Paixão virtual



... enlace do sentir fez-se eco nos corações que um cupido cibernético ousou flechar, mudando o sentido ou dando sentido ao que sentido não tinha. Dois desconhecidos...


Teclando


Da tela do micro ela surgiu,

de um chat

onde presumia

o vácuo absoluto existir,

ela emergiu

de um mar de bits;

de um teclar inesperado,

um inesperado convergir.

Do PC ao telefone,

o virtual vestiu

a poesia de uma voz,

e o enlace do sentir

fez-se eco nos corações

que um cupido cibernético

ousou flechar,

mudando o sentido

ou dando sentido

ao que sentido não tinha.

Dois desconhecidos

o destino plugou:

conexão de quereres,

paixão via modem,

suspiros e afãs;

desejo incontido,

abraço ansiado,

beijo querido:

afago desejado,

colo aquecido,

amor.

Via net ela surgiu

na tela do computador,

e digitou no meu coração

um nick chamado paixão.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Com a palavra, a palavra!

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!