Versos ao tempo



... Lutar. Não peito a peito mas ombro a ombro. Converter as trincheiras em...


Antonio Pereira Apon.


Ampulheta.


As palavras dispersas do passado

o tempo reuniu

em versos de comunhão.

Convidando-nos para:

Despir os trapos rotos do pretérito,

vestir de esperança o amanhã,

trocar o dividir pela soma,

somar o multiplicar.

Lutar.

Não peito a peito

mas ombro a ombro.

Converter as trincheiras

em jardins,

transmutar

as armas em flores,

perfumar os corações

com o hálito da paz...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Vidas por um cinto. Sinto...

Qual o limite da amizade?

Poema para o amigo - Feliz dia do amigo!

Amigos não tão virtuais

Acróstico junino

Um até...

Querido defeito de estimação…