A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



domingo, 29 de junho de 2014

Não dá para decidir nos pênaltis





... fazemos cera, não entramos em “bolas divididas”, nos abatemos com o jogo bruto do adversário, com um momentâneo placar adverso, com uns gols perdidos... Vamos deixando o oponente “gostar do jogo”...


Jogo de futebol.


Uma partida decisiva, eliminatória de futebol, além dos 90 minutos regulamentares e seus possíveis acréscimos, ainda pode ir para a prorrogação e chegar na disputa por pênaltis caso um empate persista.


Fazendo uma analogia com uma existência humana: Esperamos que tudo se resolva no “tempo regulamentar” de nossa vida, nessa “partida” que agora jogamos contra as adversidades. Mas, por vezes, fazemos cera, não entramos em “bolas divididas”, nos abatemos com o jogo bruto do adversário, com um momentâneo placar adverso, com uns gols perdidos... Vamos deixando o oponente “gostar do jogo”, ter uma maior “posse de bola” e vamos nos permitindo derrotar. Apesar de nossa superioridade técnica e tática.


Em certos casos a coisa termina mal empatada e só acorda-se para a vida, após um acidente grave, uma doença severa, uma EQM (Experiência de quase morte)... Em plena “prorrogação”, descobre-se que está-se aqui para vencer ou vencer. Não adianta reclamar do Juiz, do campo, da temperatura... E, diferente do futebol; não podemos apostar na sorte, não dá para decidir nos pênaltis.


***


Texto inspirado no jogo Brasil e Chile pelas oitavas de final da copa de 2014, onde a Seleção brasileira se classificou na disputa de pênaltis, graças a um dia inspirado do goleiro Júlio César e a “inspirada” trave salvadora.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Compartilhe:

5 comentários:

  1. Meu amigo Antonio, seu texto está ótimo, me fez pensar, a Vida é bem assim, (igual a esse jogo) que deixou muitos fora do eixo!
    Um simples jogo de futebol, mas que decidia a Vida do goleiro Júlio César, só ele sabia o que ia em sua alma naquele momento, lágrimas incontidas, foi muito forte o pensamento dele naquele momento, energia fortíssima meu amigo, sei que entendes bem o que quero dizer por aqui, é isso, nada nessa vida é por acaso, nada mesmo!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tanto no futebol como na vida, vale o velho ditado: "nada melhor do que um dia após o outro". Superar e se superar é viver e aprender com as dificuldades. Os críticos contumazes, apenas são meros patrulheiros da vida alheia. Júlio César os calou.

      Um abração.

      Excluir
  2. Um jogo mortal!! Haja emocional e coração em perfeito estado para superar tamanha adrenalina! O brasileiro e seu fatídico "deixar para a última hora, o último minuto"... Por favor! Mudem a estratégia, caso contrário, muitos não chegarão vivos a final seja qual for o time!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pênalti é como "roleta russa", pode ser fatal, certo, justo e bom é resolver nos 90 minutos. E na vida nem tem, não dá para arriscar.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá.

    Sábado de sol. Tardes de entretenimento.
    Meus desejos de um tempo de paz e Saúde.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.