Destino (Com mp3)



... como as folhas do outono voeja ao sabor do vento. Vento... hora é tempestade, hora brisa, calmaria ou furacão; vento destino que o homem julga...


Destino (mp3)
Antonio Pereira Apon.



Relógio. Composição de Antonio Pereira Apon.


Parafraseando o filósofo:

o destino tem razões

que a própria razão

diz desconhecer.

São encontros e desencontros

traçados nas linhas da vida,

nas idas e vindas,

no teatro louco do louco viver.

São chegadas e despedidas,

desamores e amores,

desejos que passam

e que ficam também.

É ele o regente das vidas

que com as rédeas do tempo

galopa o existir,

existir

que como as folhas do outono

voeja ao sabor do vento.

Vento...

hora é tempestade, hora brisa,

calmaria ou furacão;

vento destino

que o homem julga ter,

mas é ele

que tem o homem nas mãos.




Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”