A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



domingo, 9 de dezembro de 2012

Paradoxos natalinos





Já é natal para você? Para quem mais? Quando, como e para quem é natal?


Antonio Pereira Apon.


Presépio.


Já é natal!

Na decoração do Shopping lotado,

nas vitrines iluminadas,

no artifício das propagandas.

Para quem não é tão pobre,

para o remediado,

para o abastado é natal!

Para quem vai ganhar um tablet,

para quem vai trocar de carro...

Para quem faz a lista de compras,

para quem confecciona o rol de presentes.

Já é natal para quem idealiza a ceia,

para quem tem emprego,

para quem planeja as férias escolares.

Para...

Não é natal!

No barraco mal ajambrado,

no casebre na encosta,

no desabrigo da rua.

Para quem é pobre,

para o desempregado,

para quem se farta de fome, não é natal.

Não é natal para quem não tem escola,

para quem perdeu a esperança e matou os sonhos,

para quem fuma o tempo deixando o crack correr.

Para os explorados, deserdados, abandonados...

Para quem não tem nada e ainda "perde tudo",

para os sem fé e sem futuro,

para...


Papai Noel na cabeceira de um menino.


"Já faz tempo que pedi

mas o meu Papai Noel não vem

com certeza já morreu

ou, então, felicidade

é brinquedo que não tem".



(Postado aqui em novembro de 2009).


Clique na imagem abaixo para ler outro post de fim de ano, sorteado pelo sistema:


Clique aqui.


Ou clique num dos links abaixo para ler outro post de fim de ano, já escolhido aleatóriamente pelo sistema:



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

10 comentários:

  1. Como diz o Biquini Cavadão

    Ó, mundo tão desigual
    Tudo é tão desigual
    De um lado este carnaval
    Do outro a fome total
    ôôôôô

    Beijo Antonio!

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, realmente não é Natal para quem nada tem, e tem que o encarar da forma comercializada que hoje em dia as pessoas o conhecem. Mas, para aqueles que têm Jesus como Pai, e sabem o verdadeiro sentido do Natal, desculpa amigo, mas para esses o Natal não morreu.
    Neste dia comemora-se a família, a paz e a união, e eu não preciso de luxo para fazê-lo.
    A minha vida, sempre foi pobre, mas nunca faltou um galho de pinheiro, enfeitado com bocados de algodão para assinalar esta quadra festiva, agora os presentes... raramente havia algum.
    Beijo amigo, desculpa o comentário tá?

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana!

    Desculpar o que? Seu comentário é perfeito e oportuno. O natal abordado aqui, é esse bem distante daquele em que Jesus é o protagonista. É o natal de Noel, que separa pobres e ricos, bem diverso dos ensinos do Cristo. Natal de verdade, independe do ter e exalta o ser, é uma festa do espírito, o renascer constante do Menino Jesus na "manjedoura" de cada coração humano, fraterno e solidário.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Antonio! NATAL para mim é a festa da Vida; e essa temos que celebrar e agradecer todos os dias. Sem artifícios, que não os da alma! Sem o Ter, mas na contemplação do Ser. Mas, isso se tornou também um chavão, pois como quem não tem um pedaço de pão para dar a seus filhos, poderá entoar em sua alma o Natal? Como poderá dar carinho ainda que na manjedoura? Há falta de tudo em muitos e não é uma doação que irá resolver. É o velho axioma: não dê peixe... ensine a pescar! Essa é uma lição difícil de ser transmitida! Que nasça Jesus nos corações de pessoas que detêm o poder nas mãos e que saibam fazer uma divisão humana entre todos!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Olá Van e Célia!

    Esse natal coisificado vem explicitar ainda mais o abismo entre pobres e ricos. O “espirito natalino” é subjugado pelos artificialismos egoístas, indiferentes e inconsequentes. Assim, para muitos, o natal torna-se uma celebração à hipocrisia e o individualismo tão paradoxais ao Cristo e seus ensinamentos. Natal de verdade, é lembrar: “Fazei ao próximo o que quereis que façam convosco”, “amar ao próximo como a si mesmo”, “Esse povo me honra de lábios, mas mantem longe de mim o coração”, “é por suas obras que se reconhece o verdadeiro cristão”... ... ...

    Um abração e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá,fim de Ano,encontro com amigos,com seguidores meus,trazendo um sorriso,um valeu por me seguir e aproveitando para te conhecer.
    Natal,uma data especial e cheia de esperanças,não podemos deixar macular este dia com as nódoas da Terra.estamos em resgates e o Mundo trouxe a tona toda mágoa de milênios,mas sou seguidora da Estrela Guia e não esmoreço e continuo espalhando a Essência em meu Dom..que foi assim que o Artista do Universo pe comprometeu e pediu.Expressiva e Reflexiva poesia.Parabéns.Bjjus\Flor*

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Antonio. Fiquei uns dias sem net, alíás, ainda estou. Por essa razão a demora em meus comentários e postagens. Fico aflita, porém ainda não deu para eu resolver o problema.
    Antes do meu comentário, eu espero que você esteja bem, estou com saudades de você.
    A sua postagem foi um grito de protesto em relação a desigualdade social tão presente nas habitações, empregos, oportunidades.
    O espírito do natal é compartilhar o amor, lembrar do nascimento de Jesus, e não tornar isso puramente comercial.
    Não sou contra os presentes, dar receber é muito bom, porém creio que poderíamos fazer mais pelo nosso próximo.
    Os que têm muita condição financeira ter uma maior participação, e os que não têm, ajudar na medida do possível.
    O governo poderia ser mais participativo, porém esperar somente dele não funciona.
    Existem formas de doarmos amor, roupas, alimentos por iniciativa nossa, colaborando com o governo, com a sociedade em si.
    O trabalho voluntário é muito interessante, mas não somente em épocas festivas.Eu sei que ele intensifica-se até mesmo pelo espírito de fé e amor que paira pelo ar.
    Na minha opinião sempre haverá desigualdade social, pode diminuir, mas não acabar, infelizmente.
    Realmente é muito triste ver crianças, adolescentes, jovens, adultos, não ter moradia digna e se perderem para as drogas, dói.
    É realmente triste ver que o pouco que tinham se perdeu em alagamentos, deslizamentos, que moram em áreas de risco, e o governo sequer resolveu essa situação definitivamente, uma vez que não construiu casas para essas pessoas.
    De fato lamento, mas infelizmente posso fazer muito pouco, posso pedir a Deus que os ajude, e que nos livre desse mal, uma vez que não sabemos o dia de amanhã.Essa é a minha opinião.
    Um beijo grande, e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  8. realmente a diferença é gritante
    alguns se sensibilizam com essa questão, mas apenas nessa época, fazem algum bem esperando garantir sua vaga no céu, e esquecem que nos outros 364 dias as necessidades vão continuar assolando essas almas cuja lógica social não as compreende, e consequentemente as exclui...

    ResponderExcluir
  9. Olha pra mim o Natal,sempre foi e continuará sendo Jesus sabe,vejo essa festa toda,decorações caríssimas,roupas,jóias,crianças sendo formadas bem longe daquilo que de fato o Natal é,um consumismo exagerado e a falta de amor ao próximo escassa.
    O mundo é mesmo desigual e fica mais desigual ainda quando se perde o sentido original das coisas,graças a Deus que nesse Natal tenho vida,família,amigos e alegria pra comemorar,porque o resto compra-se e vende o ano todo,não é mesmo?!
    Abraço e uma ótima semana=)

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.