Na religião “político”, impera o “é dando que se recebe”, quem não pode dar R$1.000,00, dá 100, 10, vale transporte, a roupa do corpo...

As religiões “imobiliária” garantem luxuosa moradia celeste, com vista privilegiada para o altíssimo.

Nas religiões “feira livre”, a “salvação” vem no grito. Para “Deus e o mundo” ouvir.

Nas religiões “bad boy”, tem castigo até a terceira geração, senhor de exército, Deus vingador... – Não sei porque, de repente me lembrei da inquisição, das cruzadas, guerras santas (?), fundamentalismo, fariseus, sinédrio...

Nas religiões “fashion”, as coisas mudam segundo a mo-da. São também conhecidas como religiões “baile”, “dançam conforme a música”.

Nas religiões “vale-tudo”, “os fins, justificam os meios”, é “com eles, contra eles, por nós”.

Por fim, chegamos às religiões “balaio de gato”, nelas se mistura tudo e mais alguma coisa.

Antigamente “a religião era o ópio do povo”, hoje temos que fazer uma anamnese, para identificar a droga.

Brincadeiras à parte (como dissemos no início), existem muitas religiões sérias que buscam verdadeiramente ser o elo de religação dessa humanidade tão conflitada e materialista, com Deus.
A fé não é incompatível com a razão, alienação não é sinônimo de espiritualidade e quando procurarmos entender Deus, ao invés de temê-lo, encontraremos o endereço perdido (?) da verdade e da paz.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”