Vida: autores e protagonistas



... tudo é o que fazemos ser: Se quisermos ser coitadinhos, coitadinhos seremos. Se desejarmos fazer a diferença, assim...


Antonio Pereira Apon.


Rosa vermelha.


Costuma-se dizer, que as coisas são como são, que a vida, é o que é, e pronto. Um absoluto determinismo, uma condição inapelável...


Depende:


Uma pessoa comum, diante de um bloco de pedra, verá apenas um bloco de pedra, mas sob o olhar de um artista, começará a nascer uma bela escultura.


Para um perdedor, qualquer revés é motivo para desespero, para um vencedor, o maior dos problemas, se afigura como um instigante e irresistível desafio à superação.


Um pessimista reclama dos espinhos da rosa, o realista não ignora os espinhos, mas opta por usufruir da beleza perfumosa de sua composição.


Um cético, agasta-se e sucumbe à menor das dores, um homem de espírito, vê o mais agudo sofrimento, com a resignação e a coragem das almas maduras, que acreditam na vida e confiam em Deus.


Alguns, estagnam nas dificuldades, outros criam soluções.


Tem gente que vive indefinidamente a esperar o momento oportuno. Tem gente, que faz os seus momentos, que faz acontecer.


Há os que vivem a se lamentar da vida, e os que vivem a vida.


Alguns supervalorizam os episódios tristes, outros garimpam os momentos felizes, que lhes orvalham o ser.


Para um analfabeto, um poema de Pessoa, não passa de rabiscos indecifráveis e insignificantes. Para alguém letrado e culto, é muito mais que um poema de Pessoa.


Cada um, percebe as mesmas coisas e situações, de modo diverso e relativo, tudo é o que fazemos ser: Se quisermos ser coitadinhos, coitadinhos seremos.


Se desejarmos fazer a diferença, assim será.


O sonho e a realidade, não são antagônicos. O sonho é a nascente das realizações.


Não somos marionetes do destino, somos autores e protagonistas do nosso desiderato.


Cada um que lê esse texto, lê um texto diferente, ainda que esteja lendo o mesmo texto. O mesmo ocorre com a leitura e interpretação do existir.



(Postado aqui em 03 de agosto de 2007).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Verdade! Tudo se resume na forma como a gente encara a vida, se com olhar derrotista, ou como um desafio a ser vencido.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Olá meu caro,

    Vou comentar o seu post com uma frase que gosto muito e que retrata bem o seu texto, do nosso querido Fernando Pessoa:

    Os tristes dizem que os ventos gemen, s alegres acham que cantam.

    Grande abraço, boa semana!

    Leila Rodrigues

    ResponderExcluir
  3. Antonio! Que texto lindo! Mensagem atualíssima! Na condição de autora de minha vida, rejeitada desde o útero, tive força divina (e tenho) para superar todas as intempéries da vida! Obrigada! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  4. Olá querido António,

    Como sempre textos óbvios, mas filosóficos.
    Verdades de Monsieur de la Palice, dirão alguns, mas, não deixam de ser verdades.
    Cada um vê a vida e a interpreta à sua maneira.
    A vivamos o melhor, que saibamos.

    Beijos de luz.

    ResponderExcluir
  5. Olá Antonio, querido amigo,
    A maneira de ver as coisas depende da interpretação que damos a elas. Você tem razão quando diz que o mesmo texto, lido por pessoas diferentes, terá interpretações diferentes.
    Cada um vê o mesmo objeto de forma diferenciada, pois nossas mentes não são e não pensam da mesma forma.
    Muito boa sua postagem!
    Deixo meu afetuoso beijo,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  6. Seu texto é de arrepiar!! ADOREI!!
    É isso ai!!

    "...Se desejarmos fazer a diferença, assim será."

    Que Assim Seja!!
    Tenha uma Semana Abençoada!!
    Muita Luz!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Antonio. Um texto muito bom com verdades incríveis. De fato, leremos o mesmo texto sob óticas diversas, e isso é o que denota a diferença de cada personalidade.
    Saudades de ti.
    Um beijo na alma.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Tempo e amor